Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.

89217Re: Assunto: Re: [ciencialist] O PRINCIPIA (001)

Expandir mensagens
  • Pesky Bee
    18 de mai
      > "QUANTITAS MATERIAE EST MENSURA EJUSDEM ORTA EX
      > ILLIUS DENSITATE ET MAGNITUDINE CONJUNCTIM"
       
      Coloquei essa frase no meu aplicativo tradutor peskybeano
      (em fase beta) e ele retornou com isto:
       
      PIU-PIU DE JAPONÊS É PEQUENO POR NATUREZA, NÃO
      ADIANTA TENTAR PUXAR PARA FORA.
       
      (sorry, sorry, soooorrry....)
       
      *PB*
      (laughter is the best medicine!)
       
       
       
      Sent: Wednesday, May 17, 2017 7:46 PM
      Subject: Assunto: Re: [ciencialist] O PRINCIPIA (001)
       


      Victor,
       
      No original é:
       
      "QUANTITAS MATERIAE EST MENSURA EJUSDEM ORTA EX ILLIUS DENSITATE ET MAGNITUDINE CONJUNCTIM"
       
      Qualquer reclamação quanto a tradução, reclame com o tradutor:
      Sergio M. Dutra

      Mas eu procurei no Tradutor Google o significado da palavra ORTA e das expressões ORTA EX e ORTA EX ILLIUS.

      ORTA: Surgido;
      ORTA EX: Surgido a partir de;
      ORTA EX ILLIUS: Decorrente da sua ....

      De qualquer forma e a despeito do que possa significar em outros contextos....

      Fica claro para mim que Newton está falando da origem da medida de massa e não da origem da massa em si.
      É a forma de quantificar a matéria.
      Matéria é independente, quantidade de matéria é apenas a quantidade dela.
      :-)

      Na tradução do Sergio, ele preferiu "Originando de" que "oriundo de" talvez para dar esta ideia de processo de medição. Só um palpite.

      Helio


      Em sáb, 13 13e mai 13e 2017 às 11:00, José Victor jvoneto1@... [ciencialist]
      &It;ciencialist@...> escreveu:
       


      Olá,
       
      "A QUANTIDADE DE MATÉRIA É A MEDIDA DA MESMA, ORIGINANDO DE SUA DENSIDADE E VOLUME CONJUNTAMENTE."

      Creio que não revisou o seu texto: você escreveu ORIGINANDO ao invés de ORIUNDO.
       
      Sds,
      Victor.
       

       
      Em 12 de maio de 2017 09:10, Hélio Carvalho helicar_br@... [ciencialist] <ciencialist@...> escreveu:
       


      Aqui começa a série "O PRINCIPIA".
       
      Começando pelo início (ou iniciando pelo começo).
       
      Primeira parte do livro "PRINCIPIA" -->  Definições e Axiomas (bem antes do início do "Livro I")
       
      DEFINIÇÃO I:
       
      "A QUANTIDADE DE MATÉRIA É A MEDIDA DA MESMA, ORIGINANDO DE SUA DENSIDADE E VOLUME CONJUNTAMENTE.

      Então ar de dupla densidade, em um espaço duplo, é quádruplo em quantidade; em um espaço triplo, sêxtuplo em quantidade. A mesma coisa deve ser entendida da neve, e da poeira ou pós finos, que são condensados por compressão ou liquefação; e de todos os corpos que são de alguma outra maneira condensados. Não estou considerando aqui um meio, se é que existe um, que permeie os interstícios entre as partes dos corpos. Esta é a quantidade a que me refiro a partir daqui e em todo lugar sob o nome de corpo ou massa, e o mesmo é válido para o peso de cada corpo; pois ela é proporcional ao peso, como descobri por meio de experimentos com pêndulos, feitos de maneira muito acurada, que serão mostrados mais adiante." I. N.
       
      Estas são as primeiras palavras de Newton no Principia.
       
      Antes de comentá-las, algumas considerações:
      Eu prefiro dizer "O Principia" que dizer "Os Principia".
      Não estou me referindo ao plural "princípios".
      Estou me referindo ao livro chamado "PHILOSOPHIAE NATURALIS PRINCIPIA MATHEMATICA" ou, simplesmente, PRINCIPIA.
      Estou usando a tradução contida no livro "OS GÊNIOS DA CIÊNCIA - SOBRE OMBROS DE GIGANTES". Um livro organizado e comentado por Stephem Hawking e que contém as traduções das principais obras de Copérnico, Galileu, Kepler, Newton e Einstein. A tradução para o português do Principia contido neste livro é de Sergio M. Dutra (Ph.D. em Física, University of London).
       
      AS CRÍTICAS QUE COSTUMAM FAZER:
      A primeira crítica que fazem a esta definição de massa de Newton é que não se pode definir massa a partir da densidade pois a definição de densidade depende da massa. Outra crítica é que o termo "quantidade de matéria", hoje em dia, é outra coisa diferente de massa. Respondo ambas mais abaixo.
       
      O QUE EU ACHO QUE NEWTON QUIS DIZER:
       
      Esta definição não foi dada por um aluno do ensino médio. Isto é de Newton. Logo é absurdo imaginar que ele iria errar algo tão básico. Se ele diz que a definição de massa depende da densidade, ele está dizendo isto mesmo. Note que a definição moderna de densidade está associada à um sistema de unidades. Densidade pode ser dada em kg/m³. Newton não usa unidade de medidas na sua explicação. Desta forma a noção de densidade pode ser colocada como precedente da de massa. Parte de uma matéria (ar por ex.) homogênea em densidade. É bom estar sempre em mente que nesta época não havia a noção de átomos (como se tem hoje - divisível) nem moléculas. Mas a noção de ar mais rarefeito ou mais concentrado era fácil. Se parte de uma situação inicial de um recipiente com ar e diminui pela metade seu volume sem deixar o ar escapar, então ele terá o dobro da densidade. Se agora pega quatro destes e junta teremos o dobro da densidade inicial e o dobro do volume inicial. Logo o quádruplo da quantidade de matéria. São quatro recipientes, cada um com a mesma quantidade de ar que o recipiente original.
       
      O termo "quantidade de matéria" hoje é usado para definir quantidades de um determinado elemento (quantos átomos de oxigênio estão presentes neste volume ou quantidade de moléculas de CO2 etc.) e isto não define massa pois cada tipo de elemento tem uma massa diferente. Mas esta noção não existia em Newton.
      Para Newton "existia a hipótese" de átomo de Demócrito (que Newton chama de "as partes dos corpos"), indivisível e que toda matéria é formado por ele. Logo, extrapolando para a noção de átomo moderna, um elétron de hoje deve ser formado por bilhões de átomos de Demócrito assim como os prótons, nêutrons etc. E se tudo que temos são átomos iguais, a quantidade destes átomos são sempre a quantidade de matéria (massa - só "esperando" uma unidade de medida).
       
      Mais para o final do Principia ele rompe com o átomo de Demócrito indivisível. Ele considera que a matéria é sim, até a uma escala muito pequena, formada por algo de mesmo tipo (tijolo único) mas que este tijolo pode ser dividido em tijolos formadores dele ainda menores e assim sucessivamente até o infinitésimo (sem fim). Mas isto não contradiz a definição de massa dele.
       
      COISAS QUE DIZEM QUE NEWTON DISSE, MAS QUE ELE NÃO DISSE:
      1. "Massa é a medida da resistência ao movimento" --> Absurdo quererem dizer que esta é a definição de massa de Newton. Não existe isto. [Esta definição é de Higgs :-)]. Comentarei melhor quando chegar neste ponto do livro.
      2. "Existe a 'massa inercial' e a 'massa gravitacional'" --> Não é nada disto a definição de massa de Newton está aí em cima. Ela independe de como esta massa está sendo manipulada. É uma caracterização intrínseca independente do exterior. Fica até ridículo discutir se "massa gravitacional" é igual ou não à "massa inercial". Massa é massa e pronto. Botar estes adjetivos na massa por si só é ridículo. Para Newton e para mim também.
       
      Sabemos que o ambiente externo pode modificar a quantidade de matéria de um objeto. Mas isto é outra coisa. Neste caso não teremos "massa gravitacional" ou "massa inercial" mas teremos massa diminuindo ou aumentando durante o processo.
      Mais tarde voltaremos a este assunto.
       
      OBSERVAÇÃO:
      A unidade de medida quilograma é a que hoje dá mais dor de cabeça para os metrologistas. Todas as outras podem ser obtidas a partir de grandezas físicas universais através de experiências que podem ser repetidas (reproduzidas) em qualquer lugar do mundo. Mas o quilograma ainda depende de um protótipo que é guardado com cuidado na França.
       
    • Mostrar todas as 3 mensagens neste tópico