Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.

9170Re: [bh-vibe] Todos concordam??? Eu não!!!!!!!

Expandir mensagens
  • Marcelo Alencar
    26 de mar de 2004
      "Essa de achar que DJ é Deus não cola comigo."

      respondendo:

      nem comigo... dj são apenas meus maiores ídolos! os caras que em minha adolescência, eu enfrentava a matiné toda em pé atrás da cabine, tentando descobrir o que ele fazia para não deixar perceber que havia trocado a música ou dependendo da situação fazendo perceber pela sua técnica arrojada! Uma coisa era certa, aquela mixagem é que dava a vida para a outra música, que entrava sempre no momento adequado! A música, a mixagem, tudo na hora que realmente tinha que ser!

      é claro que nem todo mundo enxerga assim... mas, sendo sensata, a pessoa perceberá que em distintas áreas, sempre tratamos os profissionais que se destacam por serem realmente bons, como especiais. E sendo leigos, não podemos julgar se esta pessoa realmente não merece o status que ela alcança, ainda mais quando a uma certa magia nessa profissão!

      escuto muitas pessoas falando assim: "é um absurdo o que o ronaldinho ganha para jogar futebol!" Penso assim: jogue como ele, que vc vai ganhar tbm!
      O Marky ganha bem???!!!??? Se vc conseguir ter a mesma presença, técnica e outras coisinhas mais, acho q vc não precisa tocar no botequim da sua rua (não estou falando de mim, estou falando do Marky. Eu ficaria muito feliz em tocar no boteco perto da minha casa).

      o que não "cola" mesmo, é um dj não saber mixar...
      dj's sem recursos de batidas seqüenciadas como é a música eletrônica e com equipamentos precários, a muito tempo atrás já misturavam os sons! Hoje em dia que é tudo mais fácil, acho que ele tem por obrigação usar esta técnica!

      [ ]s

      Marcelo Alencar




      ----- Original Message -----
      From: Alessandro - BH
      To: bh-vibe@...
      Sent: Friday, March 26, 2004 2:24 PM
      Subject: [bh-vibe] Todos concordam???


      que é um DJ?


      Jeffersson Santos
      26/03/2004





      Não é segredo que muitos dos textos que publico aqui surgem de conversas em mesas de bar. Pode ser um copo sujo, um bar da moda, um café - reafirmo: café, na maioria das vezes, é eufemismo para boteco chique. O texto dessa semana não é diferente.

      Domingo passado estávamos eu e um grupo de amigos numa mesa de bar. Cerveja gelada, tira-gosto ao ponto, quase tudo perfeito. Faltava a boa música. E foi esse o mote para a conversa: apesar das centenas de bares em Belo Horizonte, são poucos aqueles que se preocupam com a seleção musical, com a música ambiente.

      Alguns até se resguardam: proíbem rodas de violão - assim como entrar em camiseta ou beijo na boca. Mas bar que toca música boa de verdade, daqueles que dá vontade de ir ficando, pedir mais uma só para ouvir o que vem depois, quase não tem. Poucos - ou quase nenhum, se levado em consideração o número de bares na capital - escalam DJs para animar a noite. O mais comum é sentar na mesa, pedir uma cerveja e ter que se contentar com a) música alguma, b) uma rádio popular qualquer ou c) uma televisão ligada, o que é o fim.

      Daí a conversa se desenrolou para outro ponto: assim como faltam bares com boa música, sobram DJs. Não aqueles DJs com técnica, que gastam R$ 60 em um disco de vinil importado, que fazem mixagens e usam fones de US$ 100. Desses a cidade tem poucos. O que sobra é gente que tem bom gosto musical, uma boa coleção de discos - ou MP3, tanto faz - e que se arrisca a animar uma festa. Seja apenas para os amigos ou numa casa noturna. A questão que ficou no ar foi: se existem tão poucos bares que oferecem boas músicas e tantos DJs, por que não juntar a fome com a vontade de comer? Por que os donos de bares - assim como os de alguns cafés - não contratam DJs para fazer a trilha sonora de seus estabelecimentos?

      Duas cervejas adiante e voltamos ao papo sobre DJs. O que, afinal de contas, é um DJ? A discussão, que já deu pano pra manga, vai continuar dando. Na minha opinião, animou a pista, seja com vinil, CD, MP3 ou fita cassete, é DJ. Não precisa mixar, não precisa de técnica, não precisa saber o que é pitch. Algumas das melhores festas que fui foram feitas com dois CD players caseiros. Os caras tinham um bom repertório, e isso bastava. Não estou desmerecendo os DJs profissionais. Já falei isso aqui antes: só acho que, muitas vezes, esse profissional é super-valorizado. Só isso. Essa de achar que DJ é Deus não cola comigo. Fatboy Slim tocando para 150 mil pessoas não passa de uma jogada de marketing muito bem estruturada. E convenhamos: como DJ, o cara nem é tão bom assim.

      Final de noite e o papo estava cada vez melhor. Chegamos à conclusão que ser DJ hoje em dia é como ser modelo e manequim na década passada. Todo mundo queria ser. Mas não bastava ser só modelo. Tinha que ser modelo E manequim. Com os DJ é a mesma coisa. Poucos são aqueles que são só DJ. O mais comum é o DJ e designer. Ou DJ e publicitário.

      Conheço, sem exagero, uma dúzia. Mas tem DJ e professor, DJ e psicólogo, DJ e arquiteto, DJ e modelo e manequim. Todos felizes por fazerem amigos e desconhecidos caírem na dança. Melhor que isso, só se tivessem mais espaço.





      [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]



      Se você não quer mais assinar a lista, mande um e-mail em branco para:
      bh-vibe-unsubscribe@yahoogroups.com





      ------------------------------------------------------------------------------
      Links do Yahoo! Grupos

      a.. Para visitar o site do seu grupo, acesse:
      http://br.groups.yahoo.com/group/bh-vibe/

      b.. Para sair deste grupo, envie um e-mail para:
      bh-vibe-unsubscribe@...

      c.. O uso que você faz do Yahoo! Grupos está sujeito aos Termos do Serviço do Yahoo!.



      [As partes desta mensagem que não continham texto foram removidas]
    • Mostrar todas as 2 mensagens neste tópico