Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Esmeraldo Siqueira: o centenário de um maldito

Expandir mensagens
  • Ubiratan Rocha da Silva
    Esmeraldo Siqueira: o centenário de um maldito 19/08/2008 - Tribuna do Norte Michelle Ferret - Repórter É provável que ainda não me compreendam . Essa
    Mensagem 1 de 1 , 1 de set de 2008
      Esmeraldo Siqueira: o centenário de um maldito
      19/08/2008 - Tribuna do Norte

      Michelle Ferret - Repórter


      "É provável que ainda não me compreendam". Essa frase foi escrita
      pelo poeta Esmeraldo Siqueira no seu livro "Variações em Prosa",
      editado pela editora Pongetti no ano de 1968. Suas obras, sempre com
      um tom afiado em relação à política e à sociedade, o tornaram um
      poeta marginalizado na sociedade potiguar até sua morte.

      Hoje, quando o escritor faria 100 anos, a Prefeitura através da
      Capitania das Artes presta uma homenagem lembrando a sua importância
      para o desenvolvimento da literatura do Rio Grande do Norte. Com
      obras de valor inestimável - quase todas compradas pelo editor
      Abimael Silva para o acervo do Sebo Vermelho, em 1987 - o poeta ficou
      quase esquecido entre as prateleiras e o preconceito de uma sociedade
      que não conseguia e não consegue (ainda) ouvir verdades. Considerado
      por Abimael um "poeta marginal oficial", Esmeraldo começou a ser
      colocado de lado depois da publicação de sua obra chamada "Fauna
      Contemporânea", onde não poupou com meias verdades políticos, poetas
      e muito menos a Academia de Letras. "Nesse livro ele detonou a cidade
      inteira e deixou todos os nomes de políticos, artistas e literários
      expostos. Imagine se hoje é difícil fazer isso, nos anos 60 é
      construir o próprio isolamento", contou Abimael Silva.

      Essa é a terceira homenagem que será destinada ao poeta. A primeira
      aconteceu em 1998 com um jornal especial editado pelo Sebo Vermelho
      com poemas e a vida de Esmeraldo e a segunda homenagem, uma vez que o
      poeta é patrono da biblioteca da secretaria, a Biblioteca Esmeraldo
      Siqueira, que também recebe seu nome.

      Para a homenagem de hoje acontecerão as palestras "Esmeraldo
      Siqueira, uma Figura entre Figuras", que será proferida pelo
      presidente da Academia norte-rio-grandense de Letras, Diógenes da
      Cunha Lima. Na seqüência, o editor Abimael Silva, da Editora Sebo
      Vermelho, falará a respeito da "Formação Contemporânea: Uma Edição em
      Curso". "Preparei um texto contando a biografia do doutor Esmeraldo e
      sua importância como poeta, crítico e professor", disse Abimael, que
      considera o poeta um dos maiores do estado.

      Logo depois das palestras, haverá intervenções teatrais e musicais
      baseadas em poemas de Esmeraldo Siqueira. O compositor Galvão Filho
      fará a homenagem. "Tentarei representar os poemas em forma de música,
      produzindo uma linguagem literária musicada", explica o cantor. Já a
      intervenção teatral ficará por conta da Cia. de Teatro Alegria
      Alegria, que encenará os poemas "Velho Abacateiro", Arte Consoladora"
      e "Sem Arrependimento", os quais comporão o recital "Esmeraldo em
      Três Tempos ".

      O diretor do grupo, Grimário Farias, confirma a importância de
      Esmeraldo Siqueira para a poesia e a literatura do Rio Grande do
      Norte. Por esse motivo, diz ele, "não iremos apenas recitar os
      poemas, mas sim entender tanto o poeta quanto os poemas, pois eles se
      reportam à vida de Esmeraldo Siqueira". O presidente da Funcarte,
      Dácio Galvão, também considera ímpar a herança literária deixada por
      Esmeraldo Siqueira. "Poeta entre os poetas, Esmeraldo tem importância
      singular pela sua poesia autobiográfica", acredita o presidente.



      Saiba Mais



      Esmeraldo nasceu na cidade de Pedro Velho - RN, em 16 de agosto de
      1908. Esmeraldo Homem Siqueira formou-se em Medicina pela tradicional
      Faculdade do Recife, em 1933. Atuou como médico nos anos 30 na região
      do Seridó (RN) e em Natal. No início dos anos 1940 e até o final da
      década de 1970, trabalhou como professor de História Natural e de
      Língua e Literatura Francesa, respectivamente na Escola Normal e no
      Colégio Atheneu. Em seguida, ainda no magistério, participou da
      fundação das primeiras unidades da UFRN, como é o caso das Faculdades
      de Farmácia, Odontologia e Filosofia.


      Inlcuímos o verbete na wikipédia em :
      http://pt.wikipedia.org/wiki/Esmeraldo_Siqueira

      urs.bira
      Moderação Literatura e Leitura
    Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.