Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.

46237Fwd: Psicologia Angélica

Expandir mensagens
  • Max Diniz Cruzeiro
    20 de nov de 2017

      Psicologia Angélica

       

      Este texto foi produzido para comemorar o aniversário da Psicóloga Ana Paula da Silva Torres

       

      Quando uma civilização ancora suas leis e princípios universais, a Lei do Livre Arbítrio como valor venal que deve ser preservado, então o princípio psicológico que gere as relações entre pessoas é regido por relações de troca e partilha onde o direito individual deve ser preservado em face de uma intervenção a partir de outro indivíduo.

      Nestes casos geralmente se aplica um tipo de psicologia em que um conhecimento é transferido sem se tornar um conteúdo impositivo, no qual o indivíduo possa ter escolhas para seguir, para raciocinar e atribuir a si próprio a finalidade da aplicação de tal conhecimento.

      A psicologia angélica surge como uma forma de tornar um sentido dual a reflexão de um conhecimento adquirido, de forma que o usuário possa sintetizar o valor que está sendo aderido dentro do regramento que o seu instinto o está conduzindo naquele momento.

      De certo modo ela é uma medida que não altera a probabilidade de ação de uma pessoa que se vincula a perseguir um caminho ao qual os seus valores já conquistados estão ancorados.

      Na psicologia angélica é admitido o ensinamento que mostre a verdade sobre o conhecimento em múltiplas polaridades. No qual caberá ao próprio indivíduo adotar para si a “verdade” que mais o convém perseguir dentro de sua lógica de raciocínio.

      As benesses de colher os frutos do entendimento dizem respeito ao sentido em que é reforçado pela ideologia adotada pelo indivíduo. Que pela Lei do Livre Arbítrio tem o direito de escolher o caminho que melhor segmenta e representa a sua expressão de vontade.

      Assim, o realce em torno do reforçamento do sentido atribuído para si mesmo para ser perseguido é a tônica do processo de transferência da informação.

      Desta forma, caso a civilização se autoconduza para um caminho de deteriorização de valores e princípios tenderá a reforçar a atitude em torno deste núcleo de saber e fatalmente será conduzida para a interrupção pela escalada de evolução.

      Por outro lado, se o reforçamento psicológico está orientado para estímulos de conservação, o progresso dentro de uma civilização que adote este caminho como forma de desenvolvimento irá acelerar gradativamente a sua evolução social de forma que irá colher mais rápido o fruto pelos seus esforços.

      No caso de absorção para o estímulo de desintegração o indivíduo acelera sua involução ao aplicar a psicologia angélica em sua vida.

      Desta forma se garante o equilíbrio dentro de um universo que não se sabe ao certo que se caminha para um sistema de conservação e preservação ou um sistema de autodestruição.

      Limitando a dor, a angústia, e acelerando os processos que levam os indivíduos que caminham no sentido da continuidade a prosperarem evolutivamente mais que os outros que se concentram em forças reativas que conduzem mais rapidamente para a morte, aniquilamento, desintegração e destruíção.

      Pode parecer cruel agir desta forma, mas é demonstrado dentro da psicologia angélica que o indivíduo tem o aprendizado para seguir todos os caminhos possíveis de sua jornada, mas ao invocar a Lei do Livre Arbítrio ele deve ser cônscio o suficiente para adotar o caminho que melhor conduza a força de sua vontade.

      Devido a regra de causa e efeito vinculada com a regra da Lei da Atração, se a pessoa tem o conhecimento mais avançado e caso o reconheça apenas para tirar proveito e vantagem dentro do ciclo destrutivo e imaginário de suas projeções de pensamento no agir humano, mais acelerado, ainda é sua pena, que se eleva o grau de complexidade para alcançar um nível evolutivo ainda maior que a faça se fusionar dentro do limite de conservação dos corpos.

      O entendimento ancestral da psicologia angélica aliou a um conhecimento de grau de pureza e depuração de valores e princípios, como sendo um sentido de iluminação da alma ou da essência do indivíduo.

      Devido a observação dos inúmeros benefícios era capaz de sintetizar para toda a civilização que ancorasse o seu saber em torno do regramento dos estados de conservação.

      Porém, a psicologia angélica está muito além da ética, no sentido de adotar uma relação restritiva para o mal e uma relação de benefícios para o bem.

      Ela conduz a uma via de expressão que permite que as pessoas sejam livres dentro de suas próprias escolhas, conforme se espera o designo e relação vital que o indivíduo atribuiu para si para sintetizar a sua forma de se expressar enquanto criatura vivente.

      A liberdade é um dos pilares universais. Então a psicologia angélica sabedora deste princípio estabelece-se dentro do vínculo que permita ao indivíduo vincular a sua expressão a sua necessidade pontual em perseguir ou não uma métrica de consumos de pensamentos que irá conduzi-lo ao estado de experimentação desejado.

      Cabe a cada um diante de alternativas ser cônscio o suficiente para decidir sobre o melhor caminho que é seu desejo perseguir para encontrar na informação, no desejo, na vontade, aquele aspecto que melhor represente a vontade do sentido de sua evolução.


      Fraternalmente,


      Max Diniz Cruzeiro

      LenderBook Company

      www.lenderbook.com