Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.
 

Lei da indolência cósmica.

Expandir mensagens
  • José Victor
    Para reflexões, depois de uma descanso tão grande...: Tudo em relatividade, isto é, em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso
    Mensagem 1 de 22 , 18 de abr

      Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

      Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

      Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

      Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

      Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

      Sds,

      Victor.


    • Cacildo Krebs Neto
      Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e
      Mensagem 2 de 22 , 19 de abr
        Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
        Abraços

        Enviado do meu iPhone

        Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:

         


        Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

        Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

        Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

        Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

        Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

        Sds,

        Victor.


      • luiz silva
        Quanto tempo mesmo! Sabe-se o porque do Universo seguir essas Leis minimas e máximas?  AbsFelipe Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, Cacildo Krebs
        Mensagem 3 de 22 , 19 de abr
          Quanto tempo mesmo!

          Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

          Abs
          Felipe


          Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@...> escreveu:


           
          Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
          Abraços

          Enviado do meu iPhone

          Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:

           

          Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

          Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

          Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

          Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

          Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

          Sds,

          Victor.




        • João Carlos Holland de Barcellos
          Eu desenvolvi uma teoria que explica o universo ( sua fisica ) seguir regras logicas: ================================================ O Nada Jocaxiano Por
          Mensagem 4 de 22 , 20 de abr
            Eu desenvolvi uma teoria que explica o universo ( sua fisica ) seguir regras logicas:
            ================================================
            O "Nada Jocaxiano"
            Por Jocax, Outubro de 2006
            (Revisão: Junho/2007)

            O "Nada Jocaxiano" (NJ) é o Nada absoluto desprovido não apenas de elementos físicos e de leis físicas mas também de regras de quaisquer tipos.[1]

            O "Nada Jocaxiano" é diferente do Nada que normalmente se pensa. O nada que normalmente se pensa, e que podemos chamar de "Nada Trivial", para distingui-lo do NJ, é algo no qual dele nada pode acontecer, ou seja, “o Nada Trivial” segue uma regra :”Nada pode acontecer”. Dessa forma o “Nada Trivial”, o nada no qual as pessoas pensam ao falar num “nada”, não é o nada mais simples possível, ele possui uma regra.

            Jocax não definiu o NJ como algo em que não existe nada. Tal definição é dúbia e encerra algumas contradições como:”Se no nada não existe nada então ele mesmo não existe.”. Não, primeiro jocax definiu o que seja existir: “Algo existe quando tem as propriedades que o definem satisfeitas dentro da realidade”. Assim, jocax definiu o NJ como algo que:

            1-Não possui elementos físicos de nenhuma espécie. (Partículas , energia, espaço etc.)
            2-Não possui nenhuma lei.(Principalmente a lei embutida no “Nada Trivial”).

            O "Nada Jocaxiano" é uma construção filosófica que se diferencia do "nada trivial" por não conter a regra "Nada pode acontecer". Desta forma jocax livra seu NJ de paradoxos semânticos do tipo: “Se ele existe, então ele não existe”. E afirma que este nada é ALGO que pode ter existido. Ou seja o “Nada Jocaxiano” é a estrutura física e lógica mais simples possível. E, como veremos, também a candidata natural possível para a Origem do Universo.

            Não devemos confundir a definição do NJ com regras a serem seguidas. A definição do NJ é seu estado inicial. Se a natureza se encontrar no estado definido pelas condições 1 e 2 acima, dizemos que ela é um “Nada-Jocaxiano”. O estado de um sistema, diferentemente de uma regra, é algo que pode mudar. Uma regra é algo que o sistema deve obedecer sempre, caso contrário não seria uma regra. Assim, por exemplo, o estado de “não possui elementos físicos” é um estado e não uma regra pois, eventualmente, este estado poderá mudar. Se fosse uma regra, jamais poderia mudar.

            Por ser livre de quaisquer elementos o "Nada jocaxiano" não pressupõe a existência de nada e assim, pela "Navalha de Ocam” [2], deve ser o estado mais simples possível da natureza e, portanto, sem necessidade alguma de explicações de sua origem. O “Nada Jocaxiano”, claro, não existe mais, mas pode ter existido num passado longínquo. Ou seja, o NJ seria o próprio universo –definido como o conjunto de tudo o que existe- dessa forma o Universo (como sendo um NJ) sempre existiu.

            O "Nada jocaxiano", como tudo, deve seguir a tautologia: "Pode ou Não Acontecer". Essa tautologia -verdade lógica absoluta-, como veremos, tem um valor semântico no “Nada-jocaxiano”: Permite (ou não) que coisas possam acontecer.

            Não podemos afirmar que num nada-jocaxiano coisas necessariamente devam ocorrer. Eventualmente pode não ocontecer nada mesmo, isto é, o NJ poderia continuar indefinidamente sem mudar de seu estado inicial sem que nada acontecesse. Mas existe a possibilidade de que fenômenos possam ocorrer desse nada absoluto. Essa conclusão segue logicamente da análise de um sistema sem premissas: Como o NJ, por definição, não possui leis, isso significa que ele é um sistema SEM PREMISSAS.

            Em um sistema sem premissas, não podemos concluir que algo não possa acontecer. Não existem leis para que possamos tirar esta conclusão. Ou seja: não existe a proibição de que qualquer coisa possa acontecer. Se não existe a proibição de que algo possa acontecer, então, eventualmente algo pode acontecer. Ou seja, as tautologias continuam verdadeiras num sistema sem premissas: “Algo acontece ou não acontece”. Se, eventualmente, algo acontecer, este algo não deve obedecer a leis, e portanto, seria algo totalmente aleatório e imprevisível.

            [Isso tudo pode parecer muito estranho, e na verdade é mesmo, mas posso colocar uma evidência clara de que o NJ não é um absurdo: Procure, primeiramente, num sistema de busca da Internet pelo texto: “Partículas Virtuais” ou no singular: “Partícula Virtual”. As partículas virtuais ocorrem em nosso universo como criação espontânea, a partir do vácuo quântico, de uma partícula e sua anti-partícula. A geração deste par de partículas é considerada, pela ciência, como um evento sem causas físicas, algo genuinamente aleatório. Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica. Agora vamos sair um pouco dos fatos e imaginar que cada uma dessas partículas encerra um ultra-micro-pico-universo em miniatura. Assim, nesta experiência mental, temos um indício, uma pequena evidência, de que o surgimento de um universo do nada, não esta tão fora de propósito como se poderia acreditar...]

            Jocax chamou as primeiras aleatorizações do NJ de “Esquizo-Criações”. As esquizo-criações, por provirem de algo sem leis, seriam totalmente aleatórias e “malucas”. Claro que com as primeiras aleatorizações o NJ deixa de ser o NJ por possuir algo, ou seja, o NJ se transforma. Como o NJ não é limitado por nenhuma lei, eventualmente o NJ pode gerar também leis, nas quais seus elementos devam obedecer.

            Jocax acredita que a geração aleatória de leis produziu um universo lógico: Suponha que leis sejam geradas aleatoriamente. Se uma lei não entra em conflito com outra lei, ambas podem permanecer incólumes. Entretanto, se surge uma nova lei que entra em conflito com outras leis, a nova lei substitui (mata) as leis anteriores já que por ser uma lei ela deve ser obedecida (até que outra, mais nova, lhe contrarie). Assim, numa verdadeira “seleção natural” de leis, foram sobrando apenas as leis que não fossem incompatíveis umas com as outras e isso responde a uma questão filosófica fundamental de nosso universo: “Por que o Universo segue regras lógicas?”.

             

            Dessa forma o "Nada-Jocaxiano" é o candidato natural para a Origem do Universo, já que é o estado mais simples possível que a natureza poderia ter. E dele qualquer coisa poderia (ou não) ser aleatorizada. Até mesmo nossas leis físicas e nossas partículas elementares.

            ---------------------------

            F.A.Q. do “Nada Jocaxiano”
            (Perguntas mais freqüentes sobre o Nada-Jocaxiano “NJ”)
            Jocax, Fev/2009

             

            1-   O que é o Nada-Jocaxiano (NJ)?

            R: O NJ, diferente do inexistente, é algo (ser) que apresenta as seguintes propriedades:
            P1-Não existem elementos físicos de nenhum tipo (matéria, espaço, ou energia).
            P2-Não existem leis de nenhum tipo.

            2- O NJ existe?

            R: Podemos dizer que o NJ existe se existir algo que tenha as propriedades de um NJ (P1 e P2 acima). Atualmente o NJ não existe mais, mas pode ter existido num passado remoto, antes do "Big-Bang".

            3-O NJ é "ser"?

            R: Sim. Uma vez que ele possui propriedades ele deveria existir para ser receptor destas propriedades.

            4-A característica do "Nada-Jocaxiano" não possuir regras ou leis não seria, ela própria, uma regra?

            R: Não. Uma regra estabelece alguma forma de restrição. Por exemplo: "meu carro precisa ser vermelho" é uma regra, mas “meu carro é vermelho” não é uma regra e sim um ESTADO do carro. Eventualmente o carro pode ser pintado de azul e mudar de cor. Estabelecer que o estado da natureza no qual não existam regras é definido como sendo o "Nada-Jocaxiano" também não é uma regra a ser seguida e sim um possível estado da natureza, que poderia (ou não) mudar.

            5-Dizer que tudo pode acontecer não seria uma regra? Uma imposição ao "Nada-Jocaxiano"?

            R: Seria. Mas se observarmos ao texto eu friso que do nada Jocaxiano tudo pode OU NÃO acontecer. E isso não é uma regra, mas sim uma TAUTOLOGIA lógica-, uma verdade absoluta em quaisquer circunstâncias ou cenários. Isso implica que o "Nada-Jocaxiano", como tudo, segue uma tautologia (uma verdade absoluta) e não uma regra.

            6-O "Nada-Jocaxiano" não possui elementos físicos nem leis, mas ele possui alguma POTÊNCIA, ou não?

            R: Se chamarmos de "potência" como sendo a possibilidade de se transformar, a resposta é sim. Porém, devemos lembrar que possibilidade não é certeza, e eventualmente ele jamais se transformaria ou geraria alguma ou qualquer outra coisa.

            7-O Nada-Trivial, onde nada pode acontecer, não seria algo mais provável que o "NJ"?

            R: Não! O nada que as pessoas normalmente imaginam, e que eu chamei de “nada trivial” (NT), é infinitamente mais improvável de acontecer como origem do universo do que o NJ. Isso porque o "nada-trivial" possuiria, embutidas nele, INFINITAS regras a serem seguidas, por exemplo: ele não poderia gerar campos, não poderia gerar espaço, não pode gerar uma cadeira; não pode gerar leis físicas; ele não pode gerar deus; ele não pode gerar um Big-Bang; ele não pode gerar vida; ele não pode gerar partículas, etc.

            8-O “Nada Inexistente” não é mais “puro” que o NJ?

            R: O “Nada Inexistente” (NI) é um “nada” onde nada existe, nem ele mesmo!
            Ele é, portanto, intrinsecamente contraditório, pois se ele mesmo não existe, ele não poderia ter propriedades, mas se ele possui a propriedade de não conter nada, ele deveria existir. Assim, se o “NI” existe, ele não pode ser inexistente, e se ele for inexistente, ele não pode existir. É algo contraditório, e por isso não foi utilizado como gerador do cosmo.

            9- Qual a diferença de “Universo” e “Cosmo”?

            R: Universo é o conjunto de tudo o que existe. Assim cada possível “Universo bolha” ou “Multi-Universo” são, na verdade, partes do mesmo Universo. Por isso é mais correto denominar cada “Universo bolha” de “Cosmo-bolha”. Um Cosmo, portanto, seria uma região do universo regido por suas próprias leis físicas, isolado e sem interconexão com outros cosmos. 

            10-O NJ é o Universo ou deu origem ao Universo?

            R: A rigor, pela definição de Universo, como sendo o conjunto de tudo o que existe, o NJ seria o próprio universo. Seria o universo em seu estado “minimal”, o estado mais simples possível. Portanto, o NJ não poderia originar o universo, pois ele seria o próprio universo, onde o tempo não existiria. Posteriormente ele poderia ter aleatorizado um ou mais cosmos.

            11- O NJ não estaria limitado à nossa lógica? Ele poderia ser ilógico?

            R: Devemos perceber que existem dois conceitos sobre o Nada Jocaxiano que estão inter-relacionados: O Objeto Nada-Jocaxiano (NJ-Objeto), e a Teoria sobre este NJ-Objeto (NJ-Teoria). O NJ-Objeto é definido como algo que possui as propriedades referentes ao NJ (P1 e P2) descrito acima. A teoria sobre o NJ (NJ-Teoria) é uma teoria baseada na lógica, que explica como o NJ-Objeto poderia aleatorizar nosso cosmo. Pode-se argumentar que se o NJ-Objeto não possui leis então também não precisaria obedecer à lógica, e isso, de fato, é correto. Entretanto, ao analisarmos o NJ-Objeto com a nossa lógica clássica, não estaremos incluindo novas possibilidades ao NJ-Objeto, mas, sim o oposto: poderemos estar, na verdade, limitando as possibilidades do NJ-Objeto, o que significa, talvez, que ele possa ser ainda mais "toti-potente" do que possamos imaginar.

            12- O NJ, ao aleatorizar algo, deixa de ser um NJ, e perderia assim a capacidade de aleatorização?

            R: As aleatorizações do NJ são chamadas de “esquizo-criações”.  O Universo estava na forma de um NJ.  A primeira esquizo-criação do NJ faz com que o NJ deixe de ser um NJ, pois agora o universo tem, ao menos, um elemento: sua primeira esquizo-criação. Se esta primeira esquizo-criação não for uma lei que o impeça de aleatorizar outras coisas, como por exemplo, uma lei que o torne um “nada-trivial”, então esta esquizo-criação, que é o NJ evoluído (NJE), poderia, eventualmente, continuar gerando suas esquizo-criações. Apenas a geração de leis que restrinjam a própria geração de leis poderia impedir novas esquizo-criações.

            13- Poderíamos isolar uma porção do cosmo e torná-lo um NJ?

            R: Dificilmente. Uma vez que o nosso cosmo já está “banhado” por leis físicas, para criarmos um NJ teríamos que retirar todas as leis físicas daquela região. Ninguém ainda sabe se isso é possível e muito menos como isto poderia ser feito.

            14-Para haver seleção natural de leis, as leis não teriam que ser ordenadas temporalmente, isto é, o tempo já não teria que ser pré-requisito?    

            R: Se for necessário que haja alguma “lei do tempo” ou o próprio “tempo” para que possamos ordenar as leis que são aleatorizadas pelo NJ então isso não seria um grande problema. Bastaria “esperar” que uma das “esquizo-criações” fosse uma lei temporal. A partir de então as novas leis estariam ordenadas e sofreriam “seleção natural”.

            15-Quais as evidências que o nosso cosmo veio de um NJ?

            R: As evidências seriam um universo lógico, onde não haveria contradições físicas entre os elementos deste universo.



            ================================================
            []s
            Jocax

            2017-04-19 22:46 GMT-03:00 luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist] <ciencialist@...>:


            Quanto tempo mesmo!

            Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

            Abs
            Felipe


            Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


             
            Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
            Abraços

            Enviado do meu iPhone

            Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

             

            Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

            Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

            Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

            Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

            Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

            Sds,

            Victor.







          • Pesky Bee
            ... Felipão, essa é a grande questão. E se no futuro alguém descobrir porque o universo segue leis mínimas, a explicação certamente estará fundamentada
            Mensagem 5 de 22 , 20 de abr
              > Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e
              máximas?
               
              Felipão, essa é a grande questão. E se no futuro
              alguém descobrir porque o universo segue leis mínimas,
              a explicação certamente estará fundamentada em outras premissas
              que não terão explicação.
               
              Resumindo: sempre tem um bárbaro limite de conhecimentos a
              partir do qual nós, homo sapiens pelados (e no caso do Tony
              Ramos, peludos), não conseguiremos atravessar nem a pau.
               
              *PB*
               
               
               
              Sent: Wednesday, April 19, 2017 10:46 PM
              Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
               


              Quanto tempo mesmo!
               
              Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
               
              Abs
              Felipe


              Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@...> escreveu:


               
              Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
              Abraços

              Enviado do meu iPhone

              Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:

               
               
              Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
               
              Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
               
              Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
               
              Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
               
              Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
               
              Sds,
               
              Victor.
               
               


            • Pesky Bee
              Resumindo: o nada jocaxiano é uma tentativa de TPN (Teoria de Porra Nenhuma), hahahahahahahaha E a minha teoria do nada é mais abrangente do que a do Jocax.
              Mensagem 6 de 22 , 20 de abr
                Resumindo: o nada jocaxiano é uma tentativa de
                TPN (Teoria de Porra Nenhuma), hahahahahahahaha
                 
                E a minha teoria do nada é mais abrangente do que
                a do Jocax. Esta é a minha teoria do nada: Buuu!
                Pronto! Não tem regras, premissas, inferências,
                é a verdadeira TPN! hahahahahahaha
                 
                *PB*
                 
                 
                 
                Sent: Thursday, April 20, 2017 8:25 AM
                Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                 


                Eu desenvolvi uma teoria que explica o universo ( sua fisica ) seguir regras logicas:
                ================================================
                O "Nada Jocaxiano"
                Por Jocax, Outubro de 2006
                (Revisão: Junho/2007)

                O "Nada Jocaxiano" (NJ) é o Nada absoluto desprovido não apenas de elementos físicos e de leis físicas mas também de regras de quaisquer tipos.[1]

                O "Nada Jocaxiano" é diferente do Nada que normalmente se pensa. O nada que normalmente se pensa, e que podemos chamar de "Nada Trivial", para distingui-lo do NJ, é algo no qual dele nada pode acontecer, ou seja, “o Nada Trivial” segue uma regra :”Nada pode acontecer”. Dessa forma o “Nada Trivial”, o nada no qual as pessoas pensam ao falar num “nada”, não é o nada mais simples possível, ele possui uma regra.

                Jocax não definiu o NJ como algo em que não existe nada. Tal definição é dúbia e encerra algumas contradições como:”Se no nada não existe nada então ele mesmo não existe.”. Não, primeiro jocax definiu o que seja existir: “Algo existe quando tem as propriedades que o definem satisfeitas dentro da realidade”. Assim, jocax definiu o NJ como algo que:

                1-Não possui elementos físicos de nenhuma espécie. (Partículas , energia, espaço etc.)
                2-Não possui nenhuma lei.(Principalmente a lei embutida no “Nada Trivial”).

                O "Nada Jocaxiano" é uma construção filosófica que se diferencia do "nada trivial" por não conter a regra "Nada pode acontecer". Desta forma jocax livra seu NJ de paradoxos semânticos do tipo: “Se ele existe, então ele não existe”. E afirma que este nada é ALGO que pode ter existido. Ou seja o “Nada Jocaxiano” é a estrutura física e lógica mais simples possível. E, como veremos, também a candidata natural possível para a Origem do Universo.

                Não devemos confundir a definição do NJ com regras a serem seguidas. A definição do NJ é seu estado inicial. Se a natureza se encontrar no estado definido pelas condições 1 e 2 acima, dizemos que ela é um “Nada-Jocaxiano”. O estado de um sistema, diferentemente de uma regra, é algo que pode mudar. Uma regra é algo que o sistema deve obedecer sempre, caso contrário não seria uma regra. Assim, por exemplo, o estado de “não possui elementos físicos” é um estado e não uma regra pois, eventualmente, este estado poderá mudar. Se fosse uma regra, jamais poderia mudar.

                Por ser livre de quaisquer elementos o "Nada jocaxiano" não pressupõe a existência de nada e assim, pela "Navalha de Ocam” [2], deve ser o estado mais simples possível da natureza e, portanto, sem necessidade alguma de explicações de sua origem. O “Nada Jocaxiano”, claro, não existe mais, mas pode ter existido num passado longínquo. Ou seja, o NJ seria o próprio universo –definido como o conjunto de tudo o que existe- dessa forma o Universo (como sendo um NJ) sempre existiu.

                O "Nada jocaxiano", como tudo, deve seguir a tautologia: "Pode ou Não Acontecer". Essa tautologia -verdade lógica absoluta-, como veremos, tem um valor semântico no “Nada-jocaxiano”: Permite (ou não) que coisas possam acontecer.

                Não podemos afirmar que num nada-jocaxiano coisas necessariamente devam ocorrer. Eventualmente pode não ocontecer nada mesmo, isto é, o NJ poderia continuar indefinidamente sem mudar de seu estado inicial sem que nada acontecesse. Mas existe a possibilidade de que fenômenos possam ocorrer desse nada absoluto. Essa conclusão segue logicamente da análise de um sistema sem premissas: Como o NJ, por definição, não possui leis, isso significa que ele é um sistema SEM PREMISSAS.

                Em um sistema sem premissas, não podemos concluir que algo não possa acontecer. Não existem leis para que possamos tirar esta conclusão. Ou seja: não existe a proibição de que qualquer coisa possa acontecer. Se não existe a proibição de que algo possa acontecer, então, eventualmente algo pode acontecer. Ou seja, as tautologias continuam verdadeiras num sistema sem premissas: “Algo acontece ou não acontece”. Se, eventualmente, algo acontecer, este algo não deve obedecer a leis, e portanto, seria algo totalmente aleatório e imprevisível.

                [Isso tudo pode parecer muito estranho, e na verdade é mesmo, mas posso colocar uma evidência clara de que o NJ não é um absurdo: Procure, primeiramente, num sistema de busca da Internet pelo texto: “Partículas Virtuais” ou no singular: “Partícula Virtual”. As partículas virtuais ocorrem em nosso universo como criação espontânea, a partir do vácuo quântico, de uma partícula e sua anti-partícula. A geração deste par de partículas é considerada, pela ciência, como um evento sem causas físicas, algo genuinamente aleatório. Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica. Agora vamos sair um pouco dos fatos e imaginar que cada uma dessas partículas encerra um ultra-micro-pico-universo em miniatura. Assim, nesta experiência mental, temos um indício, uma pequena evidência, de que o surgimento de um universo do nada, não esta tão fora de propósito como se poderia acreditar...]

                Jocax chamou as primeiras aleatorizações do NJ de “Esquizo-Criações”. As esquizo-criações, por provirem de algo sem leis, seriam totalmente aleatórias e “malucas”. Claro que com as primeiras aleatorizações o NJ deixa de ser o NJ por possuir algo, ou seja, o NJ se transforma. Como o NJ não é limitado por nenhuma lei, eventualmente o NJ pode gerar também leis, nas quais seus elementos devam obedecer.

                Jocax acredita que a geração aleatória de leis produziu um universo lógico: Suponha que leis sejam geradas aleatoriamente. Se uma lei não entra em conflito com outra lei, ambas podem permanecer incólumes. Entretanto, se surge uma nova lei que entra em conflito com outras leis, a nova lei substitui (mata) as leis anteriores já que por ser uma lei ela deve ser obedecida (até que outra, mais nova, lhe contrarie). Assim, numa verdadeira “seleção natural” de leis, foram sobrando apenas as leis que não fossem incompatíveis umas com as outras e isso responde a uma questão filosófica fundamental de nosso universo: “Por que o Universo segue regras lógicas?”.

                 

                Dessa forma o "Nada-Jocaxiano" é o candidato natural para a Origem do Universo, já que é o estado mais simples possível que a natureza poderia ter. E dele qualquer coisa poderia (ou não) ser aleatorizada. Até mesmo nossas leis físicas e nossas partículas elementares.

                ---------------------------

                F.A.Q. do “Nada Jocaxiano”
                (Perguntas mais freqüentes sobre o Nada-Jocaxiano “NJ”)
                Jocax, Fev/2009

                 

                1-   O que é o Nada-Jocaxiano (NJ)?

                R: O NJ, diferente do inexistente, é algo (ser) que apresenta as seguintes propriedades:
                P1-Não existem elementos físicos de nenhum tipo (matéria, espaço, ou energia).
                P2-Não existem leis de nenhum tipo.

                2- O NJ existe?

                R: Podemos dizer que o NJ existe se existir algo que tenha as propriedades de um NJ (P1 e P2 acima). Atualmente o NJ não existe mais, mas pode ter existido num passado remoto, antes do "Big-Bang".

                3-O NJ é "ser"?

                R: Sim. Uma vez que ele possui propriedades ele deveria existir para ser receptor destas propriedades.

                4-A característica do "Nada-Jocaxiano" não possuir regras ou leis não seria, ela própria, uma regra?

                R: Não. Uma regra estabelece alguma forma de restrição. Por exemplo: "meu carro precisa ser vermelho" é uma regra, mas “meu carro é vermelho” não é uma regra e sim um ESTADO do carro. Eventualmente o carro pode ser pintado de azul e mudar de cor. Estabelecer que o estado da natureza no qual não existam regras é definido como sendo o "Nada-Jocaxiano" também não é uma regra a ser seguida e sim um possível estado da natureza, que poderia (ou não) mudar.

                5-Dizer que tudo pode acontecer não seria uma regra? Uma imposição ao "Nada-Jocaxiano"?

                R: Seria. Mas se observarmos ao texto eu friso que do nada Jocaxiano tudo pode OU NÃO acontecer. E isso não é uma regra, mas sim uma TAUTOLOGIA lógica-, uma verdade absoluta em quaisquer circunstâncias ou cenários. Isso implica que o "Nada-Jocaxiano", como tudo, segue uma tautologia (uma verdade absoluta) e não uma regra.

                6-O "Nada-Jocaxiano" não possui elementos físicos nem leis, mas ele possui alguma POTÊNCIA, ou não?

                R: Se chamarmos de "potência" como sendo a possibilidade de se transformar, a resposta é sim. Porém, devemos lembrar que possibilidade não é certeza, e eventualmente ele jamais se transformaria ou geraria alguma ou qualquer outra coisa.

                7-O Nada-Trivial, onde nada pode acontecer, não seria algo mais provável que o "NJ"?

                R: Não! O nada que as pessoas normalmente imaginam, e que eu chamei de “nada trivial” (NT), é infinitamente mais improvável de acontecer como origem do universo do que o NJ. Isso porque o "nada-trivial" possuiria, embutidas nele, INFINITAS regras a serem seguidas, por exemplo: ele não poderia gerar campos, não poderia gerar espaço, não pode gerar uma cadeira; não pode gerar leis físicas; ele não pode gerar deus; ele não pode gerar um Big-Bang; ele não pode gerar vida; ele não pode gerar partículas, etc.

                8-O “Nada Inexistente” não é mais “puro” que o NJ?

                R: O “Nada Inexistente” (NI) é um “nada” onde nada existe, nem ele mesmo!
                Ele é, portanto, intrinsecamente contraditório, pois se ele mesmo não existe, ele não poderia ter propriedades, mas se ele possui a propriedade de não conter nada, ele deveria existir. Assim, se o “NI” existe, ele não pode ser inexistente, e se ele for inexistente, ele não pode existir. É algo contraditório, e por isso não foi utilizado como gerador do cosmo.

                9- Qual a diferença de “Universo” e “Cosmo”?

                R: Universo é o conjunto de tudo o que existe. Assim cada possível “Universo bolha” ou “Multi-Universo” são, na verdade, partes do mesmo Universo. Por isso é mais correto denominar cada “Universo bolha” de “Cosmo-bolha”. Um Cosmo, portanto, seria uma região do universo regido por suas próprias leis físicas, isolado e sem interconexão com outros cosmos. 

                10-O NJ é o Universo ou deu origem ao Universo?

                R: A rigor, pela definição de Universo, como sendo o conjunto de tudo o que existe, o NJ seria o próprio universo. Seria o universo em seu estado “minimal”, o estado mais simples possível. Portanto, o NJ não poderia originar o universo, pois ele seria o próprio universo, onde o tempo não existiria. Posteriormente ele poderia ter aleatorizado um ou mais cosmos.

                11- O NJ não estaria limitado à nossa lógica? Ele poderia ser ilógico?

                R: Devemos perceber que existem dois conceitos sobre o Nada Jocaxiano que estão inter-relacionados: O Objeto Nada-Jocaxiano (NJ-Objeto), e a Teoria sobre este NJ-Objeto (NJ-Teoria). O NJ-Objeto é definido como algo que possui as propriedades referentes ao NJ (P1 e P2) descrito acima. A teoria sobre o NJ (NJ-Teoria) é uma teoria baseada na lógica, que explica como o NJ-Objeto poderia aleatorizar nosso cosmo. Pode-se argumentar que se o NJ-Objeto não possui leis então também não precisaria obedecer à lógica, e isso, de fato, é correto. Entretanto, ao analisarmos o NJ-Objeto com a nossa lógica clássica, não estaremos incluindo novas possibilidades ao NJ-Objeto, mas, sim o oposto: poderemos estar, na verdade, limitando as possibilidades do NJ-Objeto, o que significa, talvez, que ele possa ser ainda mais "toti-potente" do que possamos imaginar.

                12- O NJ, ao aleatorizar algo, deixa de ser um NJ, e perderia assim a capacidade de aleatorização?

                R: As aleatorizações do NJ são chamadas de “esquizo-criações”.  O Universo estava na forma de um NJ.  A primeira esquizo-criação do NJ faz com que o NJ deixe de ser um NJ, pois agora o universo tem, ao menos, um elemento: sua primeira esquizo-criação. Se esta primeira esquizo-criação não for uma lei que o impeça de aleatorizar outras coisas, como por exemplo, uma lei que o torne um “nada-trivial”, então esta esquizo-criação, que é o NJ evoluído (NJE), poderia, eventualmente, continuar gerando suas esquizo-criações. Apenas a geração de leis que restrinjam a própria geração de leis poderia impedir novas esquizo-criações.

                13- Poderíamos isolar uma porção do cosmo e torná-lo um NJ?

                R: Dificilmente. Uma vez que o nosso cosmo já está “banhado” por leis físicas, para criarmos um NJ teríamos que retirar todas as leis físicas daquela região. Ninguém ainda sabe se isso é possível e muito menos como isto poderia ser feito.

                14-Para haver seleção natural de leis, as leis não teriam que ser ordenadas temporalmente, isto é, o tempo já não teria que ser pré-requisito?   

                R: Se for necessário que haja alguma “lei do tempo” ou o próprio “tempo” para que possamos ordenar as leis que são aleatorizadas pelo NJ então isso não seria um grande problema. Bastaria “esperar” que uma das “esquizo-criações” fosse uma lei temporal. A partir de então as novas leis estariam ordenadas e sofreriam “seleção natural”.

                15-Quais as evidências que o nosso cosmo veio de um NJ?

                R: As evidências seriam um universo lógico, onde não haveria contradições físicas entre os elementos deste universo.



                ================================================
                []s
                Jocax
                 
                2017-04-19 22:46 GMT-03:00 luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist] <ciencialist@...>:


                Quanto tempo mesmo!
                 
                Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                 
                Abs
                Felipe


                Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


                 
                Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                Abraços

                Enviado do meu iPhone

                Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

                 
                 
                Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                 
                Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                 
                Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                 
                Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                 
                Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                 
                Sds,
                 
                Victor.
                 
                 




                 
              • Alberto Mesquita Filho
                ... E eu digo: Sei não! Isso a meu ver destrói toda a sua bela argumentação. Mas prefiro não comentar nada além do que já disse milhares de vezes em
                Mensagem 7 de 22 , 21 de abr
                  Jocax escreveu:
                   
                  > Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica.
                   
                  E eu digo:
                   
                  Sei não! Isso a meu ver destrói toda a sua bela argumentação. Mas prefiro não comentar nada além do que já disse milhares de vezes em tempos passados (boa parte está no meu site, link abaixo). Mesmo porque a MQ não mais me incomoda. Parafraseando o Pesky diria que a MQ é uma TPN (Teoria de Porra Nenhuma).
                   
                  [ ]´s
                  Alberto
                  http://ecientificocultural.com.br
                  Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
                  coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.
                   
                  *********************************************
                   
                  Sent: Thursday, April 20, 2017 8:25 AM
                  Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                   
                   

                  Eu desenvolvi uma teoria que explica o universo ( sua fisica ) seguir regras logicas:
                  ================================================
                  O "Nada Jocaxiano"
                  Por Jocax, Outubro de 2006
                  (Revisão: Junho/2007)

                  O "Nada Jocaxiano" (NJ) é o Nada absoluto desprovido não apenas de elementos físicos e de leis físicas mas também de regras de quaisquer tipos.[1]

                  O "Nada Jocaxiano" é diferente do Nada que normalmente se pensa. O nada que normalmente se pensa, e que podemos chamar de "Nada Trivial", para distingui-lo do NJ, é algo no qual dele nada pode acontecer, ou seja, “o Nada Trivial” segue uma regra :”Nada pode acontecer”. Dessa forma o “Nada Trivial”, o nada no qual as pessoas pensam ao falar num “nada”, não é o nada mais simples possível, ele possui uma regra.

                  Jocax não definiu o NJ como algo em que não existe nada. Tal definição é dúbia e encerra algumas contradições como:”Se no nada não existe nada então ele mesmo não existe.”. Não, primeiro jocax definiu o que seja existir: “Algo existe quando tem as propriedades que o definem satisfeitas dentro da realidade”. Assim, jocax definiu o NJ como algo que:

                  1-Não possui elementos físicos de nenhuma espécie. (Partículas , energia, espaço etc.)
                  2-Não possui nenhuma lei.(Principalmente a lei embutida no “Nada Trivial”).

                  O "Nada Jocaxiano" é uma construção filosófica que se diferencia do "nada trivial" por não conter a regra "Nada pode acontecer". Desta forma jocax livra seu NJ de paradoxos semânticos do tipo: “Se ele existe, então ele não existe”. E afirma que este nada é ALGO que pode ter existido. Ou seja o “Nada Jocaxiano” é a estrutura física e lógica mais simples possível. E, como veremos, também a candidata natural possível para a Origem do Universo.

                  Não devemos confundir a definição do NJ com regras a serem seguidas. A definição do NJ é seu estado inicial. Se a natureza se encontrar no estado definido pelas condições 1 e 2 acima, dizemos que ela é um “Nada-Jocaxiano”. O estado de um sistema, diferentemente de uma regra, é algo que pode mudar. Uma regra é algo que o sistema deve obedecer sempre, caso contrário não seria uma regra. Assim, por exemplo, o estado de “não possui elementos físicos” é um estado e não uma regra pois, eventualmente, este estado poderá mudar. Se fosse uma regra, jamais poderia mudar.

                  Por ser livre de quaisquer elementos o "Nada jocaxiano" não pressupõe a existência de nada e assim, pela "Navalha de Ocam” [2], deve ser o estado mais simples possível da natureza e, portanto, sem necessidade alguma de explicações de sua origem. O “Nada Jocaxiano”, claro, não existe mais, mas pode ter existido num passado longínquo. Ou seja, o NJ seria o próprio universo –definido como o conjunto de tudo o que existe- dessa forma o Universo (como sendo um NJ) sempre existiu.

                  O "Nada jocaxiano", como tudo, deve seguir a tautologia: "Pode ou Não Acontecer". Essa tautologia -verdade lógica absoluta-, como veremos, tem um valor semântico no “Nada-jocaxiano”: Permite (ou não) que coisas possam acontecer.

                  Não podemos afirmar que num nada-jocaxiano coisas necessariamente devam ocorrer. Eventualmente pode não ocontecer nada mesmo, isto é, o NJ poderia continuar indefinidamente sem mudar de seu estado inicial sem que nada acontecesse. Mas existe a possibilidade de que fenômenos possam ocorrer desse nada absoluto. Essa conclusão segue logicamente da análise de um sistema sem premissas: Como o NJ, por definição, não possui leis, isso significa que ele é um sistema SEM PREMISSAS.

                  Em um sistema sem premissas, não podemos concluir que algo não possa acontecer. Não existem leis para que possamos tirar esta conclusão. Ou seja: não existe a proibição de que qualquer coisa possa acontecer. Se não existe a proibição de que algo possa acontecer, então, eventualmente algo pode acontecer. Ou seja, as tautologias continuam verdadeiras num sistema sem premissas: “Algo acontece ou não acontece”. Se, eventualmente, algo acontecer, este algo não deve obedecer a leis, e portanto, seria algo totalmente aleatório e imprevisível.

                  [Isso tudo pode parecer muito estranho, e na verdade é mesmo, mas posso colocar uma evidência clara de que o NJ não é um absurdo: Procure, primeiramente, num sistema de busca da Internet pelo texto: “Partículas Virtuais” ou no singular: “Partícula Virtual”. As partículas virtuais ocorrem em nosso universo como criação espontânea, a partir do vácuo quântico, de uma partícula e sua anti-partícula. A geração deste par de partículas é considerada, pela ciência, como um evento sem causas físicas, algo genuinamente aleatório. Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica. Agora vamos sair um pouco dos fatos e imaginar que cada uma dessas partículas encerra um ultra-micro-pico-universo em miniatura. Assim, nesta experiência mental, temos um indício, uma pequena evidência, de que o surgimento de um universo do nada, não esta tão fora de propósito como se poderia acreditar...]

                  Jocax chamou as primeiras aleatorizações do NJ de “Esquizo-Criações”. As esquizo-criações, por provirem de algo sem leis, seriam totalmente aleatórias e “malucas”. Claro que com as primeiras aleatorizações o NJ deixa de ser o NJ por possuir algo, ou seja, o NJ se transforma. Como o NJ não é limitado por nenhuma lei, eventualmente o NJ pode gerar também leis, nas quais seus elementos devam obedecer.

                  Jocax acredita que a geração aleatória de leis produziu um universo lógico: Suponha que leis sejam geradas aleatoriamente. Se uma lei não entra em conflito com outra lei, ambas podem permanecer incólumes. Entretanto, se surge uma nova lei que entra em conflito com outras leis, a nova lei substitui (mata) as leis anteriores já que por ser uma lei ela deve ser obedecida (até que outra, mais nova, lhe contrarie). Assim, numa verdadeira “seleção natural” de leis, foram sobrando apenas as leis que não fossem incompatíveis umas com as outras e isso responde a uma questão filosófica fundamental de nosso universo: “Por que o Universo segue regras lógicas?”.

                   

                  Dessa forma o "Nada-Jocaxiano" é o candidato natural para a Origem do Universo, já que é o estado mais simples possível que a natureza poderia ter. E dele qualquer coisa poderia (ou não) ser aleatorizada. Até mesmo nossas leis físicas e nossas partículas elementares.

                  ---------------------------

                  F.A.Q. do “Nada Jocaxiano”
                  (Perguntas mais freqüentes sobre o Nada-Jocaxiano “NJ”)
                  Jocax, Fev/2009

                   

                  1-   O que é o Nada-Jocaxiano (NJ)?

                  R: O NJ, diferente do inexistente, é algo (ser) que apresenta as seguintes propriedades:
                  P1-Não existem elementos físicos de nenhum tipo (matéria, espaço, ou energia).
                  P2-Não existem leis de nenhum tipo.

                  2- O NJ existe?

                  R: Podemos dizer que o NJ existe se existir algo que tenha as propriedades de um NJ (P1 e P2 acima). Atualmente o NJ não existe mais, mas pode ter existido num passado remoto, antes do "Big-Bang".

                  3-O NJ é "ser"?

                  R: Sim. Uma vez que ele possui propriedades ele deveria existir para ser receptor destas propriedades.

                  4-A característica do "Nada-Jocaxiano" não possuir regras ou leis não seria, ela própria, uma regra?

                  R: Não. Uma regra estabelece alguma forma de restrição. Por exemplo: "meu carro precisa ser vermelho" é uma regra, mas “meu carro é vermelho” não é uma regra e sim um ESTADO do carro. Eventualmente o carro pode ser pintado de azul e mudar de cor. Estabelecer que o estado da natureza no qual não existam regras é definido como sendo o "Nada-Jocaxiano" também não é uma regra a ser seguida e sim um possível estado da natureza, que poderia (ou não) mudar.

                  5-Dizer que tudo pode acontecer não seria uma regra? Uma imposição ao "Nada-Jocaxiano"?

                  R: Seria. Mas se observarmos ao texto eu friso que do nada Jocaxiano tudo pode OU NÃO acontecer. E isso não é uma regra, mas sim uma TAUTOLOGIA lógica-, uma verdade absoluta em quaisquer circunstâncias ou cenários. Isso implica que o "Nada-Jocaxiano", como tudo, segue uma tautologia (uma verdade absoluta) e não uma regra.

                  6-O "Nada-Jocaxiano" não possui elementos físicos nem leis, mas ele possui alguma POTÊNCIA, ou não?

                  R: Se chamarmos de "potência" como sendo a possibilidade de se transformar, a resposta é sim. Porém, devemos lembrar que possibilidade não é certeza, e eventualmente ele jamais se transformaria ou geraria alguma ou qualquer outra coisa.

                  7-O Nada-Trivial, onde nada pode acontecer, não seria algo mais provável que o "NJ"?

                  R: Não! O nada que as pessoas normalmente imaginam, e que eu chamei de “nada trivial” (NT), é infinitamente mais improvável de acontecer como origem do universo do que o NJ. Isso porque o "nada-trivial" possuiria, embutidas nele, INFINITAS regras a serem seguidas, por exemplo: ele não poderia gerar campos, não poderia gerar espaço, não pode gerar uma cadeira; não pode gerar leis físicas; ele não pode gerar deus; ele não pode gerar um Big-Bang; ele não pode gerar vida; ele não pode gerar partículas, etc.

                  8-O “Nada Inexistente” não é mais “puro” que o NJ?

                  R: O “Nada Inexistente” (NI) é um “nada” onde nada existe, nem ele mesmo!
                  Ele é, portanto, intrinsecamente contraditório, pois se ele mesmo não existe, ele não poderia ter propriedades, mas se ele possui a propriedade de não conter nada, ele deveria existir. Assim, se o “NI” existe, ele não pode ser inexistente, e se ele for inexistente, ele não pode existir. É algo contraditório, e por isso não foi utilizado como gerador do cosmo.

                  9- Qual a diferença de “Universo” e “Cosmo”?

                  R: Universo é o conjunto de tudo o que existe. Assim cada possível “Universo bolha” ou “Multi-Universo” são, na verdade, partes do mesmo Universo. Por isso é mais correto denominar cada “Universo bolha” de “Cosmo-bolha”. Um Cosmo, portanto, seria uma região do universo regido por suas próprias leis físicas, isolado e sem interconexão com outros cosmos. 

                  10-O NJ é o Universo ou deu origem ao Universo?

                  R: A rigor, pela definição de Universo, como sendo o conjunto de tudo o que existe, o NJ seria o próprio universo. Seria o universo em seu estado “minimal”, o estado mais simples possível. Portanto, o NJ não poderia originar o universo, pois ele seria o próprio universo, onde o tempo não existiria. Posteriormente ele poderia ter aleatorizado um ou mais cosmos.

                  11- O NJ não estaria limitado à nossa lógica? Ele poderia ser ilógico?

                  R: Devemos perceber que existem dois conceitos sobre o Nada Jocaxiano que estão inter-relacionados: O Objeto Nada-Jocaxiano (NJ-Objeto), e a Teoria sobre este NJ-Objeto (NJ-Teoria). O NJ-Objeto é definido como algo que possui as propriedades referentes ao NJ (P1 e P2) descrito acima. A teoria sobre o NJ (NJ-Teoria) é uma teoria baseada na lógica, que explica como o NJ-Objeto poderia aleatorizar nosso cosmo. Pode-se argumentar que se o NJ-Objeto não possui leis então também não precisaria obedecer à lógica, e isso, de fato, é correto. Entretanto, ao analisarmos o NJ-Objeto com a nossa lógica clássica, não estaremos incluindo novas possibilidades ao NJ-Objeto, mas, sim o oposto: poderemos estar, na verdade, limitando as possibilidades do NJ-Objeto, o que significa, talvez, que ele possa ser ainda mais "toti-potente" do que possamos imaginar.

                  12- O NJ, ao aleatorizar algo, deixa de ser um NJ, e perderia assim a capacidade de aleatorização?

                  R: As aleatorizações do NJ são chamadas de “esquizo-criações”.  O Universo estava na forma de um NJ.  A primeira esquizo-criação do NJ faz com que o NJ deixe de ser um NJ, pois agora o universo tem, ao menos, um elemento: sua primeira esquizo-criação. Se esta primeira esquizo-criação não for uma lei que o impeça de aleatorizar outras coisas, como por exemplo, uma lei que o torne um “nada-trivial”, então esta esquizo-criação, que é o NJ evoluído (NJE), poderia, eventualmente, continuar gerando suas esquizo-criações. Apenas a geração de leis que restrinjam a própria geração de leis poderia impedir novas esquizo-criações.

                  13- Poderíamos isolar uma porção do cosmo e torná-lo um NJ?

                  R: Dificilmente. Uma vez que o nosso cosmo já está “banhado” por leis físicas, para criarmos um NJ teríamos que retirar todas as leis físicas daquela região. Ninguém ainda sabe se isso é possível e muito menos como isto poderia ser feito.

                  14-Para haver seleção natural de leis, as leis não teriam que ser ordenadas temporalmente, isto é, o tempo já não teria que ser pré-requisito?   

                  R: Se for necessário que haja alguma “lei do tempo” ou o próprio “tempo” para que possamos ordenar as leis que são aleatorizadas pelo NJ então isso não seria um grande problema. Bastaria “esperar” que uma das “esquizo-criações” fosse uma lei temporal. A partir de então as novas leis estariam ordenadas e sofreriam “seleção natural”.

                  15-Quais as evidências que o nosso cosmo veio de um NJ?

                  R: As evidências seriam um universo lógico, onde não haveria contradições físicas entre os elementos deste universo.



                  ================================================
                  []s
                  Jocax
                   
                  2017-04-19 22:46 GMT-03:00 luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist] <ciencialist@...>:


                  Quanto tempo mesmo!
                   
                  Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                   
                  Abs
                  Felipe


                  Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


                   
                  Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                  Abraços

                  Enviado do meu iPhone

                  Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

                   
                   
                  Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                   
                  Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                   
                  Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                   
                  Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                   
                  Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                   
                  Sds,
                   
                  Victor.
                   
                   




                   
                • Hélio Carvalho
                  Grande Felipe (o questionador), Como nos velhos tempos. Não podemos aceitar um É assim porque é e pronto ou A natureza é assim e pronto . Tanto o
                  Mensagem 8 de 22 , 22 de abr
                    Grande Felipe (o questionador),

                    Como nos velhos tempos.

                    Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                    Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                    Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                    Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                    :-)

                    Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                    Helio


                    De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@...>
                    Para: "ciencialist@..." <ciencialist@...>
                    Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                    Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                     
                    Quanto tempo mesmo!

                    Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                    Abs
                    Felipe


                    Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@...> escreveu:


                     
                    Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                    Abraços

                    Enviado do meu iPhone

                    Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:

                     

                    Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                    Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                    Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                    Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                    Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                    Sds,

                    Victor.






                  • Pesky Bee
                    Rapazes e Rapázas, permitam-me umedecer vossas visões com comentários que digo serem estranhafúrdios (estranhos e estapafúrdios). Segurem-se nas
                    Mensagem 9 de 22 , 22 de abr
                      Rapazes e Rapázas, permitam-me umedecer vossas visões com
                      comentários que digo serem "estranhafúrdios" (estranhos e
                      estapafúrdios). Segurem-se nas cadeiras!
                       
                      A ciência é, obviamente, utilíssima para a humanidade.
                      É uma criação intelectual primorosa e magnífica, incomparavelmente
                      valiosa. Uma de minhas principais ocupações intelectuais!
                      Mas....     (porra, tinha que ter um mas....)
                       
                      Toda a ciência (na verdade, todo o pensamento humano)
                      é no fundo uma TPN (teoria de porra nenhuma). Porque
                      tudo é apenas uma elaborada colcha de retalhos intelectuais
                      e linguísticos criados por nossos cérebros e que podem não
                      guardar muita relevância "com aquilo que realmente está
                      acontecendo lá embaixo".
                       
                      A "realidade última" é, muito provavelmente, uma estrutura
                      inexpugnável para nossa dimensão cerebral. E como é que
                      vou defender essas cagalhações mentais que acabei de
                      arrotar? Só tem um jeito, é através de uma metáfora
                      prá lá de bagdá de estranha. Segurem-se mais ainda na
                      cadeira!
                       
                      Imaginem uma formiguinha. Bem pequeneninha. Essa formiguinha
                      estava andando em um chão muito especial: era o piso de
                      um aeroporto. Claro, ela não sabe nada disso (nem teria
                      como saber). Andou, andou e andou até encontrar um
                      orificiozinho convidativo. Entrou nesse orificiozinho.
                      Era um buraquinho em uma mala de um mané que estava no
                      check-in para ir lá para a casa do car... oras, prá bem
                      longe, do outro lado do mundo. Lá dentro, a formiguinha
                      deleitou-se com uma melequinha de açúcar (resquícios de
                      uma bala que o mané havia babado e caiu no interior da mala).
                       
                      Dezoito horas depois (que para a formiguinha pareceram
                      alguns anos), ela resolveu sair da mala pelo mesmo buraquinho
                      por onde entrou. E ao sair daria de cara com um ambiente
                      bem diferente (claro, isso caso ela tivesse como lembrar-se
                      de onde veio). Era o chão de um táxi super-sujão, lá do
                      outro lado do planeta, além da casa de campo do sitio do
                      capeta, para onde o mané havia viajado.
                       
                      Nós, humanóides de piu-piu e buxótas grandes, conseguimos
                      analisar e entender tudo o que aconteceu com a formiguinha
                      (não só em termos de deslocamento espacial, mas períodos
                      temporais, travessia da alta atmosfera em veículo de alta
                      velocidade, impulsionado por sofisticados motores a jato,
                      sob o controle de incríveis dispositivos eletrônicos, etc.,
                      etc., etc). Todo esse nível de "realidade" está completa,
                      total e inteiramente fora do alcance de compreensão da
                      nossa querida formiguinha. Ela nunca saberá disso tudo
                      (pois não tem cérebro para tanto).
                       
                      Pronto! Agora vamos metaforicarizar essas cagalhoagens todas
                      para o nosso nível. É ou não é possível imaginar que nós
                      somos meras formiguinhas, em um universo que percebemos ser
                      "apenas tridimensional" e sob a regência de um campo de bósons
                      de Higgs, uma "primitiva concepção mental", totalmente longe
                      daquela realidade última, acessível apenas por "alguém" de
                      fora deste nosso universo (não, não estou falando de deus,
                      zeus, alá e outras coisaradas).
                       
                      Como diria a Kéfera, É FADA! (essa frase tem implicações
                      porno-safadísticas que a formiguinha não iria compreender
                      mesmo, hahahahahahaha)
                       
                      *PB*
                       
                       
                       
                       
                      Sent: Friday, April 21, 2017 5:30 PM
                      Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                       


                      Jocax escreveu:
                       
                      > Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica.
                       
                      E eu digo:
                       
                      Sei não! Isso a meu ver destrói toda a sua bela argumentação. Mas prefiro não comentar nada além do que já disse milhares de vezes em tempos passados (boa parte está no meu site, link abaixo). Mesmo porque a MQ não mais me incomoda. Parafraseando o Pesky diria que a MQ é uma TPN (Teoria de Porra Nenhuma).
                       
                      [ ]´s
                      Alberto
                      http://ecientificocultural.com.br
                      Mas indiferentemente a tudo isso, o elétron não é uma carga elétrica
                      coulombiana e a Terra se move. E a história se repetirá.
                       
                      *********************************************
                       
                      Sent: Thursday, April 20, 2017 8:25 AM
                      Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                       
                       

                      Eu desenvolvi uma teoria que explica o universo ( sua fisica ) seguir regras logicas:
                      ================================================
                      O "Nada Jocaxiano"
                      Por Jocax, Outubro de 2006
                      (Revisão: Junho/2007)

                      O "Nada Jocaxiano" (NJ) é o Nada absoluto desprovido não apenas de elementos físicos e de leis físicas mas também de regras de quaisquer tipos.[1]

                      O "Nada Jocaxiano" é diferente do Nada que normalmente se pensa. O nada que normalmente se pensa, e que podemos chamar de "Nada Trivial", para distingui-lo do NJ, é algo no qual dele nada pode acontecer, ou seja, “o Nada Trivial” segue uma regra :”Nada pode acontecer”. Dessa forma o “Nada Trivial”, o nada no qual as pessoas pensam ao falar num “nada”, não é o nada mais simples possível, ele possui uma regra.

                      Jocax não definiu o NJ como algo em que não existe nada. Tal definição é dúbia e encerra algumas contradições como:”Se no nada não existe nada então ele mesmo não existe.”. Não, primeiro jocax definiu o que seja existir: “Algo existe quando tem as propriedades que o definem satisfeitas dentro da realidade”. Assim, jocax definiu o NJ como algo que:

                      1-Não possui elementos físicos de nenhuma espécie. (Partículas , energia, espaço etc.)
                      2-Não possui nenhuma lei.(Principalmente a lei embutida no “Nada Trivial”).

                      O "Nada Jocaxiano" é uma construção filosófica que se diferencia do "nada trivial" por não conter a regra "Nada pode acontecer". Desta forma jocax livra seu NJ de paradoxos semânticos do tipo: “Se ele existe, então ele não existe”. E afirma que este nada é ALGO que pode ter existido. Ou seja o “Nada Jocaxiano” é a estrutura física e lógica mais simples possível. E, como veremos, também a candidata natural possível para a Origem do Universo.

                      Não devemos confundir a definição do NJ com regras a serem seguidas. A definição do NJ é seu estado inicial. Se a natureza se encontrar no estado definido pelas condições 1 e 2 acima, dizemos que ela é um “Nada-Jocaxiano”. O estado de um sistema, diferentemente de uma regra, é algo que pode mudar. Uma regra é algo que o sistema deve obedecer sempre, caso contrário não seria uma regra. Assim, por exemplo, o estado de “não possui elementos físicos” é um estado e não uma regra pois, eventualmente, este estado poderá mudar. Se fosse uma regra, jamais poderia mudar.

                      Por ser livre de quaisquer elementos o "Nada jocaxiano" não pressupõe a existência de nada e assim, pela "Navalha de Ocam” [2], deve ser o estado mais simples possível da natureza e, portanto, sem necessidade alguma de explicações de sua origem. O “Nada Jocaxiano”, claro, não existe mais, mas pode ter existido num passado longínquo. Ou seja, o NJ seria o próprio universo –definido como o conjunto de tudo o que existe- dessa forma o Universo (como sendo um NJ) sempre existiu.

                      O "Nada jocaxiano", como tudo, deve seguir a tautologia: "Pode ou Não Acontecer". Essa tautologia -verdade lógica absoluta-, como veremos, tem um valor semântico no “Nada-jocaxiano”: Permite (ou não) que coisas possam acontecer.

                      Não podemos afirmar que num nada-jocaxiano coisas necessariamente devam ocorrer. Eventualmente pode não ocontecer nada mesmo, isto é, o NJ poderia continuar indefinidamente sem mudar de seu estado inicial sem que nada acontecesse. Mas existe a possibilidade de que fenômenos possam ocorrer desse nada absoluto. Essa conclusão segue logicamente da análise de um sistema sem premissas: Como o NJ, por definição, não possui leis, isso significa que ele é um sistema SEM PREMISSAS.

                      Em um sistema sem premissas, não podemos concluir que algo não possa acontecer. Não existem leis para que possamos tirar esta conclusão. Ou seja: não existe a proibição de que qualquer coisa possa acontecer. Se não existe a proibição de que algo possa acontecer, então, eventualmente algo pode acontecer. Ou seja, as tautologias continuam verdadeiras num sistema sem premissas: “Algo acontece ou não acontece”. Se, eventualmente, algo acontecer, este algo não deve obedecer a leis, e portanto, seria algo totalmente aleatório e imprevisível.

                      [Isso tudo pode parecer muito estranho, e na verdade é mesmo, mas posso colocar uma evidência clara de que o NJ não é um absurdo: Procure, primeiramente, num sistema de busca da Internet pelo texto: “Partículas Virtuais” ou no singular: “Partícula Virtual”. As partículas virtuais ocorrem em nosso universo como criação espontânea, a partir do vácuo quântico, de uma partícula e sua anti-partícula. A geração deste par de partículas é considerada, pela ciência, como um evento sem causas físicas, algo genuinamente aleatório. Isso é fato científico e pode ser explicado pela mecânica quântica. Agora vamos sair um pouco dos fatos e imaginar que cada uma dessas partículas encerra um ultra-micro-pico-universo em miniatura. Assim, nesta experiência mental, temos um indício, uma pequena evidência, de que o surgimento de um universo do nada, não esta tão fora de propósito como se poderia acreditar...]

                      Jocax chamou as primeiras aleatorizações do NJ de “Esquizo-Criações”. As esquizo-criações, por provirem de algo sem leis, seriam totalmente aleatórias e “malucas”. Claro que com as primeiras aleatorizações o NJ deixa de ser o NJ por possuir algo, ou seja, o NJ se transforma. Como o NJ não é limitado por nenhuma lei, eventualmente o NJ pode gerar também leis, nas quais seus elementos devam obedecer.

                      Jocax acredita que a geração aleatória de leis produziu um universo lógico: Suponha que leis sejam geradas aleatoriamente. Se uma lei não entra em conflito com outra lei, ambas podem permanecer incólumes. Entretanto, se surge uma nova lei que entra em conflito com outras leis, a nova lei substitui (mata) as leis anteriores já que por ser uma lei ela deve ser obedecida (até que outra, mais nova, lhe contrarie). Assim, numa verdadeira “seleção natural” de leis, foram sobrando apenas as leis que não fossem incompatíveis umas com as outras e isso responde a uma questão filosófica fundamental de nosso universo: “Por que o Universo segue regras lógicas?”.

                       

                      Dessa forma o "Nada-Jocaxiano" é o candidato natural para a Origem do Universo, já que é o estado mais simples possível que a natureza poderia ter. E dele qualquer coisa poderia (ou não) ser aleatorizada. Até mesmo nossas leis físicas e nossas partículas elementares.

                      ---------------------------

                      F.A.Q. do “Nada Jocaxiano”
                      (Perguntas mais freqüentes sobre o Nada-Jocaxiano “NJ”)
                      Jocax, Fev/2009

                       

                      1-   O que é o Nada-Jocaxiano (NJ)?

                      R: O NJ, diferente do inexistente, é algo (ser) que apresenta as seguintes propriedades:
                      P1-Não existem elementos físicos de nenhum tipo (matéria, espaço, ou energia).
                      P2-Não existem leis de nenhum tipo.

                      2- O NJ existe?

                      R: Podemos dizer que o NJ existe se existir algo que tenha as propriedades de um NJ (P1 e P2 acima). Atualmente o NJ não existe mais, mas pode ter existido num passado remoto, antes do "Big-Bang".

                      3-O NJ é "ser"?

                      R: Sim. Uma vez que ele possui propriedades ele deveria existir para ser receptor destas propriedades.

                      4-A característica do "Nada-Jocaxiano" não possuir regras ou leis não seria, ela própria, uma regra?

                      R: Não. Uma regra estabelece alguma forma de restrição. Por exemplo: "meu carro precisa ser vermelho" é uma regra, mas “meu carro é vermelho” não é uma regra e sim um ESTADO do carro. Eventualmente o carro pode ser pintado de azul e mudar de cor. Estabelecer que o estado da natureza no qual não existam regras é definido como sendo o "Nada-Jocaxiano" também não é uma regra a ser seguida e sim um possível estado da natureza, que poderia (ou não) mudar.

                      5-Dizer que tudo pode acontecer não seria uma regra? Uma imposição ao "Nada-Jocaxiano"?

                      R: Seria. Mas se observarmos ao texto eu friso que do nada Jocaxiano tudo pode OU NÃO acontecer. E isso não é uma regra, mas sim uma TAUTOLOGIA lógica-, uma verdade absoluta em quaisquer circunstâncias ou cenários. Isso implica que o "Nada-Jocaxiano", como tudo, segue uma tautologia (uma verdade absoluta) e não uma regra.

                      6-O "Nada-Jocaxiano" não possui elementos físicos nem leis, mas ele possui alguma POTÊNCIA, ou não?

                      R: Se chamarmos de "potência" como sendo a possibilidade de se transformar, a resposta é sim. Porém, devemos lembrar que possibilidade não é certeza, e eventualmente ele jamais se transformaria ou geraria alguma ou qualquer outra coisa.

                      7-O Nada-Trivial, onde nada pode acontecer, não seria algo mais provável que o "NJ"?

                      R: Não! O nada que as pessoas normalmente imaginam, e que eu chamei de “nada trivial” (NT), é infinitamente mais improvável de acontecer como origem do universo do que o NJ. Isso porque o "nada-trivial" possuiria, embutidas nele, INFINITAS regras a serem seguidas, por exemplo: ele não poderia gerar campos, não poderia gerar espaço, não pode gerar uma cadeira; não pode gerar leis físicas; ele não pode gerar deus; ele não pode gerar um Big-Bang; ele não pode gerar vida; ele não pode gerar partículas, etc.

                      8-O “Nada Inexistente” não é mais “puro” que o NJ?

                      R: O “Nada Inexistente” (NI) é um “nada” onde nada existe, nem ele mesmo!
                      Ele é, portanto, intrinsecamente contraditório, pois se ele mesmo não existe, ele não poderia ter propriedades, mas se ele possui a propriedade de não conter nada, ele deveria existir. Assim, se o “NI” existe, ele não pode ser inexistente, e se ele for inexistente, ele não pode existir. É algo contraditório, e por isso não foi utilizado como gerador do cosmo.

                      9- Qual a diferença de “Universo” e “Cosmo”?

                      R: Universo é o conjunto de tudo o que existe. Assim cada possível “Universo bolha” ou “Multi-Universo” são, na verdade, partes do mesmo Universo. Por isso é mais correto denominar cada “Universo bolha” de “Cosmo-bolha”. Um Cosmo, portanto, seria uma região do universo regido por suas próprias leis físicas, isolado e sem interconexão com outros cosmos. 

                      10-O NJ é o Universo ou deu origem ao Universo?

                      R: A rigor, pela definição de Universo, como sendo o conjunto de tudo o que existe, o NJ seria o próprio universo. Seria o universo em seu estado “minimal”, o estado mais simples possível. Portanto, o NJ não poderia originar o universo, pois ele seria o próprio universo, onde o tempo não existiria. Posteriormente ele poderia ter aleatorizado um ou mais cosmos.

                      11- O NJ não estaria limitado à nossa lógica? Ele poderia ser ilógico?

                      R: Devemos perceber que existem dois conceitos sobre o Nada Jocaxiano que estão inter-relacionados: O Objeto Nada-Jocaxiano (NJ-Objeto), e a Teoria sobre este NJ-Objeto (NJ-Teoria). O NJ-Objeto é definido como algo que possui as propriedades referentes ao NJ (P1 e P2) descrito acima. A teoria sobre o NJ (NJ-Teoria) é uma teoria baseada na lógica, que explica como o NJ-Objeto poderia aleatorizar nosso cosmo. Pode-se argumentar que se o NJ-Objeto não possui leis então também não precisaria obedecer à lógica, e isso, de fato, é correto. Entretanto, ao analisarmos o NJ-Objeto com a nossa lógica clássica, não estaremos incluindo novas possibilidades ao NJ-Objeto, mas, sim o oposto: poderemos estar, na verdade, limitando as possibilidades do NJ-Objeto, o que significa, talvez, que ele possa ser ainda mais "toti-potente" do que possamos imaginar.

                      12- O NJ, ao aleatorizar algo, deixa de ser um NJ, e perderia assim a capacidade de aleatorização?

                      R: As aleatorizações do NJ são chamadas de “esquizo-criações”.  O Universo estava na forma de um NJ.  A primeira esquizo-criação do NJ faz com que o NJ deixe de ser um NJ, pois agora o universo tem, ao menos, um elemento: sua primeira esquizo-criação. Se esta primeira esquizo-criação não for uma lei que o impeça de aleatorizar outras coisas, como por exemplo, uma lei que o torne um “nada-trivial”, então esta esquizo-criação, que é o NJ evoluído (NJE), poderia, eventualmente, continuar gerando suas esquizo-criações. Apenas a geração de leis que restrinjam a própria geração de leis poderia impedir novas esquizo-criações.

                      13- Poderíamos isolar uma porção do cosmo e torná-lo um NJ?

                      R: Dificilmente. Uma vez que o nosso cosmo já está “banhado” por leis físicas, para criarmos um NJ teríamos que retirar todas as leis físicas daquela região. Ninguém ainda sabe se isso é possível e muito menos como isto poderia ser feito.

                      14-Para haver seleção natural de leis, as leis não teriam que ser ordenadas temporalmente, isto é, o tempo já não teria que ser pré-requisito?   

                      R: Se for necessário que haja alguma “lei do tempo” ou o próprio “tempo” para que possamos ordenar as leis que são aleatorizadas pelo NJ então isso não seria um grande problema. Bastaria “esperar” que uma das “esquizo-criações” fosse uma lei temporal. A partir de então as novas leis estariam ordenadas e sofreriam “seleção natural”.

                      15-Quais as evidências que o nosso cosmo veio de um NJ?

                      R: As evidências seriam um universo lógico, onde não haveria contradições físicas entre os elementos deste universo.



                      ================================================
                      []s
                      Jocax
                       
                      2017-04-19 22:46 GMT-03:00 luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist] <ciencialist@...>:


                      Quanto tempo mesmo!
                       
                      Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                       
                      Abs
                      Felipe


                      Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


                       
                      Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                      Abraços

                      Enviado do meu iPhone

                      Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

                       
                       
                      Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                       
                      Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                       
                      Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                       
                      Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                       
                      Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                       
                      Sds,
                       
                      Victor.
                       
                       




                       
                    • José Victor
                      Olá, Se alguma coisa não tem o menor sentido, é isto que você declara e que destaco em vermelho: Obs.: Quanto ao Princípio da Indolência cósmica ----
                      Mensagem 10 de 22 , 22 de abr
                        Olá,
                        Se alguma coisa não tem o menor sentido, é isto que você declara e que destaco em vermelho:

                        "Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência."  
                        como se o assunto enfocado não fosse do âmbito da ciência. Já que, como toda gente sabe, ele o é!  Pelas seguintes razões:
                        1- Na Natureza, todos os corpos, em movimento livre, tendem a ocupar as posições de menor energia. E este é um princípio físico. De conhecimento do povo desde o final da primeira metado do século até nossos dias. Nada demais, então. 
                        2 - Assim, por tabela, não é muito difícil inferir que: 
                        -menores dispêndios de energia estão vinculados a durações temporais maiores, entre dois pontos estacionários!  
                        "Quanto maior  ritmo de tartaruga melhor para os preguiçosos", dito popular configurado hoje como um dos esteios de construção de qualquer teoria física.  É isto que mentes brilhantes, como Bertrand Russel, H.Bondi, entre outros,  chamaram de...Indolência Cósmica! Poderia ser outro nome para tipificar o funcionamento do princípio, mas este é tido como o melhor. A mecânica, tanto clássica como relativista, a ótica, o  eletromagnetismo e a mecânica quântica, exibem fartas evidências matemáticas desse fato elementar, que influe crucialmente na tecnologia.  Tanto em termos de ficiência quanto em custo. Com direito a alguns teoremas. Se fuçar, vai encontrar.  Mas foi com a teoria da relatividade que o fato assumiu o status de princípio geodésico, com repercussões em toda a estrutura da RG, ou seja, em toda a ciência.
                        Em um movimento geodésico, temporal, uma partícula livre(sob a ação exclusiva da gravidade) está num estado de movimento de menor dispêndio de energia possível, portanto é lícito científica e lógicamente concluir que a trajetória(temporal, bem entendido)  entre dois pontos dessa geodésica deve ocorrer, obrigatoriamente, num intervalo de tempo maximizado(O que pode ser provado pelo Princípio de Hamilton). 
                        Sem usar nada de matemática sofisticada, como é o caso da elegante  mecânica analítica, pode-se usar o teorema de Pitágoras do espaçotempo, na forma da equação de Minkowsky que dá o comprimento temporal entre dois eventos e se convencer. Um raio de luz dá uma diferença nula entre dois eventos de uma geodésica no espaçotempo, como é sabido. Então, se comparar um raio de luz ziguezagueando em torno de uma geodésica seguida por uma partícula, vai ver  que o comprimento espacial é maior mas o temporal, o tempo próprio dessa partícula entre dois pontos,  é maior que o tempo próprio do raio luminoso entre os mesmos dois pontos. 
                        Também, pode-se chegar a conclusão idêntica de outra maneira  simples, analizando-se por exemplo o movimento de uma partícula lançada obliquamente da superfície da Terra, com velocidade inicial Vo, estudando-se o alcance máximo, e consequentemente,  o status do tempo decorrido, se ocorre de ser mínimo ou máximo, já que a equação de tal movimento é uma função do tempo, e é parabólica[y(t)= 5t^2 + b.t ^+c],  e é geodésica, como pode ser mostrado via o mesmo  Princípio de Hamilton(e equações de Lagrange-Euler, que lhe dão suporte). E aquí não precisa de nada de mec.analítica. Basta o formalismo newtoniano mesmo, no que você acredita como sendo o único a merecer uma viagem para o nirvana.

                        Estes os meus argumentos,  para me contrapor à pérola embutida em sua afirmação.
                        Sds,
                        Victor



                        2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@...>:
                         

                        Grande Felipe (o questionador),

                        Como nos velhos tempos.

                        Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                        Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                        Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                        Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                        :-)

                        Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                        Helio


                        De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br>
                        Para: "ciencialist@.... br" <ciencialist@.... br>
                        Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                        Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                         
                        Quanto tempo mesmo!

                        Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                        Abs
                        Felipe


                        Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


                         
                        Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                        Abraços

                        Enviado do meu iPhone

                        Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

                         

                        Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                        Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                        Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                        Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                        Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                        Sds,

                        Victor.







                      • José Victor
                        Hélio e todos, No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações
                        Mensagem 11 de 22 , 23 de abr
                          Hélio e todos,

                           

                          No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                           

                           

                          “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                           

                          Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                           

                           

                          Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                           

                          Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                           

                          Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                           

                          Sds,

                          Victor. 


                          2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@...>:
                           

                          Grande Felipe (o questionador),

                          Como nos velhos tempos.

                          Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                          Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                          Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                          Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                          :-)

                          Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                          Helio


                          De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br>
                          Para: "ciencialist@.... br" <ciencialist@.... br>
                          Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                          Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                           
                          Quanto tempo mesmo!

                          Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                          Abs
                          Felipe


                          Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@.... br> escreveu:


                           
                          Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                          Abraços

                          Enviado do meu iPhone

                          Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:

                           

                          Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                          Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                          Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                          Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                          Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                          Sds,

                          Victor.







                        • José Victor
                          ... De: José Victor Data: 22 de abril de 2017 15:53 Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica. Para:
                          Mensagem 12 de 22 , 24 de abr

                            ---------- Mensagem encaminhada ----------
                            De: José Victor <j.victor.neto@...>
                            Data: 22 de abril de 2017 15:53
                            Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                            Para: ciencialist@...


                            Olá,
                            Se alguma coisa não tem o menor sentido, é isto que você declara e que destaco em vermelho:

                            "Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência."  
                            como se o assunto enfocado não fosse do âmbito da ciência. Já que, como toda gente sabe, ele o é!  Pelas seguintes razões:
                            1- Na Natureza, todos os corpos, em movimento livre, tendem a ocupar as posições de menor energia. E este é um princípio físico. De conhecimento do povo desde o final da primeira metado do século até nossos dias. Nada demais, então. 
                            2 - Assim, por tabela, não é muito difícil inferir que: 
                            -menores dispêndios de energia estão vinculados a durações temporais maiores, entre dois pontos estacionários!  
                            "Quanto maior  ritmo de tartaruga melhor para os preguiçosos", dito popular configurado hoje como um dos esteios de construção de qualquer teoria física.  É isto que mentes brilhantes, como Bertrand Russel, H.Bondi, entre outros,  chamaram de...Indolência Cósmica! Poderia ser outro nome para tipificar o funcionamento do princípio, mas este é tido como o melhor. A mecânica, tanto clássica como relativista, a ótica, o  eletromagnetismo e a mecânica quântica, exibem fartas evidências matemáticas desse fato elementar, que influe crucialmente na tecnologia.  Tanto em termos de ficiência quanto em custo. Com direito a alguns teoremas. Se fuçar, vai encontrar.  Mas foi com a teoria da relatividade que o fato assumiu o status de princípio geodésico, com repercussões em toda a estrutura da RG, ou seja, em toda a ciência.
                            Em um movimento geodésico, temporal, uma partícula livre(sob a ação exclusiva da gravidade) está num estado de movimento de menor dispêndio de energia possível, portanto é lícito científica e lógicamente concluir que a trajetória(temporal, bem entendido)  entre dois pontos dessa geodésica deve ocorrer, obrigatoriamente, num intervalo de tempo maximizado(O que pode ser provado pelo Princípio de Hamilton). 
                            Sem usar nada de matemática sofisticada, como é o caso da elegante  mecânica analítica, pode-se usar o teorema de Pitágoras do espaçotempo, na forma da equação de Minkowsky que dá o comprimento temporal entre dois eventos e se convencer. Um raio de luz dá uma diferença nula entre dois eventos de uma geodésica no espaçotempo, como é sabido. Então, se comparar um raio de luz ziguezagueando em torno de uma geodésica seguida por uma partícula, vai ver  que o comprimento espacial é maior mas o temporal, o tempo próprio dessa partícula entre dois pontos,  é maior que o tempo próprio do raio luminoso entre os mesmos dois pontos. 
                            Também, pode-se chegar a conclusão idêntica de outra maneira  simples, analizando-se por exemplo o movimento de uma partícula lançada obliquamente da superfície da Terra, com velocidade inicial Vo, estudando-se o alcance máximo, e consequentemente,  o status do tempo decorrido, se ocorre de ser mínimo ou máximo, já que a equação de tal movimento é uma função do tempo, e é parabólica[y(t)= 5t^2 + b.t ^+c],  e é geodésica, como pode ser mostrado via o mesmo  Princípio de Hamilton(e equações de Lagrange-Euler, que lhe dão suporte). E aquí não precisa de nada de mec.analítica. Basta o formalismo newtoniano mesmo, no que você acredita como sendo o único a merecer uma viagem para o nirvana.

                            Estes os meus argumentos,  para me contrapor à pérola embutida em sua afirmação.
                            Sds,
                            Victor



                            2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@.... br>:
                             

                            Grande Felipe (o questionador),

                            Como nos velhos tempos.

                            Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                            Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                            Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                            Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                            :-)

                            Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                            Helio


                            De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                            Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                            Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                            Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                             
                            Quanto tempo mesmo!

                            Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                            Abs
                            Felipe


                            Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                             
                            Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                            Abraços

                            Enviado do meu iPhone

                            Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                             

                            Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                            Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                            Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                            Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                            Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                            Sds,

                            Victor.








                          • José Victor
                            ... De: José Victor Data: 23 de abril de 2017 18:18 Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica. Para:
                            Mensagem 13 de 22 , 24 de abr

                              ---------- Mensagem encaminhada ----------
                              De: José Victor <j.victor.neto@...>
                              Data: 23 de abril de 2017 18:18
                              Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                              Para: ciencialist@...


                              Hélio e todos,

                               

                              No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                               

                               

                              “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                               

                              Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                               

                               

                              Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                               

                              Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                               

                              Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                               

                              Sds,

                              Victor. 


                              2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@.... br>:
                               

                              Grande Felipe (o questionador),

                              Como nos velhos tempos.

                              Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                              Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                              Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                              Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                              :-)

                              Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                              Helio


                              De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                              Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                              Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                              Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                               
                              Quanto tempo mesmo!

                              Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                              Abs
                              Felipe


                              Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                               
                              Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                              Abraços

                              Enviado do meu iPhone

                              Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                               

                              Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                              Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                              Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                              Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                              Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                              Sds,

                              Victor.








                            • João Carlos Holland de Barcellos
                              Queridos amigos retardados, O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo explicaria o alegado principio da Acao Minima ou
                              Mensagem 14 de 22 , 24 de abr
                                Queridos amigos retardados,
                                O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                A partir dai esse universo se desintegrara !

                                Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                Entenderam?
                                http://www.genismo.com/logicatexto23.htm
                                Abracos!
                                Jocax


                                Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:



                                ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                Para: ciencialist@...



                                Hélio e todos,

                                 

                                No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                 

                                 

                                “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                 

                                Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                 

                                 

                                Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                 

                                Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                 

                                Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                 

                                Sds,

                                Victor. 


                                2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                 

                                Grande Felipe (o questionador),

                                Como nos velhos tempos.

                                Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                                Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                :-)

                                Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                                Helio


                                De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                                 
                                Quanto tempo mesmo!

                                Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                                Abs
                                Felipe


                                Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                 
                                Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                Abraços

                                Enviado do meu iPhone

                                Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                 

                                Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                                Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                                Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                                Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                                Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                                Sds,

                                Victor.











                              • Pesky Bee
                                Jocaxão, começo a apreciar o alcance de vossas indagações metafísico-estranhafúrdias. Pois é através de vossos princípios que ouso eu criar o
                                Mensagem 15 de 22 , 24 de abr
                                  Jocaxão, começo a apreciar o alcance de vossas indagações
                                  metafísico-estranhafúrdias. Pois é através de vossos
                                  princípios que ouso eu criar o "Universo Peskybeano".
                                  Ei-lo exposto pela primeira vez:
                                   
                                  Um sapo comeu uma lasquinha de repolho. Aí ele foi lá no
                                  lago e, "não aguentando suportar" (diabólica redundância,
                                  hahahahaha), soltou um tremendo PEIDO que iniciou a súbita
                                  formação de uma bolota gasosa que originou um novo e complexo
                                  universo! Quem sabe nós todos somos meramente frutos de um
                                  flato de batráquio! Santas penugens da xóta da tia genara!
                                   
                                  P.S: Concordo plenamente que eu pertenço à gangue
                                  dos "amigos retardados", hahahahahahaha
                                   
                                  *PB*
                                   
                                   
                                   
                                  Sent: Monday, April 24, 2017 4:25 PM
                                  Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                   


                                  Queridos amigos retardados,
                                  O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                  explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                  Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                  composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                  Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                  -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                  -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                  A partir dai esse universo se desintegrara !

                                  Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                  Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                  Entenderam?
                                  http://www.genismo.com/logicatexto23.htm
                                  Abracos!
                                  Jocax
                                   
                                   
                                  Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                   
                                  ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                  De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                  Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                  Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                  Para: ciencialist@...



                                  Hélio e todos,
                                   

                                   

                                  No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                   

                                   

                                  “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                   

                                  Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                   

                                   

                                  Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                   

                                  Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                   

                                  Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                   

                                  Sds,

                                  Victor.

                                   
                                  2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                   
                                  Grande Felipe (o questionador),
                                   
                                  Como nos velhos tempos.
                                   
                                  Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                   
                                  Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                   
                                  Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                  Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                  :-)
                                   
                                  Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                   
                                  Helio
                                   

                                  De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                  Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                  Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                  Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                   
                                   
                                  Quanto tempo mesmo!
                                   
                                  Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                   
                                  Abs
                                  Felipe


                                  Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                   
                                  Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                  Abraços

                                  Enviado do meu iPhone

                                  Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                   
                                   
                                  Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                   
                                  Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                   
                                  Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                   
                                  Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                   
                                  Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                   
                                  Sds,
                                   
                                  Victor.
                                   
                                   




                                   
                                   


                                   
                                • João Carlos Holland de Barcellos
                                  Caro Pesky, Eu chamei carinhosamente de amigos retardados pq as vezes nao me controlo e gosto de soltar a lingua com o que me vem a mente e como a lista el
                                  Mensagem 16 de 22 , 25 de abr
                                    Caro Pesky,
                                    Eu chamei carinhosamente de "amigos retardados" pq as vezes nao me controlo e gosto de
                                    soltar a lingua com o que me vem a mente e como a lista el informal eu deixo acontecer pra me divertir um pouco tambem.
                                    De qqr modo PEÇO DESCULPAS aos que se sentiram mal com isso ,  nao foi pra ofender apenas pra que ABRAM os olhos
                                    pq as vezes parece que nao leem com atencao.

                                    Eu nao sei pq eu convivo tanto tempo com o NJ ( nada jocaxiano ) q pra mim eh muito claro e obvio 
                                    mas eu sei q para quem nao esta acostumado nao eh .

                                    Veja bem ATEH MESMO SEU SAPO PEIDORENTO CRIADOR DE NOSSA "BOLHA UNIVERSO"  pode ser
                                    VERDADE por mais incrivel que isso seja , pode realmente ser verdade pois o NJ pode aleatorizar qualquer coisa
                                    ateh mesmo um SAPO PEIDORENTO que tenha a capacidade de PEIDAR UNIVERSOS BOLHAS sendo o nosso UM DELES.

                                    Isso pq o NJ nao possui regras de restricao NENHUMA entao TUDO eh possivel !!

                                    Vc esta conseguindo entende?

                                    Abracos!
                                    Jocax

                                    Em 24 de abril de 2017 16:39, 'Pesky Bee' peskybee2@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                    Jocaxão, começo a apreciar o alcance de vossas indagações
                                    metafísico-estranhafúrdias. Pois é através de vossos
                                    princípios que ouso eu criar o "Universo Peskybeano".
                                    Ei-lo exposto pela primeira vez:
                                     
                                    Um sapo comeu uma lasquinha de repolho. Aí ele foi lá no
                                    lago e, "não aguentando suportar" (diabólica redundância,
                                    hahahahaha), soltou um tremendo PEIDO que iniciou a súbita
                                    formação de uma bolota gasosa que originou um novo e complexo
                                    universo! Quem sabe nós todos somos meramente frutos de um
                                    flato de batráquio! Santas penugens da xóta da tia genara!
                                     
                                    P.S: Concordo plenamente que eu pertenço à gangue
                                    dos "amigos retardados", hahahahahahaha
                                     
                                    *PB*
                                     
                                     
                                     
                                    Sent: Monday, April 24, 2017 4:25 PM
                                    Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                     


                                    Queridos amigos retardados,
                                    O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                    explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                    Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                    composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                    Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                    -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                    -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                    A partir dai esse universo se desintegrara !

                                    Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                    Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                    Entenderam?
                                    http://www.genismo.com/ logicatexto23.htm
                                    Abracos!
                                    Jocax
                                     
                                     
                                    Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:


                                     
                                    ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                    De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                    Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                    Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                    Para: ciencialist@...



                                    Hélio e todos,
                                     

                                     

                                    No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                     

                                     

                                    “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                     

                                    Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                     

                                     

                                    Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                     

                                    Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                     

                                    Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                     

                                    Sds,

                                    Victor.

                                     
                                    2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                     
                                    Grande Felipe (o questionador),
                                     
                                    Como nos velhos tempos.
                                     
                                    Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                     
                                    Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                     
                                    Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                    Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                    :-)
                                     
                                    Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                     
                                    Helio
                                     

                                    De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                    Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                    Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                    Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                     
                                     
                                    Quanto tempo mesmo!
                                     
                                    Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                     
                                    Abs
                                    Felipe


                                    Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                     
                                    Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                    Abraços

                                    Enviado do meu iPhone

                                    Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                     
                                     
                                    Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                     
                                    Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                     
                                    Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                     
                                    Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                     
                                    Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                     
                                    Sds,
                                     
                                    Victor.
                                     
                                     




                                     
                                     


                                     



                                  • José Victor
                                    Olá, Retornarei este e-mail, por dois motivos: 1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: Queridos amigos retardados, 2) .....*explicaria o
                                    Mensagem 17 de 22 , 25 de abr
                                      Olá,

                                      Retornarei este e-mail, por dois motivos:

                                      1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: "Queridos amigos retardados," 
                                       
                                      2) ".....explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima."

                                      Não se trata de um "alegado....". Isto me leva a perguntar se você entendeu mesmo a essência do princípio a que se refere! Eu tenho certeza de que não. Mas,  se sim, será capaz de  deduzir, COM BASE EM SUA TEORIA, e sem recorrer a qualquer meio, uma Ação(unidades da ação: energia*tempo) para o campo gravitacional(gostaria de ver todos os detalhes e fundamentos matemáticos que darão suporte à sua Ação); e, depois, sem mimimi, chegar às equações de campo da Relatividade Geral, de onde deverão sair todas as demais consequências teóricas que sustentam toda a física que conhecemos; não só as que a sustentam, mas as que lhe permitem evoluções  e novas previsões. Deve, também, a partir dessa sua teoria(não estou dizendo que está certa ou errada ou é ruim. Não existe isso. O que existe são  teorias que são inadequadas a tal ou qual contexto. Mas pode-se também, fazer comparações com outras, como a recém teoria do Pesky, que me parece genial, com os flatos dos gericos comando o cenário cósmico. E você,  o que pode acrescentar sobre o peskyanismo cósmico?
                                      Ainda com base em sua teoria, deve chegar aos teoremas que estruturam a mecânica quântica e, no limite, deduzir todas as leis de Newton. Pois tudo isso se faz com a equação de deus: (delta)S=0, onde S é a ação, dada pela integral do Lagrangeano correspondente.
                                      Vamos lá? Se você conseguir, pois parece ser um sujeito muito sério e teimoso, terá o meu apoio, se bem que nem precisará dele. 
                                      Mas, antes, gostaria de seus  esclarecimentos a respeito do conteudo do item 1), retro.

                                      Victor


                                      Em 24 de abril de 2017 16:25, João Carlos Holland de Barcellos jocax@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:
                                       

                                      Queridos amigos retardados,
                                      O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                      explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                      Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                      composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                      Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                      -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                      -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                      A partir dai esse universo se desintegrara !

                                      Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                      Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                      Entenderam?
                                      http://www.genismo.com/ logicatexto23.htm
                                      Abracos!
                                      Jocax


                                      Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:



                                      ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                      De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                      Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                      Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                      Para: ciencialist@...



                                      Hélio e todos,

                                       

                                      No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                       

                                       

                                      “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                       

                                      Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                       

                                       

                                      Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                       

                                      Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                       

                                      Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                       

                                      Sds,

                                      Victor. 


                                      2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                       

                                      Grande Felipe (o questionador),

                                      Como nos velhos tempos.

                                      Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                      Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                                      Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                      Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                      :-)

                                      Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                                      Helio


                                      De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                      Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                      Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                      Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                                       
                                      Quanto tempo mesmo!

                                      Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                                      Abs
                                      Felipe


                                      Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                       
                                      Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                      Abraços

                                      Enviado do meu iPhone

                                      Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                       

                                      Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                                      Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                                      Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                                      Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                                      Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                                      Sds,

                                      Victor.












                                    • Pesky Bee
                                      Amigo Jocaxão, não precisa pedir desculpas não! Todos nós somos (em uma medida ou outra) um pouquitinho retardados. Claro que alguns (como este abelho que
                                      Mensagem 18 de 22 , 25 de abr
                                        Amigo Jocaxão, não precisa pedir desculpas não! Todos
                                        nós somos (em uma medida ou outra) um pouquitinho
                                        retardados. Claro que alguns (como este abelho que
                                        vos escreve) são ligeiramente mais retardados do que
                                        as pessoas ditas como "normais". E o meu exemplo do
                                        sapo flatulento pode ter sido uma concepção
                                        sacanístico-humorófila, mas nenhum de nós poderia
                                        afirmar que não poderia ser assim! Prrrrrtttttt!!
                                         
                                        Eu tenho até outra teoria, mais estranhafúrdia do que
                                        essa. Nosso universo (e "nóis", por consequência) somos
                                        apenasmente bits em um super-mega-hiper-macro computador
                                        de um alien absurdamente gigantesco e que resolveu
                                        fazer uma simulação, que para ele tem apenas alguns
                                        "segundos" de duração (para nós, são mais de 13 bilhões
                                        de anos).
                                         
                                        Então recomendo a vossa senhoria que escreva uma faixa
                                        monumentalmente gigantesca e coloque em órbita com os
                                        seguintes dizeres:
                                         
                                        "Seu Alien safado, fí dumégua, descobri que tu estás
                                        fazendo uso da teoria NJ. Viu só, monstroleta horrorosa,
                                        como uma criação tua já conseguiu te superar?!"
                                        hahahahahahahaha
                                         
                                        *PB*
                                         
                                         
                                         
                                        Sent: Tuesday, April 25, 2017 9:16 AM
                                        Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                         


                                        Caro Pesky,
                                        Eu chamei carinhosamente de "amigos retardados" pq as vezes nao me controlo e gosto de
                                        soltar a lingua com o que me vem a mente e como a lista el informal eu deixo acontecer pra me divertir um pouco tambem.
                                        De qqr modo PEÇO DESCULPAS aos que se sentiram mal com isso ,  nao foi pra ofender apenas pra que ABRAM os olhos
                                        pq as vezes parece que nao leem com atencao.

                                        Eu nao sei pq eu convivo tanto tempo com o NJ ( nada jocaxiano ) q pra mim eh muito claro e obvio 
                                        mas eu sei q para quem nao esta acostumado nao eh .

                                        Veja bem ATEH MESMO SEU SAPO PEIDORENTO CRIADOR DE NOSSA "BOLHA UNIVERSO"  pode ser
                                        VERDADE por mais incrivel que isso seja , pode realmente ser verdade pois o NJ pode aleatorizar qualquer coisa
                                        ateh mesmo um SAPO PEIDORENTO que tenha a capacidade de PEIDAR UNIVERSOS BOLHAS sendo o nosso UM DELES.

                                        Isso pq o NJ nao possui regras de restricao NENHUMA entao TUDO eh possivel !!

                                        Vc esta conseguindo entende?

                                        Abracos!
                                        Jocax
                                         
                                        Em 24 de abril de 2017 16:39, 'Pesky Bee' peskybee2@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                        Jocaxão, começo a apreciar o alcance de vossas indagações
                                        metafísico-estranhafúrdias. Pois é através de vossos
                                        princípios que ouso eu criar o "Universo Peskybeano".
                                        Ei-lo exposto pela primeira vez:
                                         
                                        Um sapo comeu uma lasquinha de repolho. Aí ele foi lá no
                                        lago e, "não aguentando suportar" (diabólica redundância,
                                        hahahahaha), soltou um tremendo PEIDO que iniciou a súbita
                                        formação de uma bolota gasosa que originou um novo e complexo
                                        universo! Quem sabe nós todos somos meramente frutos de um
                                        flato de batráquio! Santas penugens da xóta da tia genara!
                                         
                                        P.S: Concordo plenamente que eu pertenço à gangue
                                        dos "amigos retardados", hahahahahahaha
                                         
                                        *PB*
                                         
                                         
                                         
                                        Sent: Monday, April 24, 2017 4:25 PM
                                        Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                         


                                        Queridos amigos retardados,
                                        O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                        explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                        Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                        composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                        Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                        -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                        -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                        A partir dai esse universo se desintegrara !

                                        Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                        Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                        Entenderam?
                                        http://www.genismo.com/ logicatexto23.htm
                                        Abracos!
                                        Jocax
                                         
                                         
                                        Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:


                                         
                                        ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                        De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                        Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                        Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                        Para: ciencialist@...



                                        Hélio e todos,
                                         

                                         

                                        No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                         

                                         

                                        “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                         

                                        Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                         

                                         

                                        Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                         

                                        Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                         

                                        Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                         

                                        Sds,

                                        Victor.

                                         
                                        2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                         
                                        Grande Felipe (o questionador),
                                         
                                        Como nos velhos tempos.
                                         
                                        Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                         
                                        Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                         
                                        Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                        Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                        :-)
                                         
                                        Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                         
                                        Helio
                                         

                                        De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                        Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                        Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                        Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                         
                                         
                                        Quanto tempo mesmo!
                                         
                                        Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                         
                                        Abs
                                        Felipe


                                        Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                         
                                        Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                        Abraços

                                        Enviado do meu iPhone

                                        Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                         
                                         
                                        Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                         
                                        Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                         
                                        Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                         
                                        Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                         
                                        Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                         
                                        Sds,
                                         
                                        Victor.
                                         
                                         




                                         
                                         


                                         


                                         
                                      • João Carlos Holland de Barcellos
                                        Victor, Eu ja expliquei no mail anterior sobre a questao do RETARDADOS , como uma forma de abrir os olhos e verificar uma coisa tao clara e importante sobre a
                                        Mensagem 19 de 22 , 25 de abr
                                          Victor,
                                          Eu ja expliquei no mail anterior sobre a questao do RETARDADOS ,
                                          como uma forma de abrir os olhos e verificar uma coisa tao clara e importante sobre a origem do universo e das leis da fisica.

                                          Veja vem vc quer que uma teoria explique as aparentemente LEIS DA FISICA que nosso universo APARENTEMENTE SEGUE.

                                          Vc deve ter em mente que estas leis sao de fato aparentes e podem ou nao ser reais.

                                          Pra clarificar as ideias :
                                          Suponha que num experimento quantico uma particula seja emitida para uma direcao ( que representaria nossas leis aparentes )  Vc diria : quero uma teoria que explique porque a particula saiu NESTA direcao especifica.

                                          Mas esta particula poderia sair em outra direcao pq existe uma probabilidade para isso  e nao necessariamente NAQUELA DIRECAO !

                                          O que eu quero dizer e´que uma teoria que explique a origem das leis da fisica poderia DA MESMA FORMA explicar
                                          OUTRAS LEIS DA FISICA sem contudo esta teoria estar em contradicao com os fatos .

                                          Assim como a particula saiu , por aleatoriedade numa direcao especifica , poderia sair em outra , da mesma
                                          forma nosso universo poderia ter OUTRAS LEIS DA FISICA , que nao invalidaria a teoria sobre a ORIGEM das leis da fisica !!!

                                          Entao NAO faz sentido vc EXIGIR que uma teoria que explique a origem do universo e as leis da fisica
                                          TENHA NECESSARIAMENTE que CHEGAR a nossas exatas aparentes leis da fisica !!!



                                          Outra coisa , vc endeusa a teoria da relatividade mas em breve , em menos de um mes, vai sai publicado
                                          num periodico internacional meu artigo , que ja postei aqui , que refuta a teoria da relatividade restrita.

                                          []s
                                          Jocax












                                          Em 25 de abril de 2017 09:31, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                          Olá,

                                          Retornarei este e-mail, por dois motivos:

                                          1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: "Queridos amigos retardados," 
                                           
                                          2) ".....explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima."

                                          Não se trata de um "alegado....". Isto me leva a perguntar se você entendeu mesmo a essência do princípio a que se refere! Eu tenho certeza de que não. Mas,  se sim, será capaz de  deduzir, COM BASE EM SUA TEORIA, e sem recorrer a qualquer meio, uma Ação(unidades da ação: energia*tempo) para o campo gravitacional(gostaria de ver todos os detalhes e fundamentos matemáticos que darão suporte à sua Ação); e, depois, sem mimimi, chegar às equações de campo da Relatividade Geral, de onde deverão sair todas as demais consequências teóricas que sustentam toda a física que conhecemos; não só as que a sustentam, mas as que lhe permitem evoluções  e novas previsões. Deve, também, a partir dessa sua teoria(não estou dizendo que está certa ou errada ou é ruim. Não existe isso. O que existe são  teorias que são inadequadas a tal ou qual contexto. Mas pode-se também, fazer comparações com outras, como a recém teoria do Pesky, que me parece genial, com os flatos dos gericos comando o cenário cósmico. E você,  o que pode acrescentar sobre o peskyanismo cósmico?
                                          Ainda com base em sua teoria, deve chegar aos teoremas que estruturam a mecânica quântica e, no limite, deduzir todas as leis de Newton. Pois tudo isso se faz com a equação de deus: (delta)S=0, onde S é a ação, dada pela integral do Lagrangeano correspondente.
                                          Vamos lá? Se você conseguir, pois parece ser um sujeito muito sério e teimoso, terá o meu apoio, se bem que nem precisará dele. 
                                          Mas, antes, gostaria de seus  esclarecimentos a respeito do conteudo do item 1), retro.

                                          Victor


                                          Em 24 de abril de 2017 16:25, João Carlos Holland de Barcellos jocax@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:
                                           

                                          Queridos amigos retardados,
                                          O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                          explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                          Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                          composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                          Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                          -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                          -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                          A partir dai esse universo se desintegrara !

                                          Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                          Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                          Entenderam?
                                          http://www.genismo.com/logicat exto23.htm
                                          Abracos!
                                          Jocax


                                          Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:



                                          ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                          De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                          Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                          Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                          Para: ciencialist@...



                                          Hélio e todos,

                                           

                                          No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                           

                                           

                                          “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                           

                                          Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                           

                                           

                                          Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                           

                                          Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                           

                                          Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                           

                                          Sds,

                                          Victor. 


                                          2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                           

                                          Grande Felipe (o questionador),

                                          Como nos velhos tempos.

                                          Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                          Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.

                                          Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                          Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                          :-)

                                          Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.

                                          Helio


                                          De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                          Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                          Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                          Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.

                                           
                                          Quanto tempo mesmo!

                                          Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas? 

                                          Abs
                                          Felipe


                                          Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                           
                                          Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                          Abraços

                                          Enviado do meu iPhone

                                          Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                           

                                          Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:

                                          Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele. 

                                          Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):

                                          Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica). 

                                          Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos. 

                                          Sds,

                                          Victor.















                                        • Pesky Bee
                                          ... PPPPRRRRRRRTTTTTTTTT!! Acabo de introduzir uma novidade na teoria pesquibeana. Como ontem almocei brócolis com repolho, hoje (na verdade, agora mesmo)
                                          Mensagem 20 de 22 , 25 de abr
                                            > Mas pode-se também, fazer comparações com outras,
                                            > como a recém teoria do Pesky, que me parece genial,
                                             
                                            PPPPRRRRRRRTTTTTTTTT!!
                                            Acabo de introduzir uma novidade na teoria pesquibeana.
                                            Como ontem almocei brócolis com repolho, hoje (na verdade,
                                            agora mesmo) soltei um gigantescamente imenso FLATO que
                                            com certeza deu origem a um universo quanticamente
                                            complexo. E nesse universo deve haver uma Scarlett
                                            Johansson que está na janela de seu apartamento, totalmente
                                            pelada, dando tchauzinho para mim. Ah, se eu fosse
                                            infinitamente menor para pegá-la! hahahahahahaha
                                             
                                            *PB*
                                             
                                             
                                             
                                             
                                             
                                            Sent: Tuesday, April 25, 2017 9:31 AM
                                            Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                             


                                            Olá,

                                            Retornarei este e-mail, por dois motivos:

                                            1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: "Queridos amigos retardados,"
                                             
                                            2) ".....explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima."

                                            Não se trata de um "alegado....". Isto me leva a perguntar se você entendeu mesmo a essência do princípio a que se refere! Eu tenho certeza de que não. Mas,  se sim, será capaz de  deduzir, COM BASE EM SUA TEORIA, e sem recorrer a qualquer meio, uma Ação(unidades da ação: energia*tempo) para o campo gravitacional(gostaria de ver todos os detalhes e fundamentos matemáticos que darão suporte à sua Ação); e, depois, sem mimimi, chegar às equações de campo da Relatividade Geral, de onde deverão sair todas as demais consequências teóricas que sustentam toda a física que conhecemos; não só as que a sustentam, mas as que lhe permitem evoluções  e novas previsões. Deve, também, a partir dessa sua teoria(não estou dizendo que está certa ou errada ou é ruim. Não existe isso. O que existe são  teorias que são inadequadas a tal ou qual contexto. Mas pode-se também, fazer comparações com outras, como a recém teoria do Pesky, que me parece genial, com os flatos dos gericos comando o cenário cósmico. E você,  o que pode acrescentar sobre o peskyanismo cósmico?
                                            Ainda com base em sua teoria, deve chegar aos teoremas que estruturam a mecânica quântica e, no limite, deduzir todas as leis de Newton. Pois tudo isso se faz com a equação de deus: (delta)S=0, onde S é a ação, dada pela integral do Lagrangeano correspondente.
                                            Vamos lá? Se você conseguir, pois parece ser um sujeito muito sério e teimoso, terá o meu apoio, se bem que nem precisará dele.
                                            Mas, antes, gostaria de seus  esclarecimentos a respeito do conteudo do item 1), retro.

                                            Victor

                                             
                                            Em 24 de abril de 2017 16:25, João Carlos Holland de Barcellos jocax@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:
                                             
                                            Queridos amigos retardados,
                                            O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                            explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                            Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                            composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                            Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                            -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                            -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                            A partir dai esse universo se desintegrara !

                                            Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                            Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                            Entenderam?
                                            http://www.genismo.com/ logicatexto23.htm
                                            Abracos!
                                            Jocax
                                             
                                             
                                            Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:


                                             
                                            ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                            De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                            Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                            Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                            Para: ciencialist@...



                                            Hélio e todos,
                                             

                                             

                                            No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                             

                                             

                                            “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                             

                                            Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                             

                                             

                                            Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                             

                                            Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                             

                                            Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                             

                                            Sds,

                                            Victor.

                                             
                                            2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                             
                                            Grande Felipe (o questionador),
                                             
                                            Como nos velhos tempos.
                                             
                                            Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                             
                                            Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                             
                                            Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                            Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                            :-)
                                             
                                            Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                             
                                            Helio
                                             

                                            De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                            Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                            Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                            Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                             
                                             
                                            Quanto tempo mesmo!
                                             
                                            Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                             
                                            Abs
                                            Felipe


                                            Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                             
                                            Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                            Abraços

                                            Enviado do meu iPhone

                                            Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                             
                                             
                                            Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                             
                                            Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                             
                                            Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                             
                                            Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                             
                                            Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                             
                                            Sds,
                                             
                                            Victor.
                                             
                                             




                                             
                                             


                                             
                                             
                                          • João Carlos Holland de Barcellos
                                            Caro Pesky, embora sua teoria do universo peidorado nao possam ser de fato , a priori, negada a ciencia usa como principio de preferencia de teorias
                                            Mensagem 21 de 22 , 25 de abr
                                              Caro Pesky,
                                              embora sua  teoria do "universo peidorado"  nao possam ser de fato , a priori,  negada
                                              a ciencia usa como principio de preferencia de teorias cientificas
                                              a NAVALHA DE OCCAM.

                                              Este principio escolhe teorias que facao uso DE UM MENOR CONJUNTO DE HIPOTESES.

                                              Assim a teoria cientifica preferida dos cientistas, que sao tomadas para serem mais serias,
                                              sao aquelas que melhor satisfaçam a Navalha de Ocam.

                                              Então INFELIZMENTE  suas teorias vão ficar nos ultimos lugares das teorias concorrentes,
                                              por fazerem uso de varias hipoteses nao verificadas , embora REPITO , possa ser SIM uma verdade absoluta, elas nao serao consideradas por haverem
                                              outras teorias com menos hipoteses embutidas .....

                                              Abs
                                              Jocax




                                              Em 25 de abril de 2017 10:39, 'Pesky Bee' peskybee2@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                              > Mas pode-se também, fazer comparações com outras,
                                              > como a recém teoria do Pesky, que me parece genial,
                                               
                                              PPPPRRRRRRRTTTTTTTTT!!
                                              Acabo de introduzir uma novidade na teoria pesquibeana.
                                              Como ontem almocei brócolis com repolho, hoje (na verdade,
                                              agora mesmo) soltei um gigantescamente imenso FLATO que
                                              com certeza deu origem a um universo quanticamente
                                              complexo. E nesse universo deve haver uma Scarlett
                                              Johansson que está na janela de seu apartamento, totalmente
                                              pelada, dando tchauzinho para mim. Ah, se eu fosse
                                              infinitamente menor para pegá-la! hahahahahahaha
                                               
                                              *PB*
                                               
                                               
                                               
                                               
                                               
                                              Sent: Tuesday, April 25, 2017 9:31 AM
                                              Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                               


                                              Olá,

                                              Retornarei este e-mail, por dois motivos:

                                              1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: "Queridos amigos retardados,"
                                               
                                              2) ".....explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima."

                                              Não se trata de um "alegado....". Isto me leva a perguntar se você entendeu mesmo a essência do princípio a que se refere! Eu tenho certeza de que não. Mas,  se sim, será capaz de  deduzir, COM BASE EM SUA TEORIA, e sem recorrer a qualquer meio, uma Ação(unidades da ação: energia*tempo) para o campo gravitacional(gostaria de ver todos os detalhes e fundamentos matemáticos que darão suporte à sua Ação); e, depois, sem mimimi, chegar às equações de campo da Relatividade Geral, de onde deverão sair todas as demais consequências teóricas que sustentam toda a física que conhecemos; não só as que a sustentam, mas as que lhe permitem evoluções  e novas previsões. Deve, também, a partir dessa sua teoria(não estou dizendo que está certa ou errada ou é ruim. Não existe isso. O que existe são  teorias que são inadequadas a tal ou qual contexto. Mas pode-se também, fazer comparações com outras, como a recém teoria do Pesky, que me parece genial, com os flatos dos gericos comando o cenário cósmico. E você,  o que pode acrescentar sobre o peskyanismo cósmico?
                                              Ainda com base em sua teoria, deve chegar aos teoremas que estruturam a mecânica quântica e, no limite, deduzir todas as leis de Newton. Pois tudo isso se faz com a equação de deus: (delta)S=0, onde S é a ação, dada pela integral do Lagrangeano correspondente.
                                              Vamos lá? Se você conseguir, pois parece ser um sujeito muito sério e teimoso, terá o meu apoio, se bem que nem precisará dele.
                                              Mas, antes, gostaria de seus  esclarecimentos a respeito do conteudo do item 1), retro.

                                              Victor

                                               
                                              Em 24 de abril de 2017 16:25, João Carlos Holland de Barcellos jocax@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:
                                               
                                              Queridos amigos retardados,
                                              O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                              explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                              Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                              composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                              Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                              -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                              -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                              A partir dai esse universo se desintegrara !

                                              Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                              Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                              Entenderam?
                                              http://www.genismo.com/logicat exto23.htm
                                              Abracos!
                                              Jocax
                                               
                                               
                                              Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:


                                               
                                              ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                              De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                              Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                              Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                              Para: ciencialist@...



                                              Hélio e todos,
                                               

                                               

                                              No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                               

                                               

                                              “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                               

                                              Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                               

                                               

                                              Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                               

                                              Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                               

                                              Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                               

                                              Sds,

                                              Victor.

                                               
                                              2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                               
                                              Grande Felipe (o questionador),
                                               
                                              Como nos velhos tempos.
                                               
                                              Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                               
                                              Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                               
                                              Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                              Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                              :-)
                                               
                                              Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                               
                                              Helio
                                               

                                              De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                              Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                              Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                              Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                               
                                               
                                              Quanto tempo mesmo!
                                               
                                              Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                               
                                              Abs
                                              Felipe


                                              Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                               
                                              Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                              Abraços

                                              Enviado do meu iPhone

                                              Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                               
                                               
                                              Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                               
                                              Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                               
                                              Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                               
                                              Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                               
                                              Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                               
                                              Sds,
                                               
                                              Victor.
                                               
                                               




                                               
                                               


                                               
                                               



                                            • Pesky Bee
                                              É que eu uso uma outra teoria, conhecida como Navalha de Peidãm. Essa conjectura só é válida para universos exteriores ao nosso, onde muita coisa se
                                              Mensagem 22 de 22 , 25 de abr
                                                É que eu uso uma outra teoria, conhecida como Navalha de Peidãm.
                                                 
                                                Essa conjectura só é válida para universos exteriores ao
                                                nosso, onde muita coisa se inverte. Assim, o elemento
                                                vital da teoria é o Flato, uma concepção produzida por
                                                uma metodologia anal-intestinolenta, e que é capaz de
                                                conceptualizar inúmeras cagalhações de altíssima importância
                                                teórica.
                                                 
                                                Infelizmente, todos os cientistas que se debruçaram
                                                sobre essa teoria para estudá-la acabaram parando na
                                                UTI do hospital mais próximo (por razões que me parecem
                                                óbvias o suficiente!), hahahahahahaha
                                                 
                                                *PB*
                                                 
                                                 
                                                 
                                                Sent: Tuesday, April 25, 2017 10:58 AM
                                                Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                                 


                                                Caro Pesky,
                                                embora sua  teoria do "universo peidorado"  nao possam ser de fato , a priori,  negada
                                                a ciencia usa como principio de preferencia de teorias cientificas
                                                a NAVALHA DE OCCAM.

                                                Este principio escolhe teorias que facao uso DE UM MENOR CONJUNTO DE HIPOTESES.

                                                Assim a teoria cientifica preferida dos cientistas, que sao tomadas para serem mais serias,
                                                sao aquelas que melhor satisfaçam a Navalha de Ocam.

                                                Então INFELIZMENTE  suas teorias vão ficar nos ultimos lugares das teorias concorrentes,
                                                por fazerem uso de varias hipoteses nao verificadas , embora REPITO , possa ser SIM uma verdade absoluta, elas nao serao consideradas por haverem
                                                outras teorias com menos hipoteses embutidas .....

                                                Abs
                                                Jocax


                                                 
                                                 
                                                Em 25 de abril de 2017 10:39, 'Pesky Bee' peskybee2@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:


                                                > Mas pode-se também, fazer comparações com outras,
                                                > como a recém teoria do Pesky, que me parece genial,
                                                 
                                                PPPPRRRRRRRTTTTTTTTT!!
                                                Acabo de introduzir uma novidade na teoria pesquibeana.
                                                Como ontem almocei brócolis com repolho, hoje (na verdade,
                                                agora mesmo) soltei um gigantescamente imenso FLATO que
                                                com certeza deu origem a um universo quanticamente
                                                complexo. E nesse universo deve haver uma Scarlett
                                                Johansson que está na janela de seu apartamento, totalmente
                                                pelada, dando tchauzinho para mim. Ah, se eu fosse
                                                infinitamente menor para pegá-la! hahahahahahaha
                                                 
                                                *PB*
                                                 
                                                 
                                                 
                                                 
                                                 
                                                Sent: Tuesday, April 25, 2017 9:31 AM
                                                Subject: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                                 


                                                Olá,

                                                Retornarei este e-mail, por dois motivos:

                                                1) - O que você quer referir, e a quem, quando diz: "Queridos amigos retardados,"
                                                 
                                                2) ".....explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima."

                                                Não se trata de um "alegado....". Isto me leva a perguntar se você entendeu mesmo a essência do princípio a que se refere! Eu tenho certeza de que não. Mas,  se sim, será capaz de  deduzir, COM BASE EM SUA TEORIA, e sem recorrer a qualquer meio, uma Ação(unidades da ação: energia*tempo) para o campo gravitacional(gostaria de ver todos os detalhes e fundamentos matemáticos que darão suporte à sua Ação); e, depois, sem mimimi, chegar às equações de campo da Relatividade Geral, de onde deverão sair todas as demais consequências teóricas que sustentam toda a física que conhecemos; não só as que a sustentam, mas as que lhe permitem evoluções  e novas previsões. Deve, também, a partir dessa sua teoria(não estou dizendo que está certa ou errada ou é ruim. Não existe isso. O que existe são  teorias que são inadequadas a tal ou qual contexto. Mas pode-se também, fazer comparações com outras, como a recém teoria do Pesky, que me parece genial, com os flatos dos gericos comando o cenário cósmico. E você,  o que pode acrescentar sobre o peskyanismo cósmico?
                                                Ainda com base em sua teoria, deve chegar aos teoremas que estruturam a mecânica quântica e, no limite, deduzir todas as leis de Newton. Pois tudo isso se faz com a equação de deus: (delta)S=0, onde S é a ação, dada pela integral do Lagrangeano correspondente.
                                                Vamos lá? Se você conseguir, pois parece ser um sujeito muito sério e teimoso, terá o meu apoio, se bem que nem precisará dele.
                                                Mas, antes, gostaria de seus  esclarecimentos a respeito do conteudo do item 1), retro.

                                                Victor

                                                 
                                                Em 24 de abril de 2017 16:25, João Carlos Holland de Barcellos jocax@... [ciencialist] <ciencialist@.... br> escreveu:
                                                 
                                                Queridos amigos retardados,
                                                O que vcs não entenderam é que o Nada Jocaxiano sobre a origem do universo
                                                explicaria o alegado principio da Acao Minima ou maxima .

                                                Veja se entendem o NJ comeca a GERAR um universo
                                                composto ou nao de Universos bolhas nao comunicantes entre si  de forma totalmente aleatoria.

                                                Entao UM DOS POSSIVEIS UNIVERSO Bolha aleatorizado  poderia ser asssim:
                                                -  O Principio da acao vai ser valido  ateh o seguinte evento acontecer:
                                                -  120 integrantes de uma lista de ciencias lerem a mensagem do jocax  .
                                                A partir dai esse universo se desintegrara !

                                                Entenderam? As leis nao precisam ser validas para sempre , embora isso TAMBEM posssa acontecer.
                                                Nao podemos ter CERTEZA quais sao as verdadeiras leis aleatorizadas  nem quanto tempo serao validas .
                                                Entenderam?
                                                http://www.genismo.com/logicat exto23.htm
                                                Abracos!
                                                Jocax
                                                 
                                                 
                                                Em 24 de abril de 2017 12:11, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:


                                                 
                                                ---------- Mensagem encaminhada ----------
                                                De: José Victor <j.victor.neto@...>
                                                Data: 23 de abril de 2017 18:18
                                                Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                                Para: ciencialist@...



                                                Hélio e todos,
                                                 

                                                 

                                                No post anterior, priorizei comentário para a segunda parte de seu e-mail. Mas volto à mesma sua postagem para comentar as observações abaixo, para você de conteúdo verdadeiro, o que fica muito além do mínimo que se possa chamar de verdade, ou postura científica atrelada ao modo como a Natureza se comporta. Deixe-me pois expor meus argumentos “idiotas e de maneira nenhuma científicas”.

                                                 

                                                 

                                                “Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".

                                                 

                                                Victor: Aceitar ou não aceitar é uma prerrogativa de cada um, claro. Isto é uma coisa: a outra é dizer, simplesmente, que não aceita  coisas que estão inseridas em todo o contexto científico, desde há séculos. Claro, a Natureza poderia agir diferente da forma como acontece e que enseja observações, de conteúdo universal e que dão causa a princípios físicos, que adquirem o status de lei. No post anterior elenquei um bocado de fatos, nesse sentido. Volte lá, se quiser. Claro, a Natureza poderia ser diferente, poderia muito que bem apontar princípios diferentes, claramente não tão simples e intuitivos como os que já são conhecidos, repito, há séculos. Mas acontece  que  não é assim. Nunca alguém, em época alguma, nem mesmo em sonho ou pesadelos, observou qualquer comportamento que conduza a contradições em relação a qualquer de seus princípios ou leis. Newton apoiou-se em suas observações acerca de como a Natureza age. E logrou expressar, de maneira genial, o fruto de suas observações numa linguagem única, universal, que apenas descrevem como os eventos ocorrem na Natureza mas, sobretudo, como quantificá-las, permitindo previsões de se agora é assim, no futuro também será.  Diria Newton: Se minhas leis descrevem o movimento de um corpo em todo o tempo, então observações que apontem alterações do que preconizam essas leis só podem ter outras causas, como, por exemplo,  outros corpos nas proximidades que meus oinhos ainda não viram. Como minhas leis “são assim e pronto’, então procurem que encontrarão”... como de fato encontraram. Tanto no âmbito da relatividade como no mundo atômico(Exemplos? Eis alguns: planeta escondido, cometas que tiveram suas trajetórias e posições em cada ponto do espaço perfeitamente determinadas, partículas como o neutro, descobertas primeiro de maneira teórica, o mar de Dirac, partículas elétricas de cargas contrárias, entre tantas outras, tudo saído do “armário” graças ao eficiente detetive científico, na lupa do colossal edifício matemático produzido pelas descobertas de Newton.  E a produção genial de Newton ocorreu, exatamente, pelo fato de a” Natureza ser assim e pronto”. Bem, agora, vá conversar com ele e lhe diga que você não concorda e “pronto”. Se você diz que não, então continue dizendo. Só não vá ensinar aos seus filhos coisas diferentes, pois então eles não te perdoarão quando tomarem tento desta vida e das  coisas científicas que a rodeiam.

                                                 

                                                 

                                                Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.”

                                                 

                                                Victor:  A questão, Hélio, é que, infelizmente, de jeito nenhum, é isso que você diz. A bem da verdade, nem todas as contas são simples, ou facilitadas por esse princípio que, como informei no poste anterior, foi fruto de uma observação antiga, de lá dos idos de 1744.  Foi o pensador Maupertuis quem descobriu esse  princípio, vendo nele uma verdade universal. Mas sua motivação era enaltecer o poder e a glória de Deus. (Esse tipo de besteirada era muito comum naqueles tempos de escuridão mental). Não importa, o camarada legou aos que lhes seguiram um conhecimento de cair o queixo...  Todos os corpos, em condições não forçadas, procuram as trajetórias mais curtas, tempos mínimos, e situação de energia mínima. (Detalhei isso no post anterior).  Nunca se viu ações diferentes, inté today. Equilíbrios, ou posições estáveis, sempre ocorrem em situações de menores energia, onde o status de repouso é dominante. A água escoa para os pontos de menores níveis, onde os potenciais gravitacionais são os mais baixos, assim como corpos buscam regiões de menores potenciais, portanto, onde terão baixas energias. Estas são coisas que parecem triviais, óbvias.  Um princípio não é coisa que se prove, ou mesmo que tenha uma origem lógica, e não decorre de qualquer teoria.  Mas, hoje, com o avanço da ciência, da matemática, tal princípio, assim como os outros, estão bem estruturados linguagem matemática que permite cálculos seguros e previsões seguras. Assim, em particular, o Princípio da Mínima Ação – na forma do Princípio de São Hamilton - é ingrediente indispensável, verdadeiro esteio principal,  em toda e qualquer teoria física. Em escala cosmológica, por exemplo, o Princípio da Mínima Ação, garante que os planetas, galáxias, o escambau, movam-se em trajetórias onde haja o menor dispêndio de energia, pelo que seus tempos próprios são os maiores possíveis. Ou seja, no espaçotempo os objetos movem-se, sempre, com velocidade uniforme, cujo análogo no espaço não é outra coisa senão o movimento em linha reta, onde também não há acelerações e onde se cumprem os ditames do magno princípio, que você reduziu a mero “truque/macete”. Mas o alcance dessa importante lei da Natureza é gigantesco. O que comentei é apenas uma amostra mínima.

                                                 

                                                Bem, deixe-me encerrar este papo e....pronto!

                                                 

                                                Sds,

                                                Victor.

                                                 
                                                2017-04-22 10:22 GMT-03:00 Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@....b r>:
                                                 
                                                Grande Felipe (o questionador),
                                                 
                                                Como nos velhos tempos.
                                                 
                                                Não podemos aceitar um "É assim porque é e pronto" ou "A natureza é assim e pronto".
                                                 
                                                Tanto o princípio da mínima ação como "Princípio de Fermat" para luz são truques/macetes para facilitar contas.
                                                 
                                                Para saber mesmo porque eles acabam dando certo, temos que voltar para Newton.
                                                Obs.: Quanto ao "Princípio da Indolência cósmica"----> SEM COMENTÁRIOS, pois esta é uma lista de ciência.
                                                :-)
                                                 
                                                Que bom escrever aqui novamente. Por isto agradeço ao Victor.
                                                 
                                                Helio
                                                 

                                                De: "luiz silva luizfelipecsrj@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r>
                                                Para: "ciencialist@....b r" <ciencialist@....b r>
                                                Enviadas: Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 22:46
                                                Assunto: Re: [ciencialist] Lei da indolência cósmica.
                                                 
                                                 
                                                Quanto tempo mesmo!
                                                 
                                                Sabe-se o porque do Universo seguir essas "Leis" minimas e máximas?
                                                 
                                                Abs
                                                Felipe


                                                Em Quarta-feira, 19 de Abril de 2017 9:58, "Cacildo Krebs Neto krebscacildo@... [ciencialist]" <ciencialist@....b r> escreveu:


                                                 
                                                Pensei que esse grupo já não mais existia, pois nunca mais recebi mensagens. Muito bom voltar a receber mensagens físicas e filosóficas para raciocínio e debate.
                                                Abraços

                                                Enviado do meu iPhone

                                                Em 18 de abr de 2017, às 10:05, José Victor jvoneto1@... [ciencialist] <ciencialist@....b r> escreveu:

                                                 
                                                 
                                                Para reflexões, depois de uma "descanso" tão grande...:
                                                 
                                                Tudo em relatividade, isto é,  em física, Física, gira em torno de princípios. O mais garboso deles é o princípio da mínima ação, que todos conhecem. Toda a física sai dele.
                                                 
                                                Deste princípio, extrai-se outro(com evidências experimentais):
                                                 
                                                Princípio, da Indolência cósmica. Que tem o status de Lei e, segundo o qual, o tempo próprio ou o comprimento de uma geodésica temporal ou, ainda, a idade de uma pessoa ou de uma partícula, é o maior possível, entre todos os outros que ocorram entre dois pontos fixos(e estacionários) da uma dada linha de mundo temporal,( ou geodésica).
                                                 
                                                Em termos matemáticos, isto é descrito pela relação entre o tempo próprio e a diferença de coordenadas externa ao referencial onde o tempo próprio é considerado, entre os mesmos dois pontos.
                                                 
                                                Sds,
                                                 
                                                Victor.
                                                 
                                                 




                                                 
                                                 


                                                 
                                                 


                                                 
                                              Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.