Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.

[clippingts] Clipping Terceiro Setor - No. 67

Expandir mensagens
  • Clipping Terceiro Setor
    Clipping Terceiro Setor ================================================== Terça-feira, 01 de fevereiro de 2000 - Número 67 Principais notícias de hoje!
    Mensagem 1 de 1 , 1 de fev de 2000
    Exibir fonte
    • 0 Anexo
      Clipping Terceiro Setor
      ==================================================
      Terça-feira, 01 de fevereiro de 2000 - Número 67
      Principais notícias de hoje!
      ==================================================
      Um serviço da Academia de Desenvolvimento Social - Recife, PE
      Home Page: http://www.voluntario.org.br/academia/
      E-mail: academia.social@...


      Você vai ler nesta edição:

      1. Cooperativa de Recursos Humanos assessora ONG´s no Ceará
      (Por Verônica S. Fernandes - Fortaleza, CE)

      2. O Programa Estadual de Qualificação Profissional
      (Por Verônica S. Fernandes - Fortaleza, CE)

      3. Derrame de óleo gera protesto
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      4. Petroflex inaugura fábrica de pneus ecológicos no Cabo
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      5. Recifense reprova ação do Must e MST
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      6. Ministros contestam relatório da Unesco
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      7. Buarque lança campanha contra pobreza
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      8. Novas metas fixadas para mais 10 anos
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      9. Organização instala sede no Recife
      (Diário de Pernambuco - Recife, PE)

      10. Programa Saúde da Família vai atingir toda a população de Piraju
      (O Estado de São Paulo - São Paulo, SP)

      11. Os marcianos
      (Folha de S. Paulo - São Paulo, SP)

      12. Países discutem metas para melhorar educação em 10 anos
      (Folha de S. Paulo - São Paulo, SP)


      ==================================================
      1. Cooperativa de Recursos Humanos assessora ONG´s no Ceará

      Por Verônica S. Fernandes - versfe@...
      Fortaleza, 01/02/2000

      Em Fortaleza funciona uma cooperativa de Recursos Humanos com pessoal
      qualificado (administradores, economistas, assistentes sociais, advogados)
      para assessorar na elaboração e gestão de projetos sociais. Atualmente esta
      vem desenvolvendo projetos de capacitação, de geração de trabalho e renda,
      projetos de desenvovlimento comunitário, educacional e ambiental.

      Maiores informações e contato pelo e-mail: versfe@...


      ==================================================
      2. O Programa Estadual de Qualificação Profissional

      Por Verônica S. Fernandes - versfe@...
      Fortaleza, 01/02/2000

      O PEQ está completando quatro anos de atuação. Com uma gama de cursos
      voltados para a (re)qualificação do trabalhador, principalmente os que estão
      fora do mercado de trabalho e os que precisam ser realocados no desempenho
      de suas atividades, o PEQ teve como meta até 1999, qualificar 15 milhões de
      trabalhores, uma parte ainda pequena de uma poplação crescente que necessita
      de qualificação.

      Os projetos desenvolvidos pelo PEQ até 1998 eram restritos a grandes
      instituições, algumas originadas no início de sua implantação. Em 1999, as
      portas foram abertas para as ONG´s, Associações, cooperativas e demais
      instituições dispostas a serem parceiras na capacitação. É importante que
      essas instituições, comprometidas com esses recursos coletivos e com um
      determinado público, conhecedor de seus problemas e anseios, resgate junto
      com esses, a qualificação necessária para uma melhoria da qualidade do
      trabalho dessas populações, atendendo não só a demanda de mercado, mas da
      própria população. É necessário portanto, projetos inovadores, mas adequados
      a essa realidade, para que a população realmente tenha condições de se
      desenvolver.

      As Inscrições para os PEQ´s devem estar próximas a saírem. Maiores
      informações podem ser obtidas nos COMUT´s e nas Secretarias Estaduais de
      Trabalho.

      Verônica S. Fernandes
      Mestranda em Avaliação Educacional


      ==================================================
      3. Derrame de óleo gera protesto

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      RIO - Os pescadores prejudicados pelo vazamento da refinaria de petróleo da
      Petrobras, que há duas semanas lançou 1,3 milhão de litros do produto na
      Baía de Guanabara, fizeram ontem um protestos com cerca de 100 barcos,
      interrompendo temporariamente o transporte de passageiros nas barcas entre o

      Rio e Niterói. Horas depois, a empresa anunciou que nesta terça-feira começa
      a pagar as indenizações, que variam entre R$ 150,00 e R$ 500,00. A
      compensação vai durar três meses e 5.709 pessoas já estão cadastradas para
      recebê-la. Ainda ontem, o presidente da Petrobras, Henri Phillipe Reichstul,
      depôs na Assembléia Legislativa, para explicar o acidente. Apesar de todas
      as ações providenciadas para recolher o petróleo, os efeitos da tragédia na
      natureza deverão durar 10 anos.


      ==================================================
      4. Petroflex inaugura fábrica de pneus ecológicos no Cabo

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      A Petroflex - uma das maiores produtoras de borracha sintética do País-
      inaugura, sexta-feira, uma nova planta industrial na filial do Cabo de Santo
      Agostinho. A unidade será a única na América Latina a produzir o BR alto
      ois, um tipo de borracha sintética utilizada na fabricação dos chamados
      pneus ecológicos.

      Para chegar ao BR alto ois a empresa investiu US$ 3 milhões, quase R$ 6
      milhões, em pesquisas. O resultado foi a criação de uma tecnologia própria,
      desenvolvida pelos seus técnicos.

      A Petroflex não investiu tanto no produto por acaso. O pneu ecológico vem
      ganhando espaço no mercado nacional por causa de duas características: é
      durável e possibilita menor atrito, permitindo a economia de combustível.

      A avaliação dos técnicos da empresa é de que o BR alto ois vai entrar no
      mercado para brigar de igual para igual com a concorrência. O produto
      desenvolvido pela Petroflex, segundo a empresa, mostrou qualidade igual ou
      superior aos produtos já disponíveis no mercado.

      E os investimentos não ficampor aí. A previsão é que até 2001 cerca de US$
      20 milhões sejam investidos em pesquisas, no desenvolvimento de novos
      produtos, automação e iniciativas de caráter ambiental. Isso significa que a
      Petroflex tem planos de lançar novos produtos no mercado - como o BR alto -
      para atender a demanda interna e externa.

      A Petroflex - que faz parte do comitê da Agenda 21 do Estado de Pernambuco -
      fará, também na sexta-feira, o lançamento do Projeto de Recuperação da Mata
      Ciliar, no trecho da empresa até o Rio Pirapama. É a prova de que, além da
      expectativa de ganhar mercado e competitividade, a empresa também quer ser
      ecologicamente correta.


      ==================================================
      5. Recifense reprova ação do Must e MST

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      - Fato é constatado por pesquisa encomendada pelo Ministério de Política
      Fundiária e Reforma Agrária.

      A pedido do Ministério de Política Fundiária e Reforma Agrária, o Instituto
      de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe) entrevistou 600
      pessoas no Recife, durante os últimos dias 27 e 28, e chegou à conclusão de
      que os recifenses desaprovam as ocupações dos prédios públicos, invasões de
      terra e bloqueio de estradas realizados pelos movimentos sociais que
      defendem a reforma agrária. Segundo o presidente nacional do Instituto
      Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Orlando Muniz, o
      levantamento mostrou que 46% dos entrevistados consideram as ações dos
      manifestantes como violenta e 84% desaprovam a utilização de funcionários
      como reféns.

      Segundo os levantamentos do Ipespe, 81% acham que existem outras formas para
      se lutar pela Reforma Agrária, 51% disseram que as invasões aos prédios do
      Incra acontecem freqüentemente e 56% declararam que os líderes têm conduzido
      os movimentos sociais de forma errada. Quanto à autenticidade da motivação
      que leva homens e mulheres a liderar os grupos, 68% dos entrevistados
      afirmaram que os movimentos são manipulados por grupos organizados e o mesmo
      percentual defende que a liderança realiza essas ações em busca de
      resultados políticos e não sociais.

      Uma outra questão abordada pelo Ipespe diz respeito ao cumprimento das metas
      apresentadas pelo Incra. Segundo o instituto, 2.400 famílias foram
      assentadas no ano passado e 50 locais foram vistoriados. Diante dos dados,
      os entrevistados deveriam dizer se os movimentos devem ou não continuar
      realizando invasões. Um total de 70% disseram que os movimentos devem mudar
      de atitude.

      "A pesquisa mostra que a sociedade não aceita mais as ações que estão sendo
      realizadas pelos movimentos sociais pró-reforma agrária. O Incra vem
      adotando o diálogo. Estava prevista para a última sexta-feira uma reunião
      com os trabalhadores, mas eles acabaram invadindo a sede do instituto dois
      dias antes", comentou Orlando Muniz. Ele diz que apesar das "ações
      violentas", o Incra irá manter a política do diálogo e que no fechamento do
      Plano Plurianual - que está sendo discutido em Brasília - Pernambuco terá
      prioridade.

      "Ainda não estão definidas ações deste ano, mas o Estado receberá a máxima
      atenção, pois é nele onde se concentram as maiores necessidades agrárias.
      Não haverá retrocessos e o Incra irá trabalhar junto ao Banco da Terra",
      acrescentou. A maioria dos entrevistados pelo Ipespe (53%) eram mulheres,
      49% tinham entre 25 e 44 anos, apenas 25% tinham nível superior de ensino e
      47% recebem até dois salários mínimos.


      ==================================================
      6. Ministros contestam relatório da Unesco

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      - Nova versão do documento apresentado no Recife será levada a evento que
      acontecerá no Senegal.

      Carolina Monteiro
      Da equipe do DIARIO

      O primeiro dia da Reunião de Ministros da Educação do programa Education for
      All-9 (EFA-9), que reúne o grupo dos nove países mais populosos em
      desenvolvimento, foi marcado pela tentativa de acertar as diferenças na
      forma como as informações são tratadas nos indicadores que vão compor o
      balanço da Educação na década. O relatório síntese apresentado pela Unesco
      foi contestado pela maioria dos países, que têm até o final deste evento
      para elaborar versão final do documento que vai ser apresentado na
      Conferência Mundial de Educação Para Todos, em abril, no Senegal.

      "Apesar da Unesco ter fornecido uma metodologia para ser seguida pelos
      países na hora de enviar os dados, alguns não cumpriram ou deixaram margens
      para contestações", explica a presidente do Instituto Nacional de Estudos e
      Pesquisas Educacionais (Inep), do Ministério da Educação (MEC), Maria Helena
      Guimarães de Castro. Como exemplo, ela cita o fato de países como China e
      Nigéria não terem considerado os índices de analfabetismo nas pessoas acima
      de50 anos. "Se o Brasil desconsiderasse essa parcela da população, nosso
      índice de analfabetos cairia de cerca de 14% para 7% e passaríamos a ser o
      País com o menor índice de pessoas sem qualquer instrução", esclarece.

      Outra diferença contestada foi tempo destinado ao ensino fundamental em cada
      nação. "Alguns países tratam o ensino fundamental como tendo apenas quatro
      anos. O Brasil trabalha com oito (de 1ª a 8ª séries)", diz o secretário de
      Educação de Pernambuco e presidente do Conselho Nacional de Educação, Éfrem
      Maranhão.

      O relator do documento e ex-presidente do IBGE, Simon Schwartzman, se
      defende dizendo que as comparações entre os números alcançados pelas nações
      não são importantes. "O que importa é saber o que eles revelam sobre o País.
      No caso do Brasil, por exemplo, ficou revelado o alto índice de repetência
      como um dos maiores problemas da Educação nacional", argumentou.

      A reunião ministerial, que começou ontem e vai até a próxima quarta-feira,
      está contando com 320 participantes, sendo 60 técnicos de delegações
      estrangeiras. O ministro da Educação do Brasil, Paulo Renato de Souza,
      chegou ao Recife no final da tarde de ontem e deve participar das atividades
      do evento hoje.


      ==================================================
      7. Buarque lança campanha contra pobreza

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      No lançamento da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, ontem, na
      Assembléia Legislativa, o professor e ex-governador do Distrito Federal,
      Cristóvam Buarque, afirmou que são necessários apenas 4% do PIB Nacional
      para a erradicação da pobreza no País. Ele propõe que esses recursos sejam
      investidos na educação brasileira. Extensão do programa Bolsa Escola, melhor
      remuneração para professores e incorporação das universidades no processo
      educativo são algumas das idéias existentes no manifesto-proposta escrito
      por Buarque.

      Segundo Buarque, o fato de o Brasil ter governos preocupados apenas com
      desenvolvimento econômico desestimula eleitores a terem o que chama de mania
      de educação. "Os brasileiros têm mania de futebol, cerveja e praia, mas
      ainda não construíram o melhor e mais imprescindível vício: o da educação.
      Essa campanha é um passo a mais na tentativa de criar um movimento neste
      sentido. Espero que estejamos próximos à segunda abolição brasileira. A
      primeira foi a da escravidão, e agora a da pobreza", argumentou.

      Ele ainda acredita que os indicadores econômicos brasileiros se perderam
      entre as leis de mercado. "Fomos transformados numa das piores nações do
      mundo em Educação. Temos quase 20 milhões de analfabetos e cerca de 50% de
      nossas crianças não terminam a 4º série".

      O pernambucano Cristóvam Buarque é o criador do programa Bolsa Escola,
      projeto que viabiliza um pagamento mensal para famílias que mantenham seus
      filhos nas escolas. Hoje, uma família custa ao governo R$ 1 mil por ano.
      "Acredito que uma mobilização nacional possibilite a canalização de empresas
      privadas no Bolsa Escola. Essa alternativa está no financiamento conseguido
      pelas ONGs para o programa", sugeriu. (P.P.)


      ==================================================
      8. Novas metas fixadas para mais 10 anos

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      O embrião do que será o Plano Geral de Ações para a Educação nos próximos
      dez anos entre os países que compõem o EFA começou a ser discutido ontem à
      tarde durante a reunião ministerial. A maior dificuldade está em estabelecer
      denominadores comuns entre as nações que se encontram em estágios diferentes
      de desenvolvimento. "Alguns países como Brasil, México, China e Indonésia
      praticamente já superaram problemas como o acesso à educação formal. Outros,
      como Nigéria e Paquistão, ainda contam com um grau de escolaridade baixo e
      precisam correr atrás do prejuízo", diz o diretor geral para Educação da
      Unesco, Colin Power.

      Nos países em melhor situação, as discussões giram em torno da qualidade do
      ensino oferecido nas escolas. "É preciso investir primordialmente na
      formação de professores e nas garantias de qualidade", opina a presidente do
      Inep, Maria Helena Guimarães. Para o Brasil, ela acredita que outro grande
      desafio é o combate ao que chamou de cultura da repetência, lembrando que o
      País foi o que apresentou os maiores índices neste indicador. O Plano Geral
      deve estar concluído até o final do evento.


      ==================================================
      9. Organização instala sede no Recife

      Diário de Pernambuco - http://www.dpnet.com.br/
      Recife, 01/02/2000

      Paralelamente ao Encontro de Ministros da Educação EFA-9, a Unesco
      (Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência, Cultura e
      Comunicação), organizadora do evento, está montando seu escritório em
      Pernambuco. As atividades já estão em andamento, mas a sede, que será
      instalada no prédio da Sudene, ainda está sendo montada, devendo ficar
      pronta, oficialmente, dentro de um mês. O escritório, 7º em funcionamento no
      País, promoverá um grande evento por mês, aprimorando os investimentos nas
      áreas de atuação da entidade.

      No setor de Educação, será promovida a montagem de um sistema permanente de
      avaliação do ensino fundamental do Estado, no estilo do Provão e do Enem.
      Outro projeto em andamento é a criação de um fundo para a erradicação do
      analfabetismo, que ainda está sendo avaliado pelo Ministério das Relações
      Exteriores. Os recursos seriam obtidos através de doações espontâneas de
      turistas hospedados na rede hoteleira do Estado, adicionando R$ 1 à diária.
      O coordenador regional, Julio Jacobo, informouque a instalação do escritório
      foi um pedido das autoridades locais. Dentro do calendário de eventos já
      está programada a atividade para este mês: em parceria com a Federação
      Pernambucana de Futebol, na abertura do campeonato estadual serão colhidas
      assinaturas para o Manifesto 2000 - Por uma cultura de paz e não-violência.
      A princípio, o escritório contará com seis funcionários e, à medida que
      forem desenvolvendo as atividades, irão contratando consultores de diversas
      áreas.

      NUTRIÇÃO - Para a ONG Ação Criança, que realiza trabalhos em parceria com a
      Unesco e desenvolve campanhas de combate à desnutrição infantil brasileira,
      é importante que os países entendam que não adianta educar sem alimentar.
      Sendo assim, ela pretende combater a mortalidade infantil em todo o mundo,
      tendo como base a boa nutrição. A atuação será da seguinte forma: depois de
      detectar um país necessitado em cada continente, a ONG irá fornecer
      alimentação para um determinado número de crianças durante um ano e o
      governo local poderá levaro projeto adiante. A educação ficará a cargo da
      Organização das Nações Unidas. Os recursos para este projeto serão obtidos
      junto ao Sindicato de Fabricantes e Distribuidores de Brinquedos Franceses.
      "O projeto deverá começar entre 2001 e 2002 e irei lutar para que o país
      escolhido do continente americano seja o Brasil", afirma o fundador do Ação
      Criança, Carlos Calfat. A ONG também está com um projeto de lei no Senado
      desde 98 para criar 300 mil creches beneficiando 12 milhões de crianças em
      todo o País e já recebeu apoio de 17 senadores, mas até agora não obteve
      resposta.


      ==================================================
      10. Programa Saúde da Família vai atingir toda a população de Piraju

      O Estado de São Paulo - http://www.estado.com.br/
      São Paulo, 01/02/2000

      OLIVIER VIANNA
      Especial para o Estado

      PIRAJU - O município de Piraju, um dos pioneiros na introdução do Programa
      Saúde da Família (PSF) em São Paulo, reduziu em quase 90% a mortalidade
      infantil e melhorou os demais indicadores de saúde pública. Até março, toda
      a população será incluída no programa. Trata-se da primeira cidade de seu
      porte, no Estado, a fazê-lo.

      Dos 39 municípios da Divisão Regional de Saúde de Botucatu, apenas Piraju
      conta com o programa, informa o médico Osvaldo Ortega, diretor municipal de
      Saúde. O Programa Saúde da Família começou em 1994, com recursos próprios.

      Nos bairros assistidos, exemplifica Ortega, o número de atendimentos não
      chegava a 200 por ano e passou a quase 85 mil, em 1999. "Houve expressiva
      redução das causas de internações hospitalares e de gastos com transferência
      de doentes."


      ==================================================
      11. Os marcianos

      Folha de S. Paulo - http://www.uol.com.br/fsp/
      São Paulo, 01/02/2000

      CLÓVIS ROSSI

      Davos, Suíça - Pela primeira vez em 30 anos de encontros anuais do Fórum
      Econômico Mundial, as ONGs (organizações não-governamentais) foram chamadas
      a participar.

      Seus representantes ficaram parecendo marcianos, dos poucos presentes
      capazes de dizer que globalização, livre comércio, livre mercado -tudo isso
      que compõe o pão de cada dia dos demais participantes- estão longe de ser a
      panacéia universal.

      Tão marcianos que, ontem, para a entrevista coletiva em que três
      representantes de ONGs falariam de suas experiências em Davos, apenas 20
      jornalistas compareceram. E, assim mesmo, desconfio que parte deles trabalha
      para publicações das próprias ONGs.

      O normal nas coletivas de Davos é que a sala fique lotada, com gente até do
      lado de fora.

      No entanto, esse pessoal tem um caso a contar que vale a pena ouvir, mesmo
      que seja para duvidar ou discordar. Diz, por exemplo, Vandana Shiva,
      diretora da Fundação de Pesquisa para a Ciência da Índia:

      "Para cada dólar de crescimento no comércio mundial, há US$ 10 em destruição
      dos ecossistemas".

      Victoria Tauli-Corpuz, filipina da Rede de Povos Indígenas da Ásia, por sua
      vez, diz que os povos autóctones, que resistiram até à colonização, podem
      não sobreviver à globalização.

      Exagero? Talvez. Mas o fato é que, em seu discurso aqui, o presidente
      norte-americano Bill Clinton citou o fato de que, embora o desemprego em
      geral nos EUA seja de apenas 4,1%, nas reservas indígenas vai a 70%.

      Há seis anos, quando também foram convocados a Davos pela primeira vez, os
      representantes do movimento sindical é que eram os marcianos do momento.
      Ficavam nas margens do encontro e suas coletivas tampouco atraíam muitos
      jornalistas.

      Agora, até Clinton assume publicamente suas reivindicações.

      Fico muito curioso em saber como será o tratamento que as ONGs terão dentro
      de seis anos ou até menos.


      ==================================================
      12. Países discutem metas para melhorar educação em 10 anos

      Folha de S. Paulo - http://www.uol.com.br/fsp/
      São Paulo, 01/02/2000

      DANIELA FALCÃO
      enviada especial a Recife

      Representantes dos nove países em desenvolvimento mais populosos do mundo
      começaram a discutir ontem em Recife o esboço do documento com as metas
      educacionais que deverão cumprir nos próximos dez anos.

      Uma das mais difíceis de ser atingida é a de garantir que, até 2010, todas
      as crianças com menos de 6 anos recebam algum tipo de educação pré-escolar
      antes de começarem o ensino regular.

      Até quarta-feira, a versão final do documento tem de estar pronta para ser
      levada ao Fórum Mundial de Educação Para Todos, que reunirá autoridades de
      180 países em abril, no Senegal.

      O compromisso de universalizar a oferta de educação infantil é um desafio
      para os nove países (Brasil, Índia, Bangladesh, Paquistão, México,
      Indonésia, China, Egito e Nigéria) porque eles ainda não conseguiram
      garantir vagas no ensino fundamental para todas as crianças em idade
      escolar -a partir dos 7 anos.

      Mas o documento justifica que, mesmo sem ter universalizado o acesso à
      educação básica, a faixa infantil precisa ser priorizada porque crianças que
      frequentam a pré-escola têm menos chances de repetir ou de abandonar os
      estudos no meio.

      "É preciso encontrar recursos, públicos e privados, para implementar
      programas de pré-escola", diz o documento da Unesco.

      No Brasil, dos 12 milhões de crianças entre 0 e 3 anos, apenas 247,1 mil
      frequentavam creches reconhecidas pelo MEC em 98. Dados do IBGE de 96 -que
      levam em conta também as creches informais- apontam que seriam 900 mil os
      brasileiros de até 3 anos em creches.

      Para cumprir a meta, o Brasil terá que aumentar pelo menos 13 vezes a oferta
      de vagas em creches em relação ao número de que dispõem hoje.

      Documento de avaliação dos avanços conseguidos pelo Brasil nos últimos dez
      anos elaborado pelo próprio MEC admite que há muito por fazer.

      "A transferência das creches para o setor educacional, sem a consequente
      absorção dos recursos que eram investidos no sistema público de assistência
      social, pode tornar muito difícil a necessária expansão do atendimento", diz
      o informe brasileiro.

      Outra meta é o compromisso de reduzir o número de analfabetos em mais de 40%
      nos próximos cinco anos para que, em 2010, não haja ninguém que não saiba
      ler e escrever nesses países.

      Primeira proposta

      Não é a primeira vez que o grupo assume o compromisso de diminuir os índices
      de analfabetismo. No primeiro Fórum de Educação Para Todos, realizado em
      Jomtien (Tailândia) em 90, os 180 países haviam assumido o compromisso de
      diminuir pela metade agora no ano 2000 os índices de analfabetismo
      registrados em 90.

      Nenhum dos nove países conseguiu honrar o compromisso. No Brasil, o
      analfabetismo entre adultos em 90 era de 20%. Em 98, havia caído para 13,8%.

      Para conseguir erradicar o analfabetismo, o país precisará ensinar a ler e a
      escrever cerca de 15 milhões de pessoas até 2010.


      ==================================================

      Seja um Voluntário e faça a diferença! Entre em contato com o
      Recife Voluntário - Centro de Voluntários do Recife

      Home Page: http://www.voluntario.org.br/
      E-mail: recife@...
      ==================================================

      Home Pege do Clipping: http://www.egroups.com/list/clippingts
      E-mail do clipping: clippingts@...

      Por este endereço, você pode se comunicar conosco sobre
      qualquer assunto, inclusive para remeter notícias destinadas
      à publicação no clipping.

      Para cancelar sua inscrição envie um pedido, informando o seu
      e-mail, para o mesmo endereço: clippingts@...

      Novas inscrições a partir da nossa home page
      Home Page: http://www.voluntario.org.br/academia/
      ==================================================

      Envie uma cópia para um amigo!
      Até a próxima edição do seu Clipping Terceiro Setor
      ==================================================
    Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.