Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Cruel um tanto quanto

Expandir mensagens
  • Ubiratan Rocha da Silva
    Cruel um tanto quanto José Sarney 20/02/2009 Escrevendo sobre Carlos Castelo Branco, o maior jornalista político dos últimos 50 anos e um dos maiores de
    Mensagem 1 de 1 , 11 de abr de 2009
      Cruel um tanto quanto

      José Sarney

      20/02/2009

      Escrevendo sobre Carlos Castelo Branco, o maior jornalista político dos últimos 50 anos e um dos maiores de todos os tempos no Brasil, discuti se o jornalismo era um gênero literário. Mesmo estando fora da classificação da teoria literária, através dele, se pode fazer literatura. E é o que muitas vezes se faz em textos que se leem todo dia na Folha, de Clóvis Rossi a José Simão, passando por todos os outros nos dias bons.

      Agora o tema volta a preocupar os que fazem jornal na Europa, e o que se discute é como ele passou de um ofício individual para uma tarefa de ateliê, coletiva.

      Eugenio Scalfari e Jesús de Polanco, que, quase ao mesmo tempo, fundaram La Repubblica, na Itália, e El País, na Espanha, transformaram a concepção de jornal, que passou a privilegiar a qualidade do texto, sua relação com a cultura, de tal modo que fosse, ao mesmo tempo, uma fonte de informação e um gosto intelectual.

      Antes deles, Le Monde estava neste rol. E, até hoje, são os três melhores jornais da Europa e estão entre os dez primeiros do mundo, inigualáveis no primor da sua linguagem. Cada matéria é cinzelada como uma obra de arte.

      Em recente aula, em Roma, Scalfari, já além dos 80 anos, afirmou, para escândalo dos jovens redatores, que o jornalismo "é um ofício cruel". Há 20 anos, ele definiu: "Periodista es gente que le dice a la gente lo que le pasa a la gente." Por que essa mudança brusca? Velho, ele acusa o tempo. Argumenta que hoje a verdade não é fácil de ser encontrada entre tantas verdades, num mundo no qual temos que escolher a nossa verdade.

      Os jornais passaram a ter de navegar numa linha perigosa e invisível, totalmente subjetiva, entre a nudez da vida privada e os deveres da imprensa com a vida pública, aquilo que, na Itália, e, agora, no Brasil, entrou na moda, a sagrada lealdade republicana: democracia e solidariedade entre as classes, liberdade como valor fundamental unida à ideia de igualdade.

      Quando o jornalista tem de "dissecar as pessoas, os personagens da atualidade, despindo-os além de sua aparência", a isso ele chama de cruel. O problema da privacidade desapareceu, e ela passou a ser regulada pelo sentido de responsabilidade de cada jornal e jornalista. Aí a controvérsia aborda a imprensa marrom, os jornais de escândalo, a necessidade de atender ao gosto dos leitores, o que nós dizemos "vontade de ver sangue".

      Scalfari afirma orgulhoso que La Repubblica e El País nunca entraram nessa invasão, exceto quando "a vida privada se entrelaça com a vida pública". E amedronta-se com a profecia terrível: "O jornal impresso vai acabar em 2018." É triste ouvir isso. Eu e Elio Gaspari temos como dogma que o jornal e o livro nunca acabarão. A internet que se cuide.

      José Sarney
      é ex-presidente da República e membro da Academia Brasileira de Letras. (jose-sarney@...)

      Fonte: http://www.dm.com.br/materias/show/t/cruel_um_tanto_quanto
    Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.