Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Hooke, Newton e foiçadas prá todo lado.

Expandir mensagens
  • José Victor
    Sei que muitos que assinam a UOL leram os comentários do link abaixo, sobre Hooke, Newton, façanhas científicas (reais ),de Hooke, ed o esforço de Newton
    Mensagem 1 de 4 , 23 de ago
      Sei que muitos que assinam a UOL leram os comentários do link abaixo, sobre Hooke, Newton, façanhas científicas (reais ),de Hooke, ed o esforço de Newton para escafedê-lo do mundo científico. Já enocntrei inúmeras referências que dão conta de que Hokke precedeu Newton em muitas "traquinagens" cinetíficas. Mas Newton preferia vê-lo assim: pendurado pelo pescoço, com a  lingua de fora...
      Ambos foram geniais. Um deles bastante raivoso. Na época ainda não havia vacinas para raiva. Daí. Mas chistes à parte, vale a pena revisitar essas histórias.


      Sds,
      Victor.
    • Alberto Mesquita Filho
      Olá JVictor Concordo plenamente com a sua conclusão: “Ambos foram geniais”. A grande vantagem de Newton (e desta creio que você vai gostar) residia em
      Mensagem 2 de 4 , 23 de ago
        Olá JVictor
         
        Concordo plenamente com a sua conclusão: “Ambos foram geniais”.
         
        A grande vantagem de Newton (e desta creio que você vai gostar) residia em saber transformar idéias em princípios “matematizáveis”. Mas, sem dúvida, muitas de suas idéias decorreram de leituras (Newton era por demais estudioso) não apenas de Hooke mas também de Boyle, Huygens, Descartes, Galileu, Erasmus Bartholinus, Leibniz... e por aí vai.
         
        Quanto à “chupada” que ele deu na obra de Hooke, isso não aconteceu apenas nos Principia mas também na Opticks. Apenas um exemplo: Os anéis de Newton têm muito, mas muito mesmo, das idéias de Hooke. Em um artigo que estou escrevendo e ainda não publiquei, faço o seguinte comentário a esse respeito:
         
        Esses anéis já eram conhecidos em tempos remotos e bem anteriores a Newton. Os observadores perspicazes atuais, ainda que desconheçam a física, já devem ter visto anéis concêntricos e coloridos formados em bolhas de água com sabão; e estas não deixam de ser lâminas transparentes e delgadas de água. Isto não era nenhuma novidade no século XVII. Não obstante, foram contemporâneos de Newton que trouxeram o assunto para a seara da física, através do estudo de outras lâminas delgadas, como aquela descrita acima. Boyle parece ter sido o primeiro a descrever e tentar interpretar o fenômeno, mas foi Hooke quem primeiramente reconheceu tratar-se de um fenômeno físico fundamentalmente diferente da dispersão (figura 29) e a exigir uma diferente explicação física [42]. Newton, leitor assíduo dos trabalhos de Boyle e Hooke, promoveu um avanço notável no estudo das lâminas transparentes delgadas, graças ao desenvolvimento de um método experimental para medir a espessura da lâmina que produzia as cores [42]. Conseguiu desta maneira estabelecer as bases experimentais para sua nova teoria da luz.
         
        A referência [42] é a seguinte: SHAPIRO, Alan E.: Fits, Passions, and Paroxysms, Cambridge University Press, Cambridge (Inglaterra), 1993, p. 50. Para ler a versão Google, clique aqui (Muitas páginas foram omitidas na visualização desta versão, havendo opões para compra do livro em livrarias).
         
        Lamentavelmente os dois eram inimigos e eu tendo a considerar que o maior responsável por esta inimizada era o próprio Newton. Ele era um “casca grossa” e não se dava bem com quase ninguém. O Leibniz que o diga.
         
        O artigo que me referi acima eu comecei a escrever aqui na Ciencialist em 2013. Foram várias mensagens sequenciais, creio que em agosto. Cometi alguns “errinhos” na época e que somente corrigi este ano (2017). Agora estou “quase” terminando o artigo. Este “quase” provavelmente é algo do tipo “vários meses”. Afinal, é “quase” um livro! Muito provavelmente terá como título “A estrutura da luz e a interação luz-matéria”. Aguardem!
         
        [ ]´s
        Alberto
        http://ecientificocultural.com.br
        Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
        coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.
         
         
         
        Sent: Wednesday, August 23, 2017 5:29 AM
        Subject: [ciencialist] Hooke, Newton e foiçadas prá todo lado.
         
         

        Sei que muitos que assinam a UOL leram os comentários do link abaixo, sobre Hooke, Newton, façanhas científicas (reais ),de Hooke, ed o esforço de Newton para escafedê-lo do mundo científico. Já enocntrei inúmeras referências que dão conta de que Hokke precedeu Newton em muitas "traquinagens" cinetíficas. Mas Newton preferia vê-lo assim: pendurado pelo pescoço, com a  lingua de fora...
        Ambos foram geniais. Um deles bastante raivoso. Na época ainda não havia vacinas para raiva. Daí. Mas chistes à parte, vale a pena revisitar essas histórias.
         
         
        Sds,
        Victor.
      • Belmiro Wolski
        A la Facebook: Curti. Abs Belmiro Em Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017 17:56, Alberto Mesquita Filho albmesq@uol.com.br [ciencialist]
        Mensagem 3 de 4 , 23 de ago
          A la Facebook: Curti.

          Abs

          Belmiro


          Em Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017 17:56, "'Alberto Mesquita Filho' albmesq@... [ciencialist]" <ciencialist@...> escreveu:


           
          Olá JVictor
           
          Concordo plenamente com a sua conclusão: “Ambos foram geniais”.
           
          A grande vantagem de Newton (e desta creio que você vai gostar) residia em saber transformar idéias em princípios “matematizáveis”. Mas, sem dúvida, muitas de suas idéias decorreram de leituras (Newton era por demais estudioso) não apenas de Hooke mas também de Boyle, Huygens, Descartes, Galileu, Erasmus Bartholinus, Leibniz... e por aí vai.
           
          Quanto à “chupada” que ele deu na obra de Hooke, isso não aconteceu apenas nos Principia mas também na Opticks. Apenas um exemplo: Os anéis de Newton têm muito, mas muito mesmo, das idéias de Hooke. Em um artigo que estou escrevendo e ainda não publiquei, faço o seguinte comentário a esse respeito:
           
          Esses anéis já eram conhecidos em tempos remotos e bem anteriores a Newton. Os observadores perspicazes atuais, ainda que desconheçam a física, já devem ter visto anéis concêntricos e coloridos formados em bolhas de água com sabão; e estas não deixam de ser lâminas transparentes e delgadas de água. Isto não era nenhuma novidade no século XVII. Não obstante, foram contemporâneos de Newton que trouxeram o assunto para a seara da física, através do estudo de outras lâminas delgadas, como aquela descrita acima. Boyle parece ter sido o primeiro a descrever e tentar interpretar o fenômeno, mas foi Hooke quem primeiramente reconheceu tratar-se de um fenômeno físico fundamentalmente diferente da dispersão (figura 29) e a exigir uma diferente explicação física [42]. Newton, leitor assíduo dos trabalhos de Boyle e Hooke, promoveu um avanço notável no estudo das lâminas transparentes delgadas, graças ao desenvolvimento de um método experimental para medir a espessura da lâmina que produzia as cores [42]. Conseguiu desta maneira estabelecer as bases experimentais para sua nova teoria da luz.
           
          A referência [42] é a seguinte: SHAPIRO, Alan E.: Fits, Passions, and Paroxysms, Cambridge University Press, Cambridge (Inglaterra), 1993, p. 50. Para ler a versão Google, clique aqui (Muitas páginas foram omitidas na visualização desta versão, havendo opões para compra do livro em livrarias).
           
          Lamentavelmente os dois eram inimigos e eu tendo a considerar que o maior responsável por esta inimizada era o próprio Newton. Ele era um “casca grossa” e não se dava bem com quase ninguém. O Leibniz que o diga.
           
          O artigo que me referi acima eu comecei a escrever aqui na Ciencialist em 2013. Foram várias mensagens sequenciais, creio que em agosto. Cometi alguns “errinhos” na época e que somente corrigi este ano (2017). Agora estou “quase” terminando o artigo. Este “quase” provavelmente é algo do tipo “vários meses”. Afinal, é “quase” um livro! Muito provavelmente terá como título “A estrutura da luz e a interação luz-matéria”. Aguardem!
           
          [ ]´s
          Alberto
          http://ecientificocultural.com.br
          Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
          coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.
           
           
           
          Sent: Wednesday, August 23, 2017 5:29 AM
          Subject: [ciencialist] Hooke, Newton e foiçadas prá todo lado.
           
           
          Sei que muitos que assinam a UOL leram os comentários do link abaixo, sobre Hooke, Newton, façanhas científicas (reais ),de Hooke, ed o esforço de Newton para escafedê-lo do mundo científico. Já enocntrei inúmeras referências que dão conta de que Hokke precedeu Newton em muitas "traquinagens" cinetíficas. Mas Newton preferia vê-lo assim: pendurado pelo pescoço, com a  lingua de fora...
          Ambos foram geniais. Um deles bastante raivoso. Na época ainda não havia vacinas para raiva. Daí. Mas chistes à parte, vale a pena revisitar essas histórias.
           
           
          Sds,
          Victor.


        • Pesky Bee
          ... Imagina só que tipo de anéis passaram pela minha cabeça de abelho tresloucadamente escatológico quando li essa passagem. Dica para quem ainda não
          Mensagem 4 de 4 , 24 de ago
            > Esses anéis já eram conhecidos em tempos remotos...
             
            Imagina só que tipo de "anéis" passaram pela minha
            cabeça de abelho tresloucadamente escatológico quando li
            essa passagem. Dica para quem ainda não entendeu: são
            aqueles deliciosos anéis femininos ocasionalmente cheios
            de "nutella", hahahahahaha
             
            *PB*
             
             
             
            Sent: Wednesday, August 23, 2017 5:55 PM
            Subject: Re: [ciencialist] Hooke, Newton e foiçadas prá todo lado.
             


            Olá JVictor
             
            Concordo plenamente com a sua conclusão: “Ambos foram geniais”.
             
            A grande vantagem de Newton (e desta creio que você vai gostar) residia em saber transformar idéias em princípios “matematizáveis”. Mas, sem dúvida, muitas de suas idéias decorreram de leituras (Newton era por demais estudioso) não apenas de Hooke mas também de Boyle, Huygens, Descartes, Galileu, Erasmus Bartholinus, Leibniz... e por aí vai.
             
            Quanto à “chupada” que ele deu na obra de Hooke, isso não aconteceu apenas nos Principia mas também na Opticks. Apenas um exemplo: Os anéis de Newton têm muito, mas muito mesmo, das idéias de Hooke. Em um artigo que estou escrevendo e ainda não publiquei, faço o seguinte comentário a esse respeito:
             
            Esses anéis já eram conhecidos em tempos remotos e bem anteriores a Newton. Os observadores perspicazes atuais, ainda que desconheçam a física, já devem ter visto anéis concêntricos e coloridos formados em bolhas de água com sabão; e estas não deixam de ser lâminas transparentes e delgadas de água. Isto não era nenhuma novidade no século XVII. Não obstante, foram contemporâneos de Newton que trouxeram o assunto para a seara da física, através do estudo de outras lâminas delgadas, como aquela descrita acima. Boyle parece ter sido o primeiro a descrever e tentar interpretar o fenômeno, mas foi Hooke quem primeiramente reconheceu tratar-se de um fenômeno físico fundamentalmente diferente da dispersão (figura 29) e a exigir uma diferente explicação física [42]. Newton, leitor assíduo dos trabalhos de Boyle e Hooke, promoveu um avanço notável no estudo das lâminas transparentes delgadas, graças ao desenvolvimento de um método experimental para medir a espessura da lâmina que produzia as cores [42]. Conseguiu desta maneira estabelecer as bases experimentais para sua nova teoria da luz.
             
            A referência [42] é a seguinte: SHAPIRO, Alan E.: Fits, Passions, and Paroxysms, Cambridge University Press, Cambridge (Inglaterra), 1993, p. 50. Para ler a versão Google, clique aqui (Muitas páginas foram omitidas na visualização desta versão, havendo opões para compra do livro em livrarias).
             
            Lamentavelmente os dois eram inimigos e eu tendo a considerar que o maior responsável por esta inimizada era o próprio Newton. Ele era um “casca grossa” e não se dava bem com quase ninguém. O Leibniz que o diga.
             
            O artigo que me referi acima eu comecei a escrever aqui na Ciencialist em 2013. Foram várias mensagens sequenciais, creio que em agosto. Cometi alguns “errinhos” na época e que somente corrigi este ano (2017). Agora estou “quase” terminando o artigo. Este “quase” provavelmente é algo do tipo “vários meses”. Afinal, é “quase” um livro! Muito provavelmente terá como título “A estrutura da luz e a interação luz-matéria”. Aguardem!
             
            [ ]´s
            Alberto
            http://ecientificocultural.com.br
            Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
            coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.
             
             
             
            Sent: Wednesday, August 23, 2017 5:29 AM
            Subject: [ciencialist] Hooke, Newton e foiçadas prá todo lado.
             
             

            Sei que muitos que assinam a UOL leram os comentários do link abaixo, sobre Hooke, Newton, façanhas científicas (reais ),de Hooke, ed o esforço de Newton para escafedê-lo do mundo científico. Já enocntrei inúmeras referências que dão conta de que Hokke precedeu Newton em muitas "traquinagens" cinetíficas. Mas Newton preferia vê-lo assim: pendurado pelo pescoço, com a  lingua de fora...
            Ambos foram geniais. Um deles bastante raivoso. Na época ainda não havia vacinas para raiva. Daí. Mas chistes à parte, vale a pena revisitar essas histórias.
             
             
            Sds,
            Victor.
          Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.