Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Neurônios e Consciência

Expandir mensagens
  • lubandesh
    Neurônios e Consciência Joanna de Ângelis / Divaldo Franco A visão materialista, a respeito do ser humano, com a sua proposta fatalista sobre o
    Mensagem 1 de 1 , 23 de ago de 2012
      Neurônios e Consciência

      Joanna de Ângelis / Divaldo Franco

      A visão materialista, a respeito do ser humano, com a sua proposta fatalista sobre o determinismo biológico apresenta, na sua essência, uma expressiva contribuição de estímulo à insensatez, às perversidade e à desestabilização moral, por liberá-lo de qualquer responsabilidade ante os acontecimentos do seu dia-a-dia.

      Guiado pelos automatismos bioquímicos do cérebro, gera o reducionismo que o propele a ser aquilo que se encontra desenhado nos refolhos da sua constituição neuronal.

      Os sentimentos de bondade, de beleza, de perfeição, como os de criminalidade, de desconsertos morais, de conduta e de conquistas ou prejuízos resultariam, desse impositivo determinante, do qual ninguém foge.

      Os fatores psicossociais, sócio-educacionais, sócio-econômicos poderão contribuir para amenizar circunstâncias, realizações vitais e suas conseqüências, não porém, para alterar o curso existencial, face a essa fatalidade desastrosa da origem.

      Tal conceito, além de caótico é, ao mesmo tempo, cômodo, por isentar de esforço e de respeito por si mesmo, todo aquele que se sente impulsionado à conduta agressiva, delinqüente ou vulgar, que se permite.

      O ser neuronal exclusivamente será sempre vítima das disposições dos equipamentos cerebrais que dele fazem um anjo ou um revel, um gênio ou um monstro.

      Certamente, não se pode desconsiderar os contributos do bioquimismo cerebral na existência humana. Isto, no entanto, não constitui a causa única de êxito ou de insucesso, de moralidade ou desgraça, em razão de se encontrarem esses neurônios estruturados nas mensagens que procedem das tecelagens mui sutis do perispírito, no qual, as redes que os constituem têm as suas gêneses - as conquistas e os danos operados pelo Espírito.

      Sendo a consciência uma conquista do Espírito e não uma secreção neuronal, tal conhecimento altera o quadro da responsabilidade do ser perante ele próprio, a vida e a humanidade, porquanto confere-lhe o discernimento, a lucidez, a livre opção para agir.

      Harmonia ou instabilidade emocional, psíquica e orgânica, procedem do ser imortal, cujas realizações imprime na constituição biológica através da reencarnação.

      À educação compete o desenvolvimento dos valores em germe sob o apoio dos sentimentos que elaboram a realidade de cada qual.

      *

      O fatalismo biológico desenvolve-se nos moldes da energia perispiritual, que faculta à mitose celular reproduzir-se de maneira que ajusta os órgãos no campo vibratório que lhe é próprio.

      Sendo a mente uma faculdade do Espírito e não do cérebro, que tem a função de decodificá-la, ajustando-a às possibilidades do seu desenvolvimento intelectual, direciona o processo da reencarnação conforme as realizações em precedentes existências das quais procede.

      A mente pensa sem o cérebro e comunica-se após a morte do corpo, enquanto que, danificado ou sem a ação que dela se origina, ele é incapaz de pensar.

      Processos bioquímicos são destituídos de discernimento para gerar idéias e selecioná-las, não obstante esses impulsos as possam arquivar nos refolhos das zonas da memória, que se liga por mecanismos mui específicos ao Espírito de onde procedem.

      Outrossim, os variantes níveis de consciência jamais resultam da freqüência dos hormônios neuronais, e das cerebrinas ou de outros fatores biológicos, em razão do processo evolutivo que fixa cada período, emulando o ser a conquistas mais expressivas e elevadas.

      A máquina, seja qual for, é destituída de espontaneidade, não funcionando sem o auxílio daquele que a elaborou. Por mais complexo e admirável seja o seu mecanismo, o agente independe-lhe, embora ela não o dispense.

      Os impulsos cerebrais, as sinapses responsáveis pela preservação da vida orgânica decorrem do agente que a organiza e direciona, mesmo que sem consciência do processo estruturado nas Leis da Vida, que estabeleceram a mecânica da reencarnação.

      Sem o ser causal, não há funcionamento no conjunto orgânico temporal.

      *

      A consciência cresce e desenvolve-se à medida que o Espírito adquire experiência através das reencarnações. Em uma existência apenas, torna-se irrealizável o esforço de alcançar os patamares elevados, a perfeita integração com a Cósmica. Entretanto, degrau a degrau, vivenciando as realizações e incorporando-as ao patrimônio intelecto-moral, momento surge em que o conhecimento discerne e age em consonância com os Divinos Códigos, passando, então, a viver o patamar libertador.

      Todas essas conquistas são impressas nos neurônios cerebrais através dos processos bioquímicos propiciados pelo perispírito e manifestando-se no comportamento do ser humano.

      A mente pensa sem o cérebro e comunica-se após a morte do corpo
    Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.