Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Palestinos enterram seu poeta Mahmud Darwich

Expandir mensagens
  • Ubiratan Rocha da Silva
    Palestinos enterram seu poeta Mahmud Darwich 2008/08/13 RAMALLAH (AFP) — Os restos mortais de Mahmud Darwich, o poeta palestino falecido nos Estados Unidos,
    Mensagem 1 de 1 , 1 de set de 2008
      Palestinos enterram seu poeta Mahmud Darwich
      2008/08/13

      RAMALLAH (AFP) — Os restos mortais de Mahmud Darwich, o poeta
      palestino falecido nos Estados Unidos, chegaram nesta quarta-feira a
      Ramallah, Cisjordânia, onde será enterrado depois de um funeral
      oficial.

      O corpo foi levado de Amã por um helicóptero militar jordaniano que
      aterrissou no pátio da Muqata, a sede presidencial do líder palestino
      Mahmud Abbas em Ramallah.

      Darwich faleceu no sábado passado, em um hospital do Texas (sul dos
      Estados Unidos), aos 67 anos de idade.

      Darwich foi um dos maiores poetas de língua árabe contemporâneos, com
      uma obra de grande lirismo marcada por dramas do exílio e da ocupação
      vividos pelo povo palestino. Adquiriu notoriedade internacional com
      cerca de 30 obras traduzidas em 40 línguas.

      Seu célebre poema de 1964, Identidade ("Sajjel: Ana arabi"), sobre um
      formulário israelense de preenchimento obrigatório, tornou-se um hino
      em todo o mundo árabe.

      "Darwich morreu às 13H35 local (18H35 GMT)", disse, sem apresentar
      detalhes, Ann Brimberry, porta-voz do memorial Hermann-Texas Medical
      Center em Houston onde estava internado.

      Mahmud Darwich estava em estado crítico depois de uma intervenção
      cirúrgica, disse mais cedo um outro responsável do hospital.

      Mahmud Darwich nasceu em 1942 em Al-Birweh, na Galiléia, então na
      Palestina sob mandato britânico e hoje, norte de Israel. Em 1948,
      depois de arrasarem a cidade, as tropas israelenses obrigam-no a
      partir com a família para o exílio, mas que acabou regressando
      clandestinamente, um ano depois.

      Cinco vezes preso, entre 1961 e 1967, refugiou-se, em 1970, no Cairo
      e, em 1972, em Beirute, no Líbano, que abandonou, entretanto, em
      1982, durante a invasão do país pelas forças judaicas.

      Após a guerra israelense no Líbano de 1982, que forçou a direção da
      OLP, Organização para a Libertação da Palestina, da qual fazia parte,
      a se refugiar na Tunísia, Darwich retomou a rota do exílio: Cairo,
      Tunísia e depois Paris.

      Em 1993, afastou-se da OLP para protestar contra os acordos de Oslo,
      estimando que não representariam uma "paz justa" para os palestinos.

      Em maio de 1996, foi autorizado a pisar no solo de Israel pela
      primeira vez desde o exílio, para assistir aos funerais do escritor
      árabe-israelense Emile Habibi.

      Sua vida dividia-se, até recentemente, entre Amã, na Jordânia, e
      Ramallah, na Cisjordânia. Considerado um dos mais importantes poetas
      árabes contemporâneos, Mahmud Darwich é autor de uma extensa e
      complexa obra, caracterizada ora por um tom revolucionário e
      patriótico, ora por um sopro épico e lírico.

      Foi também autor de diversas obras em prosa, onde estão reunidos os
      numerosos artigos publicados na imprensa, designadamente na revista
      literária al-Karmil, que fundou em Beirute e que dirigia a partir de
      Ramallah.

      Laureado com o prêmio Lenin da extinta-URSS, cavaleiro das Artes e
      das Letras (na França), recebeu em Haia o famoso prêmio Príncipe
      Claus pelo "conjunto de sua obra".

      Fonte:
      http://afp.google.com/article/ALeqM5hk1g6IpogNTSGZwYHiU72lRzctJg
    Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.