Carregando ...
Desculpe, ocorreu um erro ao carregar o conteúdo.

RE: [anain di] Sal do Índio (Be rna Bolaño )

Expandir mensagens
  • Samuel Wanderley
    Estão fazendo uma certa confusão no que é importante com essa história do sal. O problema secundário é que o hábito da sociedade atual é usar sal e
    Mensagem 1 de 6 , 22 de set 17h44min
    • 0 Anexo
      Estão fazendo uma certa confusão no que é importante com essa história do sal. O problema secundário é que o hábito da sociedade atual é usar sal e outras coisas em demasia. O cloreto de sodio ou o de potassio em baixas dosagens são ambos beneficos e NECESSÁRIOS. Mas ambos em demasia são nocivos. Cloreto de potássio acima de determinada concentração no organismo é letal. Exemplificando da melhor forma, o cloreto de potássio é usado como componente ativo das injeçoes letais (é usado para matar), porém, em baixas quantidades é necessário ao funcionamento do organismo.
      O sal que dizem ser "leve", com baixo teor de sódio, vendido em muitos supermercados hoje em dia, tem 50% de cloreto de sodio e o restante de potássio.
      Porém, a questão principal nisto tudo é que está se perdendo mais um hábito em troca das facilidades de se comprar um pacote de sal nos supermercados. A tendencia mundial é de simplificação para produção em massa... dai já viu, hábitos culturais desaparecerão (continuarão a desaparecer) em rítimo muito maior que antes, e serão substituidos por hábitos mais fáceis do capitalismo manejar e obter lucro... e as pessoas pelo visto preferem assim. E viva ao "lebre" que corre solto no saleiro e anda pelas prateleiras do supermercado, não precisa catar plantas aquaticas e queimar... rs

      Abraços!
      Samuel


      To: anaindi@...
      From: ilynks@...
      Date: Thu, 22 Sep 2011 16:44:48 +0100
      Subject: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

      Pelo que eu sei, o que é danoso do sal comum é exatamente o sódio; seria muito mais saudável usar cloreto de magnésio ou de potássio, como os índios em questão fazem. Eu tenho problemas circulatórios e o cloreto de sódio é como um veneno para meu organismo mas no Brasil é muito difícil encontrar outros tipos de sal.
      Manuela

      Da: Paulo Bagdonas <paulo_dois@...>
      A: "anaindi@..." <anaindi@...>
      Inviato: Giovedì 22 Settembre 2011 11:20
      Oggetto: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

      Olá a todos.

      Tenho a lembrança de ter lido há muito tempo uma afirmação sobre o sal feito com aguapé; que ele não faz tanto mal à saúde dos índios devido à quantidade utilizada, pois os índios costumam usar menos sal em sua comida. 

      E também que o consumo do sal de potássio (feito de aguapés) na quantidade em que se consome o sal de cloreto de sódio (o sal de cozinha comum) não traria benefícios à saúde, pois o aumento dos males causados pelo excesso de potássio no organismo seriam tão nocivos quanto o excesso de sódio.

      Alguém da lista tem informações mais firmes sobre esse assunto ?

      Paulo Bagdonas


      From: José Augusto Laranjeiras Sampaio <gugasampaio56@...>
      To: anaindi@...
      Sent: Wednesday, September 21, 2011 11:05 PM
      Subject: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

       

      -----Mensagem original-----
      De: Gabriel Cortes
      Data: Quarta, 21 de Setembro de 2011 11:41
      Assunto: [saudeindigena] Sal do Índio

      Sal do índio

      por Berna Bolanho
      <http://www.facebook.com/profile.php?id=100000274385926>, terça, 20 de
      setembro de 2011 às 17:51

      *Substitua o sal, usado na alimentação por um pó extraido do Aguapé*

      Um substituto do sal. Utilize o "sal" produzido pelos índios através das
      folhas do Iguapé e melhore sua saúde se prevenindo contra enfartes e
      pressão alta.

      Antes do contato com o branco, os índios dessa região eram totalmente
      auto-suficientes. Tudo que precisavam tiravam da natureza. Até o sal. O
      mais incrível é que o sal dos índios é feito de uma das plantas
      aquáticas mais comuns no Brasil: o aguapé.

      vovó anima o trabalho. Na praia, o aguapé seca ao sol. Depois é
      queimado. No sol, ele vai secar e clarear. Todos adoram.

      "Quando queremos fazer muito, levamos um mês. E dá para quatro meses",
      revela uma das índias.

      Além de ser um sal natural, que não leva nenhum produto químico no
      processo, ele é saboroso. Deixa uma certa ardência na língua, mas é
      muito gostoso. O médico Clayton Coelho, da Faculdade Paulista de
      Medicina, explica que esse sal é muito melhor que o nosso.

      Ele é basicamente constituído de cloreto de potássio, que não faz mal
      para a pressão arterial como o cloreto de sódio, que é nosso sal de
      cozinha. Infelizmente isso está sendo perdido. Eles estão deixando de
      usar sal de índio para usar o nosso sal. E estão começando a aparecer os
      primeiros casos de hipertensão, diabetes, que são doenças relacionadas
      ao estilo de vida", revela o médico.

      A planta aquática Aguapé, de onde os índios retiram o "sal" É
      considerada praga, pois se multiplica muito rapidamente em águas + ou --
      paradas, lagos, pântanos, rios, barragens, etc. Dá lindas flores arroxeadas.

      Aguapé Elchhornia crassipes

      Suas lindas flores duram só um dia. Então a planta se curva,
      elegantemente, para dentro da água e lá se formam as sementes. O aguapé;
      planta aquática, tem uma característica curiosa: suas folhas possuem
      pequenas câmaras de ar que atuam como flutuadores. Na primavera e verão,
      esta planta nativa dos trópicos produz uma inflorescência com 30 cm de
      altura contendo 8 flores, de cor violeta com uma mancha amarela,
      lembrando uma orquídea. Presta-se admiravelmente para o cultivo em aquários

      preparando o sal

      flor de iguapé





    • Ian K.S.
      O referido sal de índio ou especificamente sal extraído da planta de aguapé é um alimento tradicional dos povos Aruak do Alto Xingu. Inclusive era
      Mensagem 2 de 6 , 23 de set 07h41min
      • 0 Anexo
        O referido sal de índio ou especificamente sal extraído da planta de aguapé  é um alimento tradicional dos povos Aruak do Alto Xingu. Inclusive era interessante saber se povos de outras regioes do Brasil tambem usam ou usavam algum tipo "sal de indio".
         
        É verdade que o contato com produtos nao indigenas diminuiram o consumo do sal de indio, ou em alguns casos perda da tecnica de fabricação como é o caso dos Kaiabi que tambem extraíam sal de uma especie de arvore. 
         
        A boa notícia é que hoje  diante das consequencias do consumo dos produtos industrializados na saude do nosso povo, principalmente do sal da cidade, a consciencia está levando algumas comunidades a voltar a produzir e consumir o sal de aguapé. Os Aweti, por exemplo tem um projeto voltado para essa finalidade com apoio do PDPI.  
        Atualmente a tecnica de fabricação é dominado por muitos povos do Xingu inclusive os Kaiabi que estão assimiliando a fabricação e consumo.
         
        Atenção, não é qualquer aguapé que se extrai sal.
        E não se consome na quantidade como o reporter da globo comeu. Viram a careta que ele fez? Todo o excesso pode prejudicar.
         
        abç a todos,
         
        Ianukulá Kaiabi Suiá
        Território Xingu
         

         

        To: anaindi@...
        From: samuelwanderley@...
        Date: Fri, 23 Sep 2011 03:44:08 +0300
        Subject: RE: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

         
        Estão fazendo uma certa confusão no que é importante com essa história do sal. O problema secundário é que o hábito da sociedade atual é usar sal e outras coisas em demasia. O cloreto de sodio ou o de potassio em baixas dosagens são ambos beneficos e NECESSÁRIOS. Mas ambos em demasia são nocivos. Cloreto de potássio acima de determinada concentração no organismo é letal. Exemplificando da melhor forma, o cloreto de potássio é usado como componente ativo das injeçoes letais (é usado para matar), porém, em baixas quantidades é necessário ao funcionamento do organismo.
        O sal que dizem ser "leve", com baixo teor de sódio, vendido em muitos supermercados hoje em dia, tem 50% de cloreto de sodio e o restante de potássio.
        Porém, a questão principal nisto tudo é que está se perdendo mais um hábito em troca das facilidades de se comprar um pacote de sal nos supermercados. A tendencia mundial é de simplificação para produção em massa... dai já viu, hábitos culturais desaparecerão (continuarão a desaparecer) em rítimo muito maior que antes, e serão substituidos por hábitos mais fáceis do capitalismo manejar e obter lucro... e as pessoas pelo visto preferem assim. E viva ao "lebre" que corre solto no saleiro e anda pelas prateleiras do supermercado, não precisa catar plantas aquaticas e queimar... rs

        Abraços!
        Samuel


        To: anaindi@...
        From: ilynks@...
        Date: Thu, 22 Sep 2011 16:44:48 +0100
        Subject: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

        Pelo que eu sei, o que é danoso do sal comum é exatamente o sódio; seria muito mais saudável usar cloreto de magnésio ou de potássio, como os índios em questão fazem. Eu tenho problemas circulatórios e o cloreto de sódio é como um veneno para meu organismo mas no Brasil é muito difícil encontrar outros tipos de sal.
        Manuela

        Da: Paulo Bagdonas <paulo_dois@...>
        A: "anaindi@..." <anaindi@...>
        Inviato: Giovedì 22 Settembre 2011 11:20
        Oggetto: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

        Olá a todos.

        Tenho a lembrança de ter lido há muito tempo uma afirmação sobre o sal feito com aguapé; que ele não faz tanto mal à saúde dos índios devido à quantidade utilizada, pois os índios costumam usar menos sal em sua comida. 

        E também que o consumo do sal de potássio (feito de aguapés) na quantidade em que se consome o sal de cloreto de sódio (o sal de cozinha comum) não traria benefícios à saúde, pois o aumento dos males causados pelo excesso de potássio no organismo seriam tão nocivos quanto o excesso de sódio.

        Alguém da lista tem informações mais firmes sobre esse assunto ?

        Paulo Bagdonas


        From: José Augusto Laranjeiras Sampaio <gugasampaio56@...>
        To: anaindi@...
        Sent: Wednesday, September 21, 2011 11:05 PM
        Subject: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

         

        -----Mensagem original-----
        De: Gabriel Cortes
        Data: Quarta, 21 de Setembro de 2011 11:41
        Assunto: [saudeindigena] Sal do Índio

        Sal do índio

        por Berna Bolanho
        <http://www.facebook.com/profile.php?id=100000274385926>, terça, 20 de
        setembro de 2011 às 17:51

        *Substitua o sal, usado na alimentação por um pó extraido do Aguapé*

        Um substituto do sal. Utilize o "sal" produzido pelos índios através das
        folhas do Iguapé e melhore sua saúde se prevenindo contra enfartes e
        pressão alta.

        Antes do contato com o branco, os índios dessa região eram totalmente
        auto-suficientes. Tudo que precisavam tiravam da natureza. Até o sal. O
        mais incrível é que o sal dos índios é feito de uma das plantas
        aquáticas mais comuns no Brasil: o aguapé.

        vovó anima o trabalho. Na praia, o aguapé seca ao sol. Depois é
        queimado. No sol, ele vai secar e clarear. Todos adoram.

        "Quando queremos fazer muito, levamos um mês. E dá para quatro meses",
        revela uma das índias.

        Além de ser um sal natural, que não leva nenhum produto químico no
        processo, ele é saboroso. Deixa uma certa ardência na língua, mas é
        muito gostoso. O médico Clayton Coelho, da Faculdade Paulista de
        Medicina, explica que esse sal é muito melhor que o nosso.

        Ele é basicamente constituído de cloreto de potássio, que não faz mal
        para a pressão arterial como o cloreto de sódio, que é nosso sal de
        cozinha. Infelizmente isso está sendo perdido. Eles estão deixando de
        usar sal de índio para usar o nosso sal. E estão começando a aparecer os
        primeiros casos de hipertensão, diabetes, que são doenças relacionadas
        ao estilo de vida", revela o médico.

        A planta aquática Aguapé, de onde os índios retiram o "sal" É
        considerada praga, pois se multiplica muito rapidamente em águas + ou --
        paradas, lagos, pântanos, rios, barragens, etc. Dá lindas flores arroxeadas.

        Aguapé Elchhornia crassipes

        Suas lindas flores duram só um dia. Então a planta se curva,
        elegantemente, para dentro da água e lá se formam as sementes. O aguapé;
        planta aquática, tem uma característica curiosa: suas folhas possuem
        pequenas câmaras de ar que atuam como flutuadores. Na primavera e verão,
        esta planta nativa dos trópicos produz uma inflorescência com 30 cm de
        altura contendo 8 flores, de cor violeta com uma mancha amarela,
        lembrando uma orquídea. Presta-se admiravelmente para o cultivo em aquários

        preparando o sal

        flor de iguapé






      • Carlos Terena Terena
        CREIO QUE CERTAS INFORMAÇÕES SOBRE A NOSSA ALIMETAÇÃO TRADICIONAL DEVE SER RESTRITO A TODOS NÓS PARENTES, E NÃO TORNÁ-LA PUBLICO, POIS COM CERTEZA
        Mensagem 3 de 6 , 24 de set 10h43min
        • 0 Anexo
          CREIO QUE CERTAS INFORMAÇÕES  SOBRE A NOSSA ALIMETAÇÃO TRADICIONAL DEVE  SER RESTRITO  A TODOS NÓS PARENTES, E NÃO TORNÁ-LA PUBLICO, POIS COM CERTEZA VIRÃO OS ESPERTALHÃO BRANCOS QUE VAI PATENTEAR, COMO JÁ OCORREU  COM ALGUS DE NOSSOS CONHECIMENTOS.
          PRATICAMENTE O SAL NA MINHA ALIMENTAÇÃO É QUASE NADA, O ÓLEO TAMBÉM NÃO  EXISTE  NO PREPARO DE MINHA ALIMENTAÇÃO, SOMENTE AGUA.
          FAZEM MAIS DE 10 ANOS QUE NÃO BEBO REFRIGERANTE. A DIABETE E A PRESSÃO ALTA  ESTÃO SEMPRE BATENDO A NOSSA PORTA,  CUIDADO!. CARLOS TERENA    

          Em 23 de setembro de 2011 11:41, Ian K.S. <ianukula@...> escreveu:
           

          O referido sal de índio ou especificamente sal extraído da planta de aguapé  é um alimento tradicional dos povos Aruak do Alto Xingu. Inclusive era interessante saber se povos de outras regioes do Brasil tambem usam ou usavam algum tipo "sal de indio".
           
          É verdade que o contato com produtos nao indigenas diminuiram o consumo do sal de indio, ou em alguns casos perda da tecnica de fabricação como é o caso dos Kaiabi que tambem extraíam sal de uma especie de arvore. 
           
          A boa notícia é que hoje  diante das consequencias do consumo dos produtos industrializados na saude do nosso povo, principalmente do sal da cidade, a consciencia está levando algumas comunidades a voltar a produzir e consumir o sal de aguapé. Os Aweti, por exemplo tem um projeto voltado para essa finalidade com apoio do PDPI.  
          Atualmente a tecnica de fabricação é dominado por muitos povos do Xingu inclusive os Kaiabi que estão assimiliando a fabricação e consumo.
           
          Atenção, não é qualquer aguapé que se extrai sal.
          E não se consome na quantidade como o reporter da globo comeu. Viram a careta que ele fez? Todo o excesso pode prejudicar.
           
          abç a todos,
           
          Ianukulá Kaiabi Suiá
          Território Xingu
           

           

          To: anaindi@...
          From: samuelwanderley@...
          Date: Fri, 23 Sep 2011 03:44:08 +0300
          Subject: RE: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

           
          Estão fazendo uma certa confusão no que é importante com essa história do sal. O problema secundário é que o hábito da sociedade atual é usar sal e outras coisas em demasia. O cloreto de sodio ou o de potassio em baixas dosagens são ambos beneficos e NECESSÁRIOS. Mas ambos em demasia são nocivos. Cloreto de potássio acima de determinada concentração no organismo é letal. Exemplificando da melhor forma, o cloreto de potássio é usado como componente ativo das injeçoes letais (é usado para matar), porém, em baixas quantidades é necessário ao funcionamento do organismo.
          O sal que dizem ser "leve", com baixo teor de sódio, vendido em muitos supermercados hoje em dia, tem 50% de cloreto de sodio e o restante de potássio.
          Porém, a questão principal nisto tudo é que está se perdendo mais um hábito em troca das facilidades de se comprar um pacote de sal nos supermercados. A tendencia mundial é de simplificação para produção em massa... dai já viu, hábitos culturais desaparecerão (continuarão a desaparecer) em rítimo muito maior que antes, e serão substituidos por hábitos mais fáceis do capitalismo manejar e obter lucro... e as pessoas pelo visto preferem assim. E viva ao "lebre" que corre solto no saleiro e anda pelas prateleiras do supermercado, não precisa catar plantas aquaticas e queimar... rs

          Abraços!
          Samuel


          To: anaindi@...
          From: ilynks@...
          Date: Thu, 22 Sep 2011 16:44:48 +0100
          Subject: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

          Pelo que eu sei, o que é danoso do sal comum é exatamente o sódio; seria muito mais saudável usar cloreto de magnésio ou de potássio, como os índios em questão fazem. Eu tenho problemas circulatórios e o cloreto de sódio é como um veneno para meu organismo mas no Brasil é muito difícil encontrar outros tipos de sal.
          Manuela

          Da: Paulo Bagdonas <paulo_dois@...>
          A: "anaindi@..." <anaindi@...>
          Inviato: Giovedì 22 Settembre 2011 11:20
          Oggetto: Re: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

          Olá a todos.

          Tenho a lembrança de ter lido há muito tempo uma afirmação sobre o sal feito com aguapé; que ele não faz tanto mal à saúde dos índios devido à quantidade utilizada, pois os índios costumam usar menos sal em sua comida. 

          E também que o consumo do sal de potássio (feito de aguapés) na quantidade em que se consome o sal de cloreto de sódio (o sal de cozinha comum) não traria benefícios à saúde, pois o aumento dos males causados pelo excesso de potássio no organismo seriam tão nocivos quanto o excesso de sódio.

          Alguém da lista tem informações mais firmes sobre esse assunto ?

          Paulo Bagdonas


          From: José Augusto Laranjeiras Sampaio <gugasampaio56@...>
          To: anaindi@...
          Sent: Wednesday, September 21, 2011 11:05 PM
          Subject: [anaindi] Sal do Índio (Berna Bolaño)

           

          -----Mensagem original-----
          De: Gabriel Cortes
          Data: Quarta, 21 de Setembro de 2011 11:41
          Assunto: [saudeindigena] Sal do Índio

          Sal do índio

          por Berna Bolanho
          <http://www.facebook.com/profile.php?id=100000274385926>, terça, 20 de
          setembro de 2011 às 17:51

          *Substitua o sal, usado na alimentação por um pó extraido do Aguapé*

          Um substituto do sal. Utilize o "sal" produzido pelos índios através das
          folhas do Iguapé e melhore sua saúde se prevenindo contra enfartes e
          pressão alta.

          Antes do contato com o branco, os índios dessa região eram totalmente
          auto-suficientes. Tudo que precisavam tiravam da natureza. Até o sal. O
          mais incrível é que o sal dos índios é feito de uma das plantas
          aquáticas mais comuns no Brasil: o aguapé.

          vovó anima o trabalho. Na praia, o aguapé seca ao sol. Depois é
          queimado. No sol, ele vai secar e clarear. Todos adoram.

          "Quando queremos fazer muito, levamos um mês. E dá para quatro meses",
          revela uma das índias.

          Além de ser um sal natural, que não leva nenhum produto químico no
          processo, ele é saboroso. Deixa uma certa ardência na língua, mas é
          muito gostoso. O médico Clayton Coelho, da Faculdade Paulista de
          Medicina, explica que esse sal é muito melhor que o nosso.

          Ele é basicamente constituído de cloreto de potássio, que não faz mal
          para a pressão arterial como o cloreto de sódio, que é nosso sal de
          cozinha. Infelizmente isso está sendo perdido. Eles estão deixando de
          usar sal de índio para usar o nosso sal. E estão começando a aparecer os
          primeiros casos de hipertensão, diabetes, que são doenças relacionadas
          ao estilo de vida", revela o médico.

          A planta aquática Aguapé, de onde os índios retiram o "sal" É
          considerada praga, pois se multiplica muito rapidamente em águas + ou --
          paradas, lagos, pântanos, rios, barragens, etc. Dá lindas flores arroxeadas.

          Aguapé Elchhornia crassipes

          Suas lindas flores duram só um dia. Então a planta se curva,
          elegantemente, para dentro da água e lá se formam as sementes. O aguapé;
          planta aquática, tem uma característica curiosa: suas folhas possuem
          pequenas câmaras de ar que atuam como flutuadores. Na primavera e verão,
          esta planta nativa dos trópicos produz uma inflorescência com 30 cm de
          altura contendo 8 flores, de cor violeta com uma mancha amarela,
          lembrando uma orquídea. Presta-se admiravelmente para o cultivo em aquários

          preparando o sal

          flor de iguapé







        Sua mensagem foi enviada com êxito e será entregue aos destinatários em breve.